Cadê o meu dinheiro?

… e não pagaram como prometeram

Imagem de internet

No dia 7 do mês em curso, uma terça-feira, eu e o prefeito Cristino Gonçalves de Araújo tivemos uma longa conversa (que ainda abordarei alguns dos assuntos que tratamos em breve), mas para não prolongar esse post vou relatar apenas a última parte do que falamos.

A caótica situação financeira que ele fez questão de alardear até com bastante exagero fica para mais a frente.

Bom, como até já falei aqui, Cristino depois de indiretamente me dizer o porquê da minha exoneração – assunto esse que merece um capítulo a parte – ele me disse: “Dia 10 mando te pagar e exonero”.

O dia 10 em questão já passou. Nesse dia realmente fui exonerado e já ao final da tarde o seu chefe de gabinete me ligou para dizer que parte do meu dinheiro já estava na minha conta e o restante seria pago ontem, dia 20, o que não ocorreu até agora.

Deve-me parte do meu salário de secretário, diárias para um seminário sobre comunicação pública que participei em São Luís e o 13º salario proporcional, que todo secretário tem direito, conforme lei aprovada pela Câmara de Vereadores.

Como não acredito em falta de dinheiro, o fato dele não ter sido depositado me faz crer que o fato não ocorreu porque a Sônia não autorizou.

Decisão da Justiça Federal indica que não há fantasmas na Secretaria de Saúde

“A inexistência de vínculo formal – comprovado pela ausência de GFIP – não é critério absoluto para confirmar a existência ou não de funcionário ou do serviço prestado”, afirma trecho da decisão do TRF-1.

Página 2 – A decisão do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, que concedeu Habeas Corpus em favor do médico Péricles Filho, afasta a tese de funcionários fantasmas na Secretaria de Estado da Saúde, levantada pela Polícia Federal na operação “Pegadores”.

“A inexistência de vínculo formal – comprovado pela ausência de GFIP – não é critério absoluto para confirmar a existência ou não de funcionário ou do serviço prestado”, afirma trecho da decisão do TRF-1.

Ao decidir pela soltura do médico Péricles Filho, que prestava serviços de saúde ao Estado durante o governo Roseana Sarney, a Justiça Federal diz que a informação prestada pela Polícia Federal acerca da existência de 427 “funcionários fantasmas” precisa ser melhor analisada.

De acordo com decisão do TRF-1, o servidor pode estar se dirigindo ao local de trabalho todos os dias, fazendo jus à remuneração justificadora do pagamento, e não haver GFIP. “Do só fato do ICN não ter se utilizado guia legalmente devida não se pode concluir que se trata de lista de servidor inexistente no âmbito da Secretaria de Saúde, até o ano de 2015, remunerados pelo instituto”.

A decisão da Justiça federal afirma ainda que o pagamento de acréscimo de vencimentos a servidores públicos, através das OS e OSCIP pode ser questionável, mas pode ser apenas adequação do profissional médico ao mercado de trabalho.

“(…) quer sejam eles médicos, enfermeiros, administradores ou agentes de poder pode ser questionável, e pode não ser jurídico, na medida em que tais valores não foram fixados em lei e não são atribuíveis ao cargo público ocupado, mas antes de ser modalidade de desvio podem ser também hipótese de adequação do profissional médico ao mercado, para que o vencimento pago a ele não permaneça defasado e mantenha o sistema médico hospitalar público funcionando”, diz outro trecho da decisão judicial

 

Direção nacional do PSDB cancela intervenção no diretório do Maranhão

Roberto Rocha estava no comando da comissão interventora

O Informante – A direção nacional do PDSB emitiu, nesta terça-feira (21), documento que trata da reconsideração da liminar que decretava a intervenção na Comissão Executiva Estadual do PSDB no Maranhão. Na prática, a Comissão Interventora encabeçada pelo senador Roberto Rocha e o ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, deixa de existir a partir desta data.

Em seu teor, o documento afirma, ainda, que pelo fato da convenção estadual do partido, prevista para acontecer no último dia 11, não ter ocorrido, faz-se valer a norma partidária que constata que “não existe mais um órgão estadual organizado na Maranhão em razão da extinção do seu mandato, confere-se também a extinção da sua Comissão Interventora”.

Uma nova comissão provisória deve ser designada pela executiva nacional para o Maranhão. A provável data para que isso ocorra deverá ser após a convenção nacional do partido, marcada para 09 de dezembro.

Laudo comprova sêmem de Robert Serejo na casa de Alanna Ludmilla

Cerca de 50 amostras de material genético foram colhidas por peritos do Instituto de Criminalística (Icrim) na casa e corpo da vítima e na casa do assassino.

Alanna Ludmilla

O laudo expedido pelos peritos criminais comprova que o sêmem recolhido no local do assassinato da menina Alanna Ludmilla, de 10 anos, pertente ao ex-padrasto da menor, Robert Serejo, que confessou ter matado a criança.

Cerca de 50 amostras de material genético foram colhidas por peritos do Instituto de Criminalística (Icrim) na casa e corpo da vítima e na casa do assassino.

Segundo a polícia, o laudo dos exames no corpo da menina e em todo o local do crime, que se estende entre casa e quintal da vítima, onde ela estava enterrada em cova rasa, devem ficar prontos até o fim desta semana.

“Os laudos ajudarão a desvendar como o crime aconteceu de fato e comprovar, ou não, a presença do assassino na cena do crime”, explica o superintendênte da Polícia Técnica, Miguel Alves.

Caso Alanna Ludmilla

Roberto Serejo confessou o crime bárbaro

A criança de 10 anos foi dada como desaparecida no dia 1º de novembro, quando a mãe voltou para casa de uma entrevista de emprego e não encontrou a filha.

Alanna Ludmilla havia sido deixada sozinha por algumas horas, já que a mãe não tinha com quem deixar a menor ou poderia levar para a entrevista.

Parentes e vizinhos formam interrogados pela polícia, entre eles, Robert Serejo, ex-namorado de Jaciene Pereira, mãe de Alanna. Serejo se mostrou instável e contraditório, mas foi liberado de delegacia e desapareceu.

No dia 3 de novembro, pela manhã, vizinhos sentiram um odor forte vindo do quintal da casa, que havia sido vistoriada pela Polícia Civil e Militar e Corpo de Bombeiros. O corpo da criança estava enterrado debaixo de rejeitos de construção, com claros sinais de violência.

Serejo, que neste ponto já era o principal suspeito do crime, foi capturado por policiais militares à paisana, quando tentava sair de São Luís. Ele confessou o crime bárbaro.

Segundo Serejo, ele foi o único responsável pelo estupro e assassinato da criança de 10 anos. A menina foi morta por asfixia, sue corpo foi encontrado com um saco plástico na cabeça e com os membros amarrados.

ARTIGO – Canais de esperança e solidariedade

Robson Paz  – Lembro com alegria de uma das mais belas imagens da minha infância. Dezenas de pessoas reunidas em pescaria num braço de rio, que banhava o povoado Jacioca, município de Bequimão. As margens do rio prateada de piaba, espécie característica da região. Ao final da pesca, a maior parte dos peixes era distribuída gratuitamente para os moradores da comunidade. Foi o maior e mais contundente exemplo de solidariedade coletiva, que tive a felicidade de presenciar.

Comunhão presente nas sagradas escrituras. “A multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma. Ninguém considerava suas as coisas que possuía, mas tudo entre eles era posto em comum.” (At 4,32

Os tempos passaram. O rio, outrora caudaloso e perene, hoje praticamente não existe. Desaparece na estiagem e ressurge frágil no período chuvoso. Nem de longe lembra o vigor e a fertilidade de antes.

Cena tristemente comum na Baixada Maranhense, principalmente nos campos durante a escassez de chuva. Por consequência, a população vê minguar sua principal fonte de segurança alimentar. Não apenas pela carência de peixes, mas pela falta de água para o gado, as aves e outros animais.

A salinização das águas dos campos inundáveis e rios é outro problema, que compromete o ecossistema da Baixada.

Em boa hora, o governador Flávio Dino criou o programa Diques da Produção, que beneficia 35 municípios da região com a construção de barragens e canais para armazenar água durante o período chuvoso, viabilizar a produção de peixes, cultivo de frutas e hortaliças, além da criação de animais.

É um programa social de largo alcance. Com resultados práticos. Na década passada, um protótipo foi executado no Igarapé do Troitá, no município de Anajatuba. Iniciativa do ex-presidente da Assembleia Legislativa, João Evangelista, baixadeiro de larga visão e grande sensibilidade social, abraçada pelo ex-governador Zé Reinaldo. O projeto é um sucesso com o armazenamento de água o ano todo e farta produção pesqueira e agrícola às margens do igarapé.

Agora, o Diques da Produção está em campo literalmente nos municípios de Anajatuba, Mirinzal, São Vicente de Férrer, Peri-Mirim, Viana, Palmeirândia, Penalva, Bacurituba e Santa Rita. Os canais em construção têm 1.200 metros de extensão e incalculável alcance social.

O povoado Jacioca, em Bequimão, a que fiz referência está entre os contemplados pelo governador Flávio Dino para ser beneficiado com o canal. A obra, que vai começar nos próximos dias, vai beneficiar milhares de pessoas de uma região com mais de 10 povoados.

É emocionante ver que a vocação produtiva da Baixada Maranhense está, de fato, sendo priorizada pela primeira vez na história do Maranhão. Com projetos simples, mas de elevada dimensão humana, social e econômica. Por certo, brevemente voltaremos a ver a fartura no cotidiano dos conterrâneos baixadeiros a socializarem a riqueza da região. Modelo comunista de governar fazendo mais com menos e para todos. Efetivo combate às desigualdades regionais e sociais. Verdadeiros rios de esperança a povoar mentes e corações da população da Baixada garantindo segurança alimentar e desenvolvimento sustentável para milhares de maranhenses.

Robson Paz  – Radialista, jornalista. Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da Nova 1290 Timbira AM

PM de folga enfrenta assaltantes com o filho bebê no colo e mata dois em cidade do interior de SP

Gilberto Lima – Um policial militar de folga reagiu a um assalto no sábado, 18, e, segurando o filho bebê ainda no colo, baleou e matou dois suspeitos dentro de uma farmácia situada na cidade de Campo Limpo Paulista, vizinha a Jundiaí, no Estado de São Paulo.

A ação do sargento Rafael Souza, do 49º Batalhão Metropolitano da Capital, durou 25 segundos e foi gravada pelo circuito interno de câmeras do estabelecimento.

Um dos suspeitos, Jefferson Alves, de 24 anos, morador de Campo Limpo, apontou a arma na direção de Rafael, que teria se identificado como policial.

Segundo o depoimento do sargento da PM, o suspeito teria tentado disparar contra ele. Na sequência, o policial revidou com a sua pistola.

Durante os tiros contra Jefferson e o seu comparsa, o policial manteve a criança em seu braço esquerdo. Após os disparos, a mãe do garoto corre abaixada entre as gôndolas na direção ao marido, pedindo para ficar com a criança.

Um dos assaltantes mortos não foi identificado pela polícia porque não portava

documentos. As armas dos criminosos foram apreendidas pela Polícia Civil, na madrugada deste domingo (19), após a realização de exame de balística e da obtenção das imagens das câmeras de monitoramento.

PM de folga enfrenta assaltantes com o filho bebê no colo e mata dois; veja vídeo

Um policial militar de folga reagiu a um assalto no sábado, 18, e, segurando o filho bebê ainda no colo, baleou e matou dois suspeitos dentro de uma farmácia situada na cidade de Campo Limpo Paulista, vizinha a Jundiaí, no Estado de São Paulo.

A ação do sargento Rafael Souza, do 49º Batalhão Metropolitano da Capital, durou 25 segundos e foi gravada pelo circuito interno de câmeras do estabelecimento.

Vídeo da CENTRAL MO

Liminar de desembargador pode ter sido o tiro de misericórdia na CPI dos vereadores de Araioses

… o desembargador Jamil Gedeon não tem pressa

Ao conceder liminar atendendo pedido do prefeito de Araioses, Cristino Gonçalves de Araújo, o desembargador Jamil de Miranda Gedeon Neto, na prática pode ter dado o tiro de misericórdia na Comissão Processante dos vereadores araiosenses, que pretende investigar supostas irregularidades cometidas pela atual administração.

Toda a documentação que poderia fazer com que o desembargador voltasse atrás foi entregue, porém tudo está parado e nesse estado de inanição deverá ficar até expirar o prazo de 90 dias para que a CPI terminasse seus trabalhos.

No início dos trabalhos o otimismo dos vereadores era grande, onde alguns deles chegaram a dizer em plenário que até novembro Cristino seria julgado.

Hoje, ao fazer seu discurso o vereador Arnaldo Machado, relator da Comissão Processante procurou justificar o atraso externando o pensamente de que o judiciário é quem manda no País, o que não é bem verdade.

É só ver como o Senado reverteu a situação de Aécio Neves e o que ocorreu, como diz o Jornal do Brasil: na tarde desta sexta-feira (17), na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) que aprovou, por 39 votos a favor, 19 contra e uma abstenção, o parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que defendia a soltura do presidente da Casa, Jorge Picciani, e dos deputados Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB.

Segundo a Procuradoria Regional da República da 2ª Região, o presidente da Alerj, Jorge Picciani, seu antecessor Paulo Melo e o segundo vice-presidente, Edson Albertassi, formam uma organização que vem se estruturando de forma ininterrupta desde a década de 1990. O grupo contaria com a participação ainda do ex-governador Sérgio Cabral, que também foi deputado estadual e já presidiu a Alerj.

O histórico da política aqui no Maranhão é do conhecimento de muitos e não há segredo de que o lado podre do Judiciário Maranhense não está nem aí para a sorte de munícipes que são vítimas de maus gestores. Para esses, o dinheiro fala mais alto.

Outra que também muitos sabem é que o prefeito não esconde de ninguém de que jamais permitirá que Manoel da Polo ocupe seu lugar.

A hora e o povo exige que outras providências sejam tomadas, não só pelos vereadores, mas também pelas demais autoridades.

Pois a Comissão Processante, apesar de seus louváveis ideais, já foi abortada.

Sarney no comando: Flávio Dino é a primeira vítima da mudança na direção da PF

Renato Rovai – O novo diretor da Polícia Federal chama-se Fernando Segóvia, ex-superintendente da PF no Maranhão durante o governo Roseana Sarney. Diferentes fontes garantem que seu nome foi sacramentado no cargo após um jantar entre o presidente Michel Temer e o ex-presidente José Sarney, aquele cujo domínio da política maranhense durou 50 anos.

Se alguém tinha dúvida de que a nomeação de Segóvia não tinha sido política e que as relações dele com Sarney e o PMDB não iriam politizar as ações do órgão, pode ir tirando o cavalinho da chuva.

Ontem a PF realizou no Maranhão a “Operação Pegadores”, um desdobramento da “Operação Sermão ao Peixes”, que apura fraudes no sistema estadual de saúde iniciadas em 2012, quando o secretário de Saúde, do governo Roseana Sarney, era Ricardo Murad (PRP), cunhado dela.

Só que nesta nova etapa, Murad que era citado pela PF como líder da organização criminosa que teria desviado cerca de R$ 1,2 bilhão da saúde estadual, ficou de fora das investigações.

Mais do que isso, a operação policial foi toda costurada com os grupos de comunicação locais ligados à Sarney para transformar Dino num ladrão de dinheiro da saúde. E para atacar secretários importantes do seu governo, como Márcio Jerry, também do PCdoB.

Entre outras acusações, a delegada responsável da operação diz ter achado mais de 400 funcionários fantasmas na saúde, mas não apresentou a respectiva relação de nomes. O governador Flávio Dino já requereu formalmente os nomes da suposta lista. “Estamos esperando a lista dos alegados 400 fantasmas, para verificar se isso procede, quem foi o responsável, em qual época e por qual motivo”, escreveu Dino em suas redes sociais.

A operação da PF ainda acusa o governo atual de contratar para prestar serviços à saúde uma antiga sorveteria, que teria emitido notas fiscais frias, que permitiram o desvio de R$ 1.254.409,37 (hum milhão, duzentos e cinquenta e quatro mil, quatrocentos e nove reais e trinta e sete centavos).

Até o momento, porém, não teria sido apresentado pela PF nenhum contrato assinado por qualquer autoridade do governo Dino com a tal sorveteria que teria virado empresa médica.

Ou seja, está claro que Flávio Dino vai comer o pão que o diabo amassou daqui até o final do seu mandato. E que terá que buscar fora do estado apoio para poder continuar governando.

Outro político que ousou enfrentar Sarney, o já falecido Jackson Lago (PDT), ganhou a eleição de Roseana mais foi cassado durante o governo para que ela pudesse assumir.

Quem achava que o velho Ribamar Ferreira de Araújo Costa era carta fora do baralho, enganou-se. Ele está de novo no comando. E da PF. O que não é pouca coisa para quem é especialista em fazer política da forma mais heterodoxa possível.

Foto: Agência Senado/Fotos Públicas

‘Estamos esperando a lista dos 400 fantasmas’, diz Flávio Dino

O governador Flávio Dino afirmou que o governo já requereu formalmente os nomes da suposta lista de 400 fantasmas, que, segundo a Polícia Federal, receberiam sem trabalhar em organizações sociais contratadas pela Secretaria de Saúde do Maranhão.

Página 2 – O governador Flávio Dino afirmou que o governo já requereu formalmente os nomes da suposta lista de 400 fantasmas, que, segundo a Polícia Federal, receberiam sem trabalhar em organizações sociais contratadas pela Secretaria de Saúde do Maranh

“Estamos esperando a lista dos alegados 400 fantasmas, para verificar se isso procede, quem foi o responsável, em qual época e por qual motivo”, escreveu Dino em suas redes sociais.

Flávio Dino afirmou que a origem das operações da Polícia Federal é resultado do modelo herdado de governos passados. “Não se desmonta isso em semanas ou meses, sobretudo em um serviço que não pode parar, como a saúde”, explicou.

O governador disse que jamais compactua com má aplicação de recursos públicos. “Sempre tomamos todas as providências administrativas quando erros foram detectados”.

Ele ressaltou que o atual governo criou quadro efetivo para concurso público na Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh) e melhora o quadro de auditores na saúde, com seletivo específico. “Desde 2015 estamos corrigindo problemas graves que herdamos na saúde. Implantamos processos seletivos para contratação de pessoal, o que jamais havia sido feito antes”, enfatizou.

Dino disse ainda que orientou toda equipe de governo para colaborar sempre com “investigações sérias e isentas”.

O governador criticou a tentativa do grupo Sarney de desgastar sua imagem junto à população. “Desde 2015, é esse desespero de me nivelar a eles, para dizer que “nada mudou”. Mas o fato objetivo é que não tenho nenhum problema pessoal na Polícia ou na Justiça. E assim continuarei”.

Ele concluiu afirmando que falta à oligarquia Sarney/Murad condições mínimas para falar em moralidade. “Que cuidem dos seus problemas na Polícia e na Justiça. São muitos”.

Empresários do Piauí envolvidos com quadrilha de traficantes do Rio Grande do Sul

Grupo depositava as quantias em contas repassadas para as empresas no Piauí

Portal AZ – Empresas do Piauí, cujos nomes a Polícia Civil do Rio Grande do Sul ainda não revelou, estão envolvidas com uma facção criminosa acusada de venda de drogas e lavagem de dinheiro. Além do Piauí, mais quatro estados estão envolvidos.

A quadrilha, presa nessa quinta-feira (16), é uma das maiores organizações criminosas do estado gaúcho. O principal alvo da operação é o traficante Jackson Peixoto Rodrigues, conhecido como Nego Jackson, que teria ligações com criminosos no Paraguai e com facções do Rio de Janeiro.

A mulher de Nego Jackson, Raquel Lopes dos Santos, 42 anos, era a gerente financeira da facção e passou a comandar o grupo depois da prisão do marido. Raquel recebia todo o dinheiro oriundo do tráfico.

Dinheiro encontrado pela polícia na casa da esposa de Jackson em Taquara (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Com o montante em mãos, Raquel escolhia pessoas, sem antecedentes criminais, que depositavam o dinheiro em contas de empresas laranjas. Para fazer o dinheiro circular e despistar sua origem, o grupo depositava as quantias em contas repassadas para as empresas no Piauí e dos outros estados que, por sua vez, encaminhavam para vários destinos.

Como funcionava o esquema

Todo o dinheiro ganho com a venda de drogas dentro da Vila Jardim e para outros traficantes era recolhido por gerentes do tráfico. Depois, era submetido à gerente financeira da facção, uma mulher que também é um dos alvos da Polícia Civil, juntamente com a esposa de Jackson.

Gráfico elaborado pela polícia mostra organograma da facção (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

As quantias, então, eram depositadas em contas repassadas para empresas situadas no Rio Grande do Sul e outros cinco estados, que, por sua vez, encaminhavam para outros destinos.

Casas de câmbio e empresas de turismo de fachada na fronteira eram usadas, e o dinheiro era reenviado para o Paraguai, onde Nego Jackson estava escondido antes de ser preso. Segundo a polícia, boa parte do montante era destinada ao conforto do criminoso.

A investigação também chegou ao fato de que Nego Jackson havia assumido o papel de fornecedor de drogas para outros grandes traficantes da Região Metropolitana de Porto Alegre. Alguns destes integram, inclusive, outras facções.

Nego Jackson, de acordo com a investigação, tem ligações com uma facção do Rio de Janeiro, e com o narcotraficante Jarvis Pavão, que também está preso. Ao dar entrada na Penitenciária de Porto Velho, pediu para ser recolhido no espaço destinado aos criminosos vinculados à facção carioca.

De acordo com o diretor do gabinete de Inteligência e Assuntos Estratégicos da Polícia Civil, delegado Cristiano de Castro Reschke, é importante entender que o crime organizado se tornou um fenômeno social e criminal, combatendo os crimes de lavagem de dinheiro como estratégia de enfraquecer essas organizações.

“É necessário, importa destacar, o fortalecimento de ações como esta, com foco na lavagem de dinheiro, atacando o que move o crime, o dinheiro, e o que vem com ele: poder, armas drogas e violência”, afirma o delegado.

‘Alvo número um’ da polícia

Na ocasião de sua prisão, o chefe da polícia do estado, Emerson Wendt, chegou a afirmar que Jackson era o alvo número 1 da corporação. Além dos crimes cometidos no Brasil, o líder criminoso também é investigado por um duplo homicídio no Paraguai.

Jackson iniciou a vida no crime ainda durante a adolescência, e chegou a ser considerado “braço direito” dos antigos líderes do tráfico da Vila Jardim. Quando eles morreram, Nego Jackson assumiu o controle. Ele virou fornecedor de armas e drogas para outros traficantes, inclusive no interior do estado.

Números da operação

– 30 mandados de busca e apreensão em Porto Alegre, Cachoeirinha, Viamão, Taquara, Gravataí e Canoas.

– 11 mandados de prisão

– 5 pessoas presas até as 8h

– 32 imóveis sequestrados

– 31 veículos apreendidos

– Total de bens da facção bloqueados até as 08h de ontem: R$ 10.6000.000

– Investigação durou oito meses

– Facção atuava principalmente em Porto Alegre e Gravataí

– As empresas usadas para lavar dinheiro ficavam no Piauí, Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul

Denys de Miranda – “A disputa vai ser no segundo escalão”

Vereador Denys de Miranda

Em recente e rápida conversa que tive com o vereador Denys de Miranda, esse ao se referir as eleições no ano que vem me disse que a disputa vai ser no segundo escalão.

Muito fácil de entender o que quis dizer o experiente vereador. Nas próximas eleições vamos eleger de deputados estaduais ao Presidente da República e nesse contexto ainda vão os deputados federais, governadores dos estados e senadores.

Ora, quem entende do assunto sabe que a influência das lideranças políticas na hora de direcionar os votos para o candidato majoritário – presidente e governador – é bem menor de quando se trata da eleição proporcional , a dos deputados.

Quando o povo se direciona para um candidato a governador ou a presidente não tem jeito e ninguém muda.

Porém, quando o voto é para o deputado estadual e para o federal esse sim tem tudo a ver com a liderança de quem está apresentando o candidato. É uma luta muito parecida com o de vereador.

O prestígio e a capacidade de quem for ao campo em busca de votos para seus candidatos é que vai influenciar no resultado final.

Aqui em Araioses podemos dizer que Neto Carvalho, Manin Leal e Luciana Trinta lutarão para sair na dianteira com seus candidatos, já de olho nas eleições municipais de 2020.

Quanto ao Dr. Cristino – se até lá ainda estiver na prefeitura – com a popularidade quem tem triste sorte, provavelmente terão seus candidatos.

Confira a relação dos 17 presos na “Operação Pegadores” deflagrada pela PF nesta quinta-feira (16)

Antônio Aragão e Rosângela Curado estão entre os presos

Gilberto Lima – A Polícia Federal cumpriu, na manhã desta quinta-feira (16), 17 mandados de prisão temporária e 28 de busca e apreensão na “Operação Pegadores”, que investiga supostas fraudes na Saúde do Estado.

Os alvos da operação foram empresários, servidores públicos e funcionários de empresas que prestaram serviços a hospitais do Estado do Maranhão desde 2015. Mandados foram cumpridos em São Luís, Imperatriz e Coroatá.

Todos os mandados foram cumpridos e 17 pessoas foram presas. Entre elas, a ex-subsecretária estadual de Saúde, Rosângela Silva Barros, conhecida como Rosângela Curado, além do ex-superintendente de acompanhamento de serviços da secretaria. Rosângela concorreu em 2016 ao cargo de prefeita de Imperatriz. Diretores e tesoureiros de Oscips e organizações sociais que prestavam serviços à saúde também foram presos.

A “Operação Pegadores” é consequência de irregularidades detectadas nas fases da Operação Sermão dos Peixes, que começou em 2012. Segundo a PF, mais de R$ 18 milhões foram desviados por duas modalidades de fraude: supersalários de colaboradores contratados pelas organizações e empresas de fachada. Segundo a PF, a fraude supera R$ 18 milhões. Os beneficiários seriam parentes de apadrinhados políticos ou os próprios apadrinhados.

“Listas eram confeccionadas por uma servidora da Saúde, que determinava às organizações sociais, contratadas pela secretaria, que efetivassem tais pessoas. E tinha mais: as listas determinavam os salários a ser pagos a tais pessoas”, comentou, em coletiva nesta manhã, o delegado-chefe da Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros, Wedson Cajé Lopes.

O  objetivo, segundo a PF, era acomodar padrinhos políticos dentro das unidades de saúde do estado. Uma servidora da secretaria ficava responsável por indicar quais colaboradores às organizações sociais, contratadas para executar serviços hospitalares nos centros de saúde, deveriam efetivar.  Indicava também o valor do salário que deveria ser pago. Em um caso relatado pelo delegado, uma enfermeira que deveria ganhar R$ 3.328 mantinha no contracheque a retirada de R$ 13 mil. “Isso chamou atenção. Depois de investigar identificamos muitas outras pessoas recebendo super salários”, comentou o delegado.

Confira a relação dos 17 presos:

Antônio José Matos Nogueira

Chisleane Gomes Marques

Mariano de Castro Silva

Luiz Marques Barbosa Júnior

Rosangela Aparecida da Silba Barros (Rosângela Curado)

Antonio Augusto Silva Aragão

Benedito Silva Carvalho

Flávia Geórgia Borges Gomes

Ideide Lopes de Azevedo Silva

Marcus Eduardo Alves Batista

Miguel Marconi Duailibe Gomes

Osias de Oliveira Santos Filho

Paulo Guilherme Silva Curado

Péricles Silva Filho

Waldeney Francisco Saraiva

Warlei Alves do Nascimento

Karina Mônica Braga Aguiar

MPMA aciona ex-prefeito Manin Leal e ex-secretária por improbidade administrativa

Dias atrás encontrei por acaso com o ex-prefeito de Santa Quitéria, Manin Leal, na área externa de uma lanchonete próxima a Caixa Econômica Federal, em Parnaíba/PI.

Alegremente me cumprimentou e disse que nas próximas eleições municipais, que se realizarão em 2020 ele sairá como candidato a prefeito de santa Quitéria e sua filha a Valéria Leal vai tentar retornar a prefeitura de Araioses.

Porém, com a ação movida pelo Ministério Público do Maranhão que pede a condenação dele e de sua secretária por improbidade administrativa e ao pagamento de multas no valor de R$ 47.529,34, além do ressarcimento de R$ 47.646,70 aos cofres municipais, seu futuro está cada vez mais incerto.

Quanto a Valéria, vamos aguardar.

Vaja a matéria abaixo que tem como fonte o MPMA.

Manin Leal – Foto: Reprodução de internet

A desaprovação de contas do Fundo Municipal de Saúde (FMS) no exercício 2007 levou o Ministério Público do Maranhão a ingressar, em 17 de outubro, com uma Ação Civil Pública por atos de improbidade administrativa contra Osmar de Jesus da Costa Leal, ex-prefeito de Santa Quitéria, e Lúcia de Fátima dos Santos Lima, ex-secretária Municipal de Saúde.

A ação baseia-se na desaprovação da prestação de contas apresentada ao Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA). A corte de contas já havia condenado os ex-gestores ao pagamento de multas no valor de R$ 47.529,34, além do ressarcimento de R$ 47.646,70 aos cofres municipais.

Na ação, o promotor de justiça Luiz Eduardo Braga Lacerda ressalta que os acionados, ao deixarem de cumprir com obrigações administrativas fundamentais, comprometeram a legalidade e a moralidade administrativas, “provocando considerável prejuízo ao erário”.

Entre as irregularidades estão a não realização de procedimentos licitatórios para aquisição de diversos bens e serviços, falta de documentos obrigatórios em outros processos de licitação, inexistência de notas fiscais relativas a vários bens e serviços e a realização de pagamento de salário em valores inferiores ao mínimo nacional vigente na época.

O Ministério Público do Maranhão pediu que a Justiça determine a imediata indisponibilidade dos bens de Osmar de Jesus da Costa Leal e Lúcia de Fátima dos Santos Lima, além da condenação dos dois por improbidade administrativa, estando sujeitos ao ressarcimento integral dos danos causados, suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa de até duas vezes o valor do dano e proibição de contratar ou receber benefícios do Poder Público, mesmo que por meio de empresa das quais sejam sócios majoritários.

Descaso – Vítima de acidente em Araioses é socorrida na carroceria de caminhonete

Infelizmente nosso Araioses continua sendo destaque negativo no noticiário local e regional como vem ocorrendo nos últimos anos.

Desta vez e mais uma vez o vexame vem da área da saúde, onde um araiosense, vítima de acidente de trânsito, ao ser socorrido foi conduzido para o HEDA em Parnaíba na carroceria de uma camioneta.

Veja abaixo o que publicou sobre o assunto um site piauiense:

Diário do Norte – Uma cena inusitada e revoltante chamou a atenção dos profissionais do Hospital Estadual Dirceu Arcoverde (HEDA), em Parnaíba, no litoral do Piauí. Na noite do último sábado (11/11) o catador de caranguejo Eliomar Sousa de Araújo, de 29 anos, vítima de acidente de trânsito, foi transportado na carroceria de uma caminhonete do município de Araioses-MA para o maior hospital público do norte do Piauí. Foram cerca de 91 Km percorridos.

Na carroceria da caminhonete modelo L 200 Triton, além do paciente, vieram também enfermeiros e familiares do acidentado. O veículo que presta serviços a Prefeitura Municipal de Araioses-MA não possui nenhum recurso para estabilização da vítima. A mãe do homem, identificada como Maria da Conceição Sousa Araújo, estava indignada com a situação e informou que a única ambulância do município doada pelo Governo do Estado está com problemas mecânicos há vários dias.

“Quando eu cheguei lá no hospital da cidade, eles atenderam a gente ligeiro e o médico disse que ia mandar ele para Parnaíba. Eu falei que não poderia vim sozinha e aí decidi trazer um amigo pra nos acompanhar também. Viemos na carroceria dessa caminhonete. Lá em Araioses, nem ambulância pra trazer doente tem. O prefeito tá escondido, a gente nunca mais viu nem a cara dele pelo município”, afirmou Maria da Conceição em entrevista à Rádio Cidade FM de Parnaíba.

Ninguém da secretaria municipal saúde de Araioses-MA foi encontrado para comentar o caso.

Max Barros destina recursos para solucionar problema de água em Araioses

Deputado Max Barros

Luís Cardoso – Na sessão desta terça-feira (14), o líder do Bloco Independente, deputado Max Barros, cobrou soluções urgentes quanto à problemática da falta de água potável no município de Araioses. Max relatou que alocou verba para que a CAEMA pudesse resolver a situação crítica do abastecimento de água naquele município.

Max ressaltou a importância do município de Araioses e o seu potencial turístico. Além de possuir população de aproximadamente de 50 mil habitantes, lembrou que no território de Araioses está localizado 70% do maior Delta das Américas, que tem atrativos famosos como a Ilha de Canárias e Ilha do Caju.

O PROBLEMA

Max Barros explicou que a água que é fornecida, atualmente, para a população de Araioses não é considerada própria para uso doméstico, visto que a sua potabilidade não atinge os limites necessários para que ela possa ser consumida pela população.

Ele explicou que a origem dessa água se dá pelo Rio Magu, que deságua em um dos afluentes do Rio Parnaíba – o Rio Santa Rosa que está assoreado. Ele pontuou que a água que é captada hoje no povoado de João Peres sofre influência da maré.

POLÍTICAS PÚBLICAS

Barros lamentou que uma cidade com 50 mil habitantes e com grande potencial turístico passe por essa situação, com falta de água potável. Ele lembrou que há uma política estadual de melhoria dos IDH`s dos municípios maranhenses e que Araioses melhorou muito nos últimos quatro anos e enfatizou que houve grande empenho da gestão municipal no quesito educação, porém ainda permanece com baixo IDH. Ele destacou que uma das primeiras medidas para ser melhorado esse índice – que é composto por Saúde, Educação e renda – é a melhoria da Saúde, e água potável é fundamental para que isso aconteça.

O líder do Bloco Independente classificou este problema, como uma questão essencial a ser resolvida.

Max relatou que as pessoas estão cavando o “cacimbão” – que é um pequeno poço caseiro, sem nenhum controle da qualidade da água que está sendo consumida – e, paralelo a isso, a CAEMA ainda está gastando energia, porque está bombeando água do Rio Magu, inadequada para o consumo.

SOLUÇÃO

Segundo Max Barros, em função dessa questão, já existe uma concepção para que seja deslocada da captação de João Peres, para a lagoa do Deinha, que fica a 10 km da sede.

De acordo com o parlamentar, se executado esse projeto, o problema de abastecimento de água potável nesse importante município do Maranhão vai ser resolvido.

Max finalizou o seu discurso afirmando que já tomou uma medida concreta, ao alocar recursos para que esse serviço seja feito em caráter de urgência e aproveitou para fazer a cobrança para que o Governo aplique a verba e resolva o problema o mais rápido possível.