Sobe para 17 o número de pontos atingidos por manchas de óleo no Maranhão

Novas manchas de óleo aparecem no litoral de Tutóia (MA) — Foto: Reprodução/ TV Mirante

Por G1 MA — São Luís, MA

Subiu para 17 o número de pontos afetados pelas manchas de óleo no litoral do Maranhão, de acordo com o último relatório do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) divulgado nessa segunda (18).

Ao todo, seis seis pontos com vestígios esparsos de óleo foram observados no litoral do estado. Eles são a Ilha dos Podros, Ilha da Melancieira, Manguezais da Ilha do Caju, Praia dos Lençóis Maranhenses e Santo Amaro do Maranhão.

Segundo o Ibama, a quantidade de contaminação nesses locais chega a 10%. Outros 11 locais que já haviam apresentado manchas de óleo anteriormente foram revisitados por equipes do órgão, mas não foi constatado nenhum vestígio da substância poluente.

Manchas de óleo no litoral do Maranhão

Localidade Situação
Ilha dos Poldros Limpo/Óleo não observado
Ilha dos Poldros Limpo/Óleo não observado
Ilha dos Poldros Oleada/Vestígios/Esparsos
Ilha da Melancieira Oleada/Vestígios/Esparsos
Manguezais da Ilha do Caju Oleada/Vestígios/Esparsos
Praia do Barro Vermelho Limpa/Óleo não observado
Atins Limpa/Óleo não observado
Praia Canto do Atins Limpa/Óleo não observado
Praia dos Lençóis Maranhenses Oleada/Vestígios/Esparsos
Travosa Limpa/Óleo não observado
Santo Amaro do Maranhão Limpa/Óleo não observado
Ilha de Santana Oleada/Vestígios/Esparsos
Avenida Litorânea Limpa/Óleo não observado
Praia de Itatinga Limpa/Óleo não observado
Praia do Livramento Limpa/Óleo não observado
Praia da Mamuna Limpa/Óleo não observado
Ilha Caçacueira Limpa/Óleo não observado

Novas manchas de óleo foram encontradas no fim de semana no litoral do município de Tutóia, localizado a 463 km de São Luís. Moradores e profissionais do turismo da região se mobilizaram para recolher a substância que, segundo os voluntários, era de pouca quantidade.

O Corpo de Bombeiros do Maranhão (CBMMA) participou da ação de limpeza auxiliando os voluntários. Um plano de ação será montado para verificar se há vestígios de substâncias de óleo na costa do município maranhense.

Homem é assassinado com oito tiros na Curva do 90 em São Luís

Reprodução

O Imparcial

Um homem identificado como Luan Alexandre da Silva, foi assassinado na manhã desta terça-feira (19), na avenida Jerônimo de Albuquerque, na Curva do 90, em São Luís. Luan levou oito tiros na região do tórax e também abdômen.

De acordo com informações policiais, dois homens que estavam em uma motocicleta, desceram e efetuaram os disparos contra a vítima. Luan seguia na companhia de uma mulher para a Central de Monitoração Eletrônica, que fica localizada na avenida Jerônimo de Albuquerque, quando foram surpreendidos pelos criminosos. A mulher conseguiu fugir.

Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ainda foi acionada para atender a ocorrência, mas Luan não resistiu aos ferimentos e morreu ainda no local. A área foi isolada pela Polícia Militar até a chegada do Instituto Médico Legal (IML) para realizar a remoção do corpo.

Ainda segundo a polícia, Luan já havia participado de uma facção criminosa em São Luís, o que pode ter relação com o homicídio. Até o momento, os autores dos disparos não foram identificados.

A polícia vai continuar investigando o caso.

MPMA aciona envolvidos em licitação irregular para fornecimento de combustíveis em Paço do Lumiar

O prefeito Domingos Dutra está na lista dos acionados – Foto: Reprodução

O Ministério Público do Maranhão ajuizou, em 31 de outubro, Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa contra dez envolvidos em um pregão presencial irregular, realizado em janeiro de 2017, pelo Município de Paço do Lumiar, para fornecimento de combustíveis para quatro secretarias. O pregão presencial nº 003/2017 resultou em contratos entre a empresa Rolim & Rolim Ltda-ME e as secretarias municipais de Administração e Finanças (Semaf), Desenvolvimento Social (Semdes), Saúde (Semus) e Educação (Semed). O valor total dos contratos foi R$ 3.128.990,00.

Formulou a ACP a promotora Gabriela Brandão da Costa Tavernard.

A lista de acionados inclui o prefeito Domingos Dutra, os ex-titulares da Semaf (Nubia Dutra), Semed (Fábio Pereira Campos), Semdes (Nauber Meneses) e Semus (Raimundo Nonato Cutrim e Elizeu Costa).

Também são citados o ex-pregoeiro do Município, Márcio Gheysan Souza, a ex-servidora comissionada Ana Cláudia Belfort, a empresa Rolim & Rolim Ltda – ME e o empresário Welker Rolim.

ASSESSORIA TÉCNICA

Uma análise feita pela Assessoria Técnica do MPMA verificou diversas inconsistências no procedimento licitatório.

O termo de referência não inclui estudo técnico sobre as quantidades necessárias, sem discriminação, consumo médio e quilometragem média percorrida.

Além disso, o documento está no nome da servidora Sâmila Siqueira mas quem assinou foi Ana Cláudia Belfort. O termo, datado de 9 de janeiro de 2017, também não foi elaborado por nenhuma das duas, e a assinatura ocorreu em data posterior.

O edital foi assinado pelo ex-pregoeiro do Município, mesmo não sendo legalmente autorizado. O documento continha qualificações técnicas de outros itens, como medicamentos e itens de uso hospitalar. Mesmo assim, isto não foi questionado pela empresa vencedora do pregão.

Outra irregularidade foi a falta de designação, no edital, de representante da administração municipal responsável pela fiscalização da execução do contrato. Entretanto, no decorrer da execução, seis servidores foram indicados para tal função, mas ninguém chegou a exercê-la efetivamente. Somente atestavam as notas fiscais.

Faltou, ainda, a justificativa para a contratação da empresa.Alguns anexos deveriam ter sido fornecidos via website (como indicado no edital), mas o link destes documentos nunca foi fornecido.

SUPERFATURAMENTO

Uma inconsistência é o fato de que, apesar de ter sido elaborado em 9 janeiro de 2017, o termo de referência contém preços informados em 13 de janeiro daquele ano. Também não há comprovante de recebimento de solicitações de cotações de preços, feitas em 11 de janeiro.

Um ano após a licitação, em janeiro de 2018, uma comparação entre os preços estimados no pregão e contratados demonstrou superfaturamento e danos ao erário municipal. “Os dados da Agência Nacional do Petróleo sobre preços de combustíveis no mercado em janeiro de 2017 também são inferiores aos contratados pelo Município”, afirma a promotora de justiça.

Para o MPMA, isso ocorreu porque a estimativa de preços foi baseada em uma suposta cotação de preços, demonstrando que a prefeitura não buscou contratar preços vantajosos.

O fato também resultou em denúncia sobre fraudes em preços à Ouvidoria do MPMA, relatando que, enquanto consumidores pagavam entre R$ 3,54 e R$ 3,79 pelos combustíveis, o Município de Paço do Lumiar pagou R$ 3,82.

PEDIDOS

O MPMA pede a condenação dos acionados por improbidade administrativa, o que implica em punições como perda da função pública; ressarcimento integral do dano; suspensão dos direitos políticos pelo prazo de cinco a oito anos e pagamento de multa civil até o dobro do dano.As penalidades incluem, ainda, a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por meio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos.

Fonte: CCOM-MPMA

Bolsonaro se desfilia do PSL e país passa a ter presidente sem partido

(Foto: ADRIANO MACHADO – REUTERS)

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta terça-feira a desfiliação do PSL, em preparação para o lançamento de seu novo partido, o Aliança pelo Brasil, na quinta-feira.

De acordo com uma das advogadas do presidente Karina Kufa, o protocolo de desfiliação será entregue ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para o processo formal de desligamento do partido.

A primeira convenção da Aliança está marcada para quinta, e Bolsonaro deve assumir, pelo menos inicialmente, a presidência da nova sigla. Segundo Admar Gonzaga, ex-ministro do TSE que tem atuado também para o presidente, não há nenhum impedimento para que Bolsonaro assuma a direção da Aliança.

O Rio Parnaíba é do Piauí quanto o é do Maranhão

Até a revoadas dos guarás que ocorre numa ilhota localizada próximo a Ilha do Caju e Morro do Meio – em pleno território araiosense – é colocada para os turistas como sendo de Parnaíba/PI – Foto: Reprodução

Thyell Oliveira em resposta a um comentário de José Fábio sobre Rio Parnaíba disse que esse é genuinamente piauiense, que é o segundo maior do nordeste e ele nasce no Piauí.

A polêmica surgiu após eu ter compartilhado no meu Facebook o post: Sobre o óleo nas praias araiosenses secretário diz não há motivos para alardes publicado ontem (18) no meu blog.

Thyell Oliveira em sua página do Facebook diz ser de Castelo/PI e que mora na cidade de Parnaíba, porém em que pese todo seu esforço em colocar o Rio Parnaíba como genuinamente piauiense, nessa atitude mostra ele desconhecer a História e a Geografia, pois o rio não nasce no Piauí ou pelo menos somente nesse estado.

Cometário de Thyell Oliveira contraria a História e Geografia

Na verdade ele nasce na Serra da Tabatinga e Chapada das Mangabeiras (no limite entre os estados da Bahia, Maranhão e Tocantins). O Rio Parnaíba tem origem na união das águas dos rios Curriola, Lontras e Águas Quentes. Em outras fontes incluem além dos estados já citados também o Piauí.

Na verdade, apesar do sentimento separatista de Thyell Oliveira, ele não separa e sim une o estado do Maranhão ao do Piauí. União que devíamos ter entre nós na defesa do nosso rio como a tudo que ele pertence.

O que me fez manifestar mais uma vez meu descontentamento – assim como a Fábio José também – foi o fato corriqueiro e repetitivo de a mídia regional (pode incluir a do Maranhão também) e nacional ignorar Araioses, como dono do território que esses colocam como sendo de Parnaíba e diminuir o rio como se ele devesse seu nome à bela cidade piauiense.

Essa histórica injustiça feita a Araioses não se deve por somente na conta dos parnaibanos que usam e abusam do que é nosso – como se fosse deles – mas também de seus filhos que não se amam e muito menos amam sua esquecida e humilhada cidade mãe.

Ninguém ama Araioses como eu e uns poucos de seus filhos.

O Rio Parnaíba, também conhecido como Velho Monge, é um curso de água que divide politicamente os estados do Maranhão e do Piauí. É o maior rio genuinamente nordestino sendo navegável em toda sua extensão.

Sessões da Câmara de Vereadores continuam na Apae de Araioses

As obras do Plenário ainda não foram concluídas

Embora eu tenha noticiado aqui que as sessões da Câmara de Vereadores de Araioses estariam de volta a sua sede a partir do dia 15 passado, isso ainda não será possível.

As obras do plenário ainda não foram concluídas e com isso as reuniões continuarão sendo realizadas na Apae de Araioses.

Lula ataca Lava Jato e diz não ser pombo para usar tornozeleira

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva subiu o tom, ontem, no Recife (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Arquivo/Agência Brasil)

Jornal do Brasil

Em discurso diante de milhares de pessoas no início da noite deste domingo (17), no Recife, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse que jamais aceitaria usar tornozeleira eletrônica para progredir do regime fechado para o semiaberto, o que foi sugerido pelo Ministério Público Federal.

“Primeiro eu disse para eles que a minha casa não é uma prisão. A minha casa é meu lugar de liberdade. Segundo que a minha canela não é canela de pombo e eu não sou pombo-correio para colocar tornozeleira”, afirmou o petista.

Em setembro, a Procuradoria em Curitiba havia solicitado à Justiça Federal que o ex-presidente passasse ao regime semiaberto, uma vez que ele atendia aos requisitos necessários para isso (ter cumprido 1/6 da pena e ter bom comportamento).

Em outros casos da Lava Jato, ao progredir de regime, os presos passaram a cumprir pena em casa e a usar tornozeleira eletrônica, o que o ex-presidente rejeitou.

À época, Lula afirmou que não ia barganhar sua liberdade e pediu à Justiça o direito de recusar a progressão. Sua soltura, contudo, veio antes de uma decisão final do Judiciário sobre a questão.

“Não aceito negociação. Eu quero a minha inocência, eu não quero privilégio. Eu quero que julguem o meu processo arrumem prova para dizer quem é quadrilha nesse país”, disse o ex-presidente neste domingo, em uma referência à possível suspeição do ex-juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça, que pode analisada neste ano pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Evento Lula Livre realizado ontem em Recife/PE – Foto Reprodução

Se o STF votar pela suspeição de Moro, a condenação do ex-presidente no caso do tríplex de Guarujá (SP), que o levou à cadeia e o deixou inelegível, pode ser anulada.

“Agora a campanha Lula Livre tem que se transformar em uma coisa muito maior, porque o que nós queremos é a anulação da safadeza dos processos contra nós. Apresentem provas contra mim e me condenem, e eu não virei mais fazer discurso para vocês”, disse o petista.

Após 580 dias preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, Lula foi solto no início de novembro, beneficiado por um novo entendimento do STF segundo o qual a prisão de condenados somente deve ocorrer após o fim de todos os recursos. O petista, porém, segue enquadrado na Lei da Ficha Limpa, impedido de disputar eleições.

No Recife, em seu primeiro ato de rua no Nordeste desde sua soltura, Lula voltou a atacar Moro, o procurador Deltan Dallagnol e o presidente Jair Bolsonaro. O petista declarou que vai dedicar cada minuto de sua liberdade para libertar o Brasil do que chamou de “quadrilha de miliciano que toma conta desse país”.

“Eles estão destruindo o país em nome do quê?”, afirmou. “Eles estão fomentando a milícia em nome do que neste país?”

O evento, batizado Festival Lula Livre, teve início às 12h. Mais de 50 artistas se apresentaram no palco montado na praça Nossa Senhora do Carmo, no centro do Recife, local histórico de encontros da esquerda recifense.

Entre um show e outro, os apoiadores do ex-presidente entoavam em coro músicas que embalaram campanhas eleitorais do petista. Gritos contra o presidente Bolsonaro se repetiam nos intervalos.

A Polícia Militar não informou a estimativa oficial de público. No microfone, o apresentador do evento falava em 200 mil pessoas.(João Valadares/FolhaPress SNG)

Sobre o óleo nas praias araiosenses secretário diz não há motivos para alardes

O secretário de Turismo e Meio Ambiente de Araioses, Robson Medeiros tem mantido contato comigo sobre o trabalho que está sendo feito para identificar e retirar o óleo que já atingiu também o nosso litoral, como já ocorrido em várias praias de todo o Nordeste.

Segundo ele não há motivos para alardes, pois após um sobrevoo feito por um helicóptero da Marinha, não foi identificado óleo no mar. Disse que o que tem de óleo, já está em terra e que não há motivos para alardes.

Robson também se queixou na falta de infraestrutura para enfrentar o problema, já que a equipe não dispõe do que precisa, que o material que está sendo usado é pouco e que é da Marinha, do ICMBio e dos Bombeiros.

Imagem feita em praia de Tutoia

A capacidade de ação é bem reduzida e que estão tá fazendo uma campanha para arrecadar dinheiro para comprar os GPIs, óculos, sacos de lixo, porque a própria Marinha e o Ibama não estão em condições de suprir essas necessidades até porque o fato é bem isolada e que ninguém poderia imaginar que isso viesse ocorrer um dia.

O secretário não fez nenhuma alusão sobre qual a parte da Prefeitura de Araioses nesse caso, pois já que uma campanha está sendo feita para arrecadar fundos para comprar itens de uso na localização, proteção solar e armazenamento de óleo retirado imagina-se que a situação pode está nada boa.

Sobre o noticiário regional e nacional sobre o assunto, lamenta-se mais uma vez que Araioses seja esquecida como dona maior do Delta do Parnaíba.

Nos créditos, até a Ilha das Canárias, que fica em território araiosense é colocada como sendo do Piauí. Em tudo que foi mostrado até agora apenas o momento em que o Jornal Nacional mostrou um pequeno depoimento de Robson Medeiros o crédito estava correto, pois dizia ser ele secretário de Turismo e Meio Ambiente de Araioses.

Certamente não ia ficar nada bem dizer que ele exercia essa função na prefeitura de Parnaíba.

Para o bem da verdade e que a justiça seja feito que fique bem claro: O Delta do Parnaíba não é da cidade de Parnaíba/PI. Ele está quase todo localizado em território maranhense e em maior parte dentro de Araioses.

Parnaíba é que deve seu nome ao Rio Parnaíba. Séculos antes de a cidade existir já existia o Rio com esse nome.

Óleo encontrado na praia da Ilha do Passeio – Foto enviado ao blog por um pescador

Óleo encontrado na orla da Ilha de Canárias

Prefeito, vice e secretária de Saúde são acionados por improbidade em Caxias

Fábio Gentil – prefeito de Caxias – Foto: Reprodução

Em virtude de irregularidades na celebração de convênio entre a Prefeitura de Caxias e a Faculdade Vale do Itapecuru (FAI) de Caxias, o Ministério Público do Maranhão ajuizou Ação Civil Pública por improbidade administrativa contra o prefeito Fábio Gentil, o vice-prefeito Paulo Marinho Júnior e a secretária municipal de Saúde, Maria do Socorro Coutinho de Mello.

O procedimento surgiu após representação ao MP da vereadora Thais Coutinho Barros, em março de 2017, que indicou que o convênio teria o objetivo de permitir o estágio dos estudantes do curso de Odontologia da faculdade. No entanto, o estabelecimento de ensino, além de não possuir o referido curso naquele momento, não apresentava regularidade fiscal.

Diante da irregularidade, o titular da 1ª Promotoria de Justiça de Caxias, Francisco de Assis da Silva Júnior, requereu a condenação dos acionados pela prática de improbidade administrativa, com a imposição, dentre outras penalidades, da perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos, pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida pelo agente e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, pelo prazo de três anos.

O promotor de justiça também pediu a nulidade do convênio por violação aos preceitos legais.

FUNDAMENTOS

Em suas defesas, os gestores alegaram que não haveria necessidade de procedimento licitatório para a celebração do convênio, cujo objetivo seria oferecer campo de estágio aos estudantes em unidades de saúde do Município de Caxias.

Como fundamento para a ação, o membro do Ministério Público observa que, embora seja dispensável a licitação no caso e que o convênio poderia ser fundamentado em interesse público, todas as demais etapas procedimentais são obrigatórias. “A repulsa dos agentes envolvidos em não obedecer princípios e regramentos mínimos previstos apontam que a facilidade tem nítido interesse pessoal só alcançado por conta da ligação política entre o prefeito e vice-prefeito”, argumenta.

O convênio foi realizado sem obedecer ao procedimento de dispensa licitatória. “O contrato indica que houve um ajuste pessoal, quase informal (exceto pelo contrato), sem observância à legislação pertinente”, acrescenta.

Fonte: CCOM-MPMA

Tratados como “trouxas” por Bolsonaro, caminhoneiros articulam greve

Foto: Divulgação

Depois que o governo de Jair Bolsonaro voltou a colocar em vigor a tabela do frete, suspensa desde julho, caminhoneiros voltaram a se articular em grupos de WhatsApp para planejar nova greve geral ainda este ano. Trabalhadores se sentem traídos e dizem que Bolsonaro os tratou como “trouxas”.

Em áudio enviado pelo líder Marconi França aos colegas, ele afirma que o governo só tinha suspendido a tabela para “ganhar tempo”. Outra liderança, Ronaldo Lima, também compartilhou no grupo de WhatsApp mensagens enviadas ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, dizendo que houve covardia e falta de interesse em negociar do governo.

Muitos caminhoneiros consideram que a retomada da tabela evidencia o fim do impasse entre governo e categoria, o que só poderia ser novamente articulado através de greve. Outros afirmam que a solução seria uma maior frequência em audiências públicas que tratam dos pisos, com o objetivo de conseguir um melhor cálculo na atualização deles em 2020.

A nova resolução do governo põe em vigor novamente os pisos da tabela do meio do ano, que foram considerados baixos pelos caminhoneiros, mas agora com a premissa de que os valores apontados contemplam apenas os custos do transporte e uma margem de lucro deve ser negociada entre os autônomos e as empresas que contratam o frete.

Com informações do Painel S/A, da Folha de São Paulo.

Fonte: Revista Fórum

Toffoli prepara o escândalo da arapongagem Coaf/MPF

Por Fernando Brito, editor do TIJOLAÇO

Para quem não está entendendo a atitude do presidente do Supremo, José Carlos Dias Toffoli, de recusar o pedido de reconsideração feito pelo Procurador Geral da República, Augusto Aras, para revogar seu pedido de envio de todos os relatórios produzidos pelo antigo Coaf, agora Unidade de Inteligência Financeira, recomendo refletir porque era tão importante mante-lo sob o comando de Sérgio Moro.

O que Dias Toffoli prepara para o julgamento, no dia 20, da liminar com que mandou suspender todas as investigações desenvolvidas com base nestes relatórios é a revelação de que havia, entre as instituições fiscais e o Ministério Público um esquema de fast track, uma espécie de via rápida de vigilância sobre centenas de milhares de pessoas, especialmente ocupantes de cargos governamentais, políticos e integrantes das cortes judiciais superiores – e de suas famílias – para a formação de “paiós” de informações potencialmente escandalosas contra quem interessasse investir ou, ainda, paraserem usadas como represália a quem se opusesse ao esquemas de poder dos procuradores ou de quem eles quisessem beneficiar.

Toffoli, ao apresentar seu relatório no julgamento da liminar, quer informar a seus pares que duas contas bancárias estavam, permanentemente, sob vigilância. Também quer dar a conhecer, com números e, claro, sem nomes, que o mesmo ocorre com parlamentares federais, na Câmara e no Senado.

O presidente do Supremo quer evidenciar indícios de que, havia uma composição política para que o Coaf “abastecesse” automaticamente o Ministério Público – e, notadamente, as várias “”forças-tarefa” da Lava Jato sobre pessoas que, a partir dos relatórios teriam abertos ou prontos para abrirem-se procedimentos investigatórios e inquéritos contra elas.

A mídia está tratando o caso como se Toffoli pretendesse acessar os dados das 600 mil pessoas – 412 mil físicas e 186 mil jurídico-empresariais -, o que não vai ocorrer. Eles serão apenas acautelados no Supremo, como prova das arapongagens.

O esquema de Sergio Moro no Coaf, que já estava abalado desde a transferência para o Banco Central, ruiu de vez.

Toffoli vai expô-lo no Supremo. Vai contar o “milagre”, ainda que não deva falar no “nada santo”.

IBGE: economia do Maranhão sobe 4 vezes mais que a nacional

O PIB do Maranhão em 2017 teve crescimento quatro vezes maior que a média nacional, de acordo com estudo do IBGE divulgado na quinta-feira (14). Esse é o período mais recente de medição dos PIBs estaduais. O resultado de 2018 ainda não foi calculado.

O PIB representa a soma das riquezas de um país, Estado ou município. Ou seja, mede como vai a economia desses locais.

O Maranhão teve alta de 5,3% em 2017. Foi o quádruplo do verificado em nível nacional. O Brasil alcançou um crescimento de 1,3% no mesmo ano. O agronegócio foi o principal motor da economia maranhense.

“É mais uma prova de que estamos no caminho certo, no caminho do desenvolvimento com justiça social”, disse o governador Flávio Dino.

O salto da economia maranhense foi o quarto maior do país, somente atrás de Mato Grosso (12,1%), Piauí (7,7%) e Rondônia (5,4%). Outras 23 unidades da Federação tiveram desempenho abaixo do verificado no Maranhão.

Além disso, o PIB do Maranhão foi o segundo mais alto do Nordeste. De acordo com o IBGE, três Estados tiveram queda do PIB em 2017: Paraíba, Sergipe e Rio de Janeiro.

Flávio Dino lembrou que “tomamos posse em 2015, no auge da crise brasileira e mundial. Tomamos as medidas nos anos seguintes para enfrentar a crise a manter a economia funcionando. Estamos colhendo os frutos desse plantio que fizemos neste período”.

Trabalho

O crescimento da economia do Maranhão tem se refletido na criação de empregos, mesmo sob grave crise econômica nacional.

A mais recente medição do Ministério do Trabalho mostra que, em setembro, foram 1.761 novos postos de trabalho com carteira assinada.

Foi o quarto mês seguido em que o Estado abriu novos empregos formais. No acumulado do ano, são mais de 9 mil novos postos com carteira assinada.

Além disso, 2019 é o terceiro ano seguido em que o Maranhão abre novos empregos com carteira assinada.

O Maranhão teve saldo positivo de 1.221 vagas em 2017. A situação foi diferente da verificada no cenário nacional naquele mesmo ano. Em 2017, o Brasil inteiro perdeu 20.832 vagas.

Em 2018, o Maranhão teve um desempenho oito vezes melhor que no ano anterior: foram criados 9.649 empregos com carteira assinada.

O óleo já chegou ao nosso Delta

Praia de Ilha do Passeio – Foto: Daby Santos, março 2017 

Pescadores que acampam e moram na Ilha do Passeio entraram em contato comigo para dizer e óleo – que há mais de dois meses tem invadido as praias do Nordeste – já chegou a aquele santuário ecológico.

A Ilha do Passeio – uma das menores entre dezenas de nosso Delta – fica juntinha a Ilha do Caju e é local de acampamento e até moradia para vários pescadores que exercem suas atividades durante todo o ano.

Preocupado com a situação entrei em contato com Robson Medeiros – secretário de Turismo e Meio Ambiente de Araioses que assim me respondeu:

Estou articulando com a Marinha, Capitania, Bombeiros, ICMBio, Exército e voluntários, uma grande força tarefa, onde iremos nos encontrar na Ilha de Canarias amanhã cedo para darmos início ao recolhimento das manchas e retenção para que as mesmas não atinjam os Manguezais !

Além de mais de 50 militares, a população também está empenhada nesse movimento!

De lá, estarei lhe enviando informações e imagens do trabalho.

Conte comigo meu irmão!

Pescadores alertam para a chegado do óleo na Ilha do Passeio – Foto: Daby Santos, março 2017 

Seguro DPVAT indenizou mais de 391 mil ocorrências por morte em todo o país, na última década

Pagamentos por acidentes fatais devem ultrapassar a marca de 398 mil até o fim do período de três anos para dar entrada no benefício

Fonte: Seguradora Líder/Divulgação

O Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito é lembrado no próximo domingo (17). A data, celebrada pela Organização das Nações Unidas, alerta para as elevadas estatísticas de ocorrências no trânsito que deixam, todos os anos, cerca de 1,2 milhão de mortes no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, dados do Seguro DPVAT mostram que mais de 391 mil acidentes ocorreram no país e foram indenizados pelo seguro obrigatório na última década. É importante lembrar que os números ainda podem aumentar, uma vez que vítimas e beneficiários têm até três anos para dar entrada no seguro obrigatório. Após o fim do prazo, estima-se que mais de 398 mil indenizações terão sido pagas por morte no trânsito em todo o país.
A projeção do total de sinistros pagos após o prazo de três anos para dar entrada na indenização utiliza a base histórica de 2012 a 2017 para calcular o volume médio de pagamento no primeiro, segundo e terceiro anos em todo o país. A partir disso, são projetados os pedidos de indenizações pendentes, chegando, assim, ao total de pagamentos a serem realizados até o fim do período de três anos.
De acordo com o levantamento da Seguradora Líder, São Paulo (61.322) e Minas Gerais (42.778) registram os maiores quantitativos de acidentes fatais ocorridos e indenizados pelo seguro obrigatório. Após o prazo de três anos para solicitar o benefício, a projeção é que tenham sido pagos mais de 62.387 e 43.546 seguros por morte, respectivamente. Na sequência aos dois primeiros colocados, estão Paraná (27.544), Bahia (27.494) e Rio de Janeiro (26.254). Depois do período prescricional, estima-se que terão sido mais de 28 mil pagamentos no Paraná e na Bahia, e mais de 26 mil no Rio de Janeiro em função de acidentes de trânsito fatais.

Quando são analisadas as capitais, São Paulo lidera o ranking, com 12.112 acidentes fatais e indenizados pelo Seguro DPVAT na última década. O Rio de Janeiro vem em segundo lugar, com mais de 8 mil ocorrências indenizadas por morte. Na sequência, estão Fortaleza (3.339), Goiânia (3.125) e Belo Horizonte (3.004). Já Florianópolis (666), Rio Branco (635) e Vitória (428) aparecem nas últimas posições.
O superintendente de Operações da Seguradora Líder, Arthur Froes, chama atenção para a distância do Brasil em relação ao cumprimento da Década de Ação pela Segurança no Trânsito, lançada pela ONU em 2011, e para a importância de instrumentos de proteção como o Seguro DPVAT em um cenário em que milhares perdem a vida todos os anos.
“Medidas que intensificam a fiscalização, como a Lei Seca, e campanhas de conscientização da população, como o Maio Amarelo e a Semana Nacional de Trânsito, são grandes avanços na busca pela diminuição dos acidentes fatais, mas o cenário continua mostrando a importância de investir em educação para a prevenção de acidentes; na formação de condutores; e reforço da fiscalização em todos os estados do Brasil. Também é fundamental que haja mecanismos de proteção para as vítimas de acidentes, como o Seguro DPVAT, que tem caráter social e dá apoio às vítimas e seus familiares em um momento tão difícil”, explica o especialista.
Sobre o Seguro DPVAT
O DPVAT é um seguro obrigatório de caráter social que protege os mais de 210 milhões de brasileiros em casos de acidentes de trânsito, sem apuração da culpa. Ele pode ser destinado a qualquer cidadão acidentado em território nacional, seja motorista, passageiro ou pedestre, e oferece três tipos de coberturas: morte (valor de R$ 13.500), invalidez permanente (de R$ 135 a R$ 13.500) e reembolso de despesas médicas e suplementares (até R$ 2.700). A proteção é assegurada por um período de até 3 anos.
Sobre a Seguradora Líder-DPVAT
Em operação desde janeiro de 2008, a Seguradora Líder-DPVAT é uma seguradora privada responsável pela administração do Seguro DPVAT no Brasil. A seguradora se tornou uma das principais fontes para dados relacionados a acidentes de trânsito. No site www.seguradoralider.com.br estão disponíveis para o cidadão diversas informações sobre o Seguro DPVAT e estatísticas.

Quixotes e quixotesas

Por Fernando Brito, editor do TIJOLAÇO

Confesso que, apesar do prazer de analisar e escrever o que penso, dá um desânimo danado em cuidar do dia a dia da política no Brasil.

Acontecimentos que seriam dramáticos em qualquer país com um mínimo de normalidade institucional, aqui, viram banalidades, que não merecem interesse mais profundo da imprensa e de seus analistas.

Não estou sendo dramático, não. Convenha, chegamos a um quadro em que olhar para o cotidiano é um exercício de resistência à repugnância que, porém, não pode fazer com que achemos normal a monstruosidade medíocre em que se converteu a vida pública brasileira.

É banal que um presidente de extrema-direita se eleja e, antes de se completarem 11 meses, sai do partido pelo qual se elegeu e anuncia que vai montar uma agremiação de cunho familiar, presidida pelo filho metido num escândalo de rachadinhas e milícias e liderada pelo ex-futuro embaixador que deseja a volta do AI-5?

Como encarar o fato de um presidente dizer que “casou errado” com seu vice, flerta com um sujeito que se autodenomina príncipe – pois não há nobreza a dar-lhe este título -, enquanto este é atingido por uma história sórdida de ter sido “queimado” politicamente por fotos de uma suposta suruba gay, invadindo a sua vida privada, a única sobre a qual ele deve ter poder imperial? E a isso, o ex-ministro chefe do Governo desafia o chefe da Nação a um teste de polígrafo, o popular detetor de mentiras?

Não, não é uma piada, é uma torpeza.

É certo que os direitos sociais e o progresso econômico construídos ao longo de um século de História sejam desmanchados em meses, por simples decretos e sob os aplausos de uma classe dominante que, em sentido nada amoroso, gostaria de entoar a marchinha do “ai, meu deus que bom seria, se voltasse a escravidão”?

A verdade é que, como dizia Cartola, quando a gente entra no “inverno do tempo da vida”, embora se possa contentar com uma espécie de autofelicidade, fruto de sua trajetória e dos seus próximos, dói ver seu país tomado por esta mediocridade boçal e violenta, para a qual regredimos com tanta rapidez e da qual só nos curaremos lentamente.

Nem mesmo consola olhar para fora, pois se vê os pobres, de todas as cores e de todos os pobres tornarem-se os “judeus do século 21”

O fato é, porém, que esta é a realidade e de nada terá valido ter sido de uma geração que amou reconstruir a liberdade e o convívio se, a esta altura, não estivermos dispostos, com todas as dores e canseiras, a recolher seus cacos e de novo soldá-los ao ambiente social, não apenas às nossas vidas pequeninas.

Anos atrás, em algum lugar, escrevi que o que nos faz vivos, a qualquer ser, é a capacidade de absorver e sintetizar. Enquanto pudermos fazer isso, poderemos olhar para o futuro. Mas se criarmos uma crosta que não permita mais, como à cigarra, trocar de casca sem deixar de cantar o verão, aí, o inverno terá vencido e a espécie humana será fria, insensível, antissocial e, por isso mesmo, já não merecerá o nome de humanidade.