Lula: O Brasil precisa restaurar sua democracia e se libertar dos ódios

Em artigo publicado no jornal Folha de São Paulo, ex-presidente critica os esforços para que ele não realize campanha.

Por Luiz Inácio Lula da Silva

Brasil de FatoPreso há mais de três meses na sede da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva faz uso do espaço de opinião do jornal Folha de São Paulo, em sua edição desta quinta-feira (19), para criticar as diversas manobras que têm sido feitas para impedir que ele faça campanha eleitoral. Lula é oficialmente o pré-candidato presidencial do Partido dos Trabalhadores (PT) e deve ter sua candidatura registrada junto à Justiça Eleitoral no dia 15 de agosto. Confira a íntegra do artigo:
Estou preso há mais de cem dias. Lá fora o desemprego aumenta, mais pais e mães não têm como sustentar suas famílias, e uma política absurda de preço dos combustíveis causou uma greve de caminhoneiros que desabasteceu as cidades brasileiras. Aumenta o número de pessoas queimadas ao cozinhar com álcool devido ao preço alto do gás de cozinha para as famílias pobres. A pobreza cresce, e as perspectivas econômicas do país pioram a cada dia.

Crianças brasileiras são presas separadas de suas famílias nos EUA, enquanto nosso governo se humilha para o vice-presidente americano. A Embraer, empresa de alta tecnologia construída ao longo de décadas, é vendida por um valor tão baixo que espanta até o mercado.

Um governo ilegítimo corre nos seus últimos meses para liquidar o máximo possível do patrimônio e soberania nacional que conseguir —reservas do pré-sal, gasodutos, distribuidoras de energia, petroquímica—, além de abrir a Amazônia para tropas estrangeiras. Enquanto a fome volta, a vacinação de crianças cai, parte do Judiciário luta para manter seu auxílio-moradia e, quem sabe, ganhar um aumento salarial.

Semana passada, a juíza Carolina Lebbos decidiu que não posso dar entrevistas ou gravar vídeos como pré-candidato do Partido dos Trabalhadores, o maior deste país, que me indicou para ser seu candidato à Presidência. Parece que não bastou me prender. Querem me calar.

Aqueles que não querem que eu fale, o que vocês temem que eu diga? O que está acontecendo hoje com o povo? Não querem que eu discuta soluções para este país? Depois de anos me caluniando, não querem que eu tenha o direito de falar em minha defesa? 

É para isso que vocês, os poderosos sem votos e sem ideias, derrubaram uma presidente eleita, humilharam o país internacionalmente e me prenderam com uma condenação sem provas, em uma sentença que me envia para a prisão por “atos indeterminados”, após quatro anos de investigação contra mim e minha família? Fizeram tudo isso porque têm medo de eu dar entrevistas?

Lembro-me da presidente do Supremo Tribunal Federal que dizia “cala boca já morreu”. Lembro-me do Grupo Globo, que não está preocupado com esse impedimento à liberdade de imprensa —ao contrário, o comemora.

Juristas, ex-chefes de Estado de vários países do mundo e até adversários políticos reconhecem o absurdo do processo que me condenou. Eu posso estar fisicamente em uma cela, mas são os que me condenaram que estão presos à mentira que armaram. Interesses poderosos querem transformar essa situação absurda em um fato político consumado, me impedindo de disputar as eleições, contra a recomendação do Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Eu já perdi três disputas presidenciais —em 1989, 1994 e 1998—e sempre respeitei os resultados, me preparando para a próxima eleição.

Eu sou candidato porque não cometi nenhum crime. Desafio os que me acusam a mostrar provas do que foi que eu fiz para estar nesta cela. Por que falam em “atos de ofício indeterminados” no lugar de apontar o que eu fiz de errado? Por que falam em apartamento “atribuído” em vez de apresentar provas de propriedade do apartamento de Guarujá, que era de uma empresa, dado como garantia bancária? Vão impedir o curso da democracia no Brasil com absurdos como esse? 

Falo isso com a mesma seriedade com que disse para Michel Temer que ele não deveria embarcar em uma aventura para derrubar a presidente Dilma Rousseff, que ele iria se arrepender disso. Os maiores interessados em que eu dispute as eleições deveriam ser aqueles que não querem que eu seja presidente.

Querem me derrotar? Façam isso de forma limpa, nas urnas. Discutam propostas para o país e tenham responsabilidade, ainda mais neste momento em que as elites brasileiras namoram propostas autoritárias de gente que defende a céu aberto assassinato de seres humanos.

Todos sabem que, como presidente, exerci o diálogo. Não busquei um terceiro mandato quando tinha de rejeição só o que Temer tem hoje de aprovação. Trabalhei para que a inclusão social fosse o motor da economia e para que todos os brasileiros tivessem direito real, não só no papel, de comer, estudar e ter moradia.

Querem que as pessoas se esqueçam de que o Brasil já teve dias melhores? Querem impedir que o povo brasileiro —de quem todo o poder emana, segundo a Constituição—possa escolher em quem quer votar nas eleições de 7 de outubro?

O que temem? A volta do diálogo, do desenvolvimento, do tempo em que menos teve conflito social neste país? Quando a inclusão dos pobres fez as empresas brasileiras crescerem?

O Brasil precisa restaurar sua democracia e se libertar dos ódios que plantaram para tirar o PT do governo, implantar uma agenda de retirada dos direitos dos trabalhadores e dos aposentados e trazer de volta a exploração desenfreada dos mais pobres. O Brasil precisa se reencontrar consigo mesmo e ser feliz de novo.

Podem me prender. Podem tentar me calar. Mas eu não vou mudar esta minha fé nos brasileiros, na esperança de milhões em um futuro melhor. E eu tenho certeza de que esta fé em nós mesmos contra o complexo de vira-lata é a solução para a crise que vivemos.

Faleceu hoje pela manhã o vereador João Wilson

Vereador João Wilson

O Vereador João Wilson de Água Doce do Maranhão faleceu na manhã de hoje (19) de mal súbito em sua casa e ainda chegou a ser socorrido em sua casa em Parnaíba/PI pelo SAMU, mas já estava sem vida.

João Wilson que já foi vice-prefeito de Água Doce era um dos políticos com mais tempo atuando na política da região e iniciou suas atividades como secretário municipal de Araioses no governo de Tito Ferreira Gomes (1983/88).

Com a emancipação de Água Doce em 1996, ele se dedicou a fazer política no novo município, onde sempre foi alinhado ao grupo do ex-prefeito Eliomar Dias

Com a morte do vereador, tanto a prefeita Thalita Dias, assim também como o ex-prefeito Rocha Filho, em nota, se manifestaram sobre o fato. João Wilson tinha 62 anos.

O ex-prefeito Rocha Filho publicou em seu Facebook:

Hoje, dia 19.07.2018, o nosso amigo e vereador JOÃO WILSON, partiu para eternidade, deixando uma grande lacuna na política de Água Doce do Maranhão. Em solidariedade aos seus familiares, deixo aqui as minhas condolências a todos, desejando que Deus o receba em paz e conforte todos seus familiares e amigos, neste momento difícil e de muita tristeza.

 

Prefeita emite nota de pesar da prefeita Thalita Dias

Foi com imenso pesar que recebi a notícia do falecimento do vereador João Wilson. Ele foi vice- prefeito, vereador e professor de nosso município. Neste momento de dor, me junto à família, pedindo a Deus que conforte seus corações. João Wilson deixa um grande legado, principalmente, na formação de uma família íntegra, honesta e do bem.

Thalita Dias

Prefeita Municipal

Vereadores na base do governo Cristino não passa de palavras ao vento

Imagem de internet

Já está velha, bastante surrada essa estória de que um grupo de vereadores de Araioses estariam se preparando para compor a base do governo do prefeito Cristino Gonçalves, a convite desse.

Mais uma vez digo que tudo não passa de boatos. Cristino já teve oito desses vereadores com ele, quando precisou eleger o genro – Élson do Dadá – para a Presidência da Câmara de Araioses e perdeu todos eles por um fato que é de conhecimento público, que é pela mania do prefeito não honrar os compromissos que assume.

O argumento de que o vereador que se debandar para o lado do prefeito pode esquecer política doravante não é a meu ver argumento suficiente, pois entre eles tem quem sabe como “garimpar” votos para se reeleger, mesmo que tomasse essa decisão.

Outro ato que poderia favorecer o Cristino nesse contexto tem a ver com a recente viagem que eles fizeram a São Luís. De público podem até dizer que foi muito positivo o que fizeram, mas no que diz respeito ao afastamento ou cassação do prefeito eles estão ciente de que diante das circunstâncias que presenciaram será uma tarefa muito difícil.

O fator principal é mesmo falta de comando e de palavra do prefeito de Araioses em honrar esse tipo de compromisso.

O resto são apenas palavras ao vento

Sete anos após greve histórica, professores do Maranhão têm maior salário do Brasil

Jeisael Marx – O ano de 2011 entrou para a história da educação do Maranhão por causa da greve de 78 dias dos professores da rede pública, durante o governo Roseana Sarney. Foi uma das principais crises daquela gestão, ao lado dos massacres em Pedrinhas.

Sete anos depois, o cenário mudou bastante. O Maranhão paga hoje a melhor remuneração para docentes da rede estadual em todo o Brasil: R$ 5.750,83. O valor vale para profissionais em início de carreira com licenciatura plena e jornada de 40 horas semanais.

Em três anos, desde 2015, os professores tiveram aumento salarial de 30,35%. É um valor que chama atenção em meio à crise nacional do período. A inflação no mesmo intervalo foi de 21,46%. O ganho real, portanto, foi bastante significativo.

Outra diferença em relação às gestões anteriores é que, durante o governo Flávio Dino, não houve greve dos professores, indicando uma relação mais harmoniosa entre a categoria e o Estado.

Na greve de 2011, a área externa do Palácio dos Leões ficou repleta de professores em greve que reivindicavam melhorias de salário e de trabalho.

A paralisação foi encerrada mesmo sem o cumprimento das exigências, já que o Governo não dava sinais de que atenderia a categoria.

Fonte: Maranhão de Gente

Tribunal revê decisão de Moro e condena mulher de Cunha por evasão de divisas

Da Folha

O TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) condenou a jornalista Cláudia Cruz, mulher do ex-deputado Eduardo Cunha, a dois anos e seis meses de prisão por evasão de divisas. A pena foi estipulada em julgamento na tarde desta quarta-feira (18).

A corte reviu decisão do juiz Sergio Moro de maio de 2017, quando Cláudia Cruz foi absolvida dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas em ação na qual foi acusada de ter se beneficiado de propina desviada da Petrobras para seu marido.

De acordo com a Procuradoria, os valores ilegais teriam sido gastos a partir de uma conta na Suíça, no nome da jornalista. O dinheiro teria comprado bolsas de luxo, roupas de grife e aulas de tênis no exterior.

Segundo a acusação, os valores seriam parte de propina de US$ 1,5 milhão (R$ 5,75 milhões) paga a Cunha para viabilizar a compra pela Petrobras de um bloco para exploração de petróleo na costa do Benin, na África, em 2011.

Aliado dos Sarney, Temer aprova reajuste e conta de energia ficará 3,86% mais cara

Jorge Vieira – A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que em breve emplacará um indicado de José Sarney e Edison Lobão na diretoria, aprovou nessa terça-feira (17) o reajuste de 45,52% na receita anual de geração de 69 usinas hidrelétricas que atuam no regime de cotas.

Dessa forma a conta de energia dos brasileiros ficará um aumento de até 3,86%. O impacto na conta de luz depende da data do reajuste aprovado pela Aneel e da quantidade de cotas (volume de energia) que cada distribuidora compra das hidrelétricas.

O volume de cotas de cada distribuidora representa, em média, 22,64% dos contratos de energia das concessões. A remuneração total recebida pelas usinas, de julho de 2018 a junho de 2019, será de R$ 7,944 bilhões.

O atual regime de cotas foi implantado por meio da Medida Provisória nº 579/2012, com renovação automática das concessões de usinas hidrelétricas.

“Quadrilha do Whatsapp” embolsou R$ 70 mil de deputado maranhense

Gilberto Lima – O líder da quadrilha que aplicava golpes clonando Whatsapp, principalmente de políticos, foi identificado como Leonel Silva Pires Júnior. Ele e mais três suspeitos foram presos, nesta terça-feira (17), durante uma operação da Polícia Federal em conjunto com a Polícia Civil do Maranhão e do Paraná.

Uma das vítimas do estelionatário foi o deputado estadual Adriano Sarney, que chegou a depositar R$ 70 mil em contas da quadrilha.

“O Leonel fez várias vítimas como, por exemplo, o deputado Adriano Sarney. Os mandados que estamos cumprindo aqui teve como vítima a pessoa do Adriano Sarney, que depositou 70 mil reais em contas fraudulentas para o Leonel e para os seus comparsas”, afirmou o delegado Odilardo Muniz, chefe do Departamento de Combate a Crimes Tecnológicos da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic).

De acordo com o delegado, Leonel também usou a sua empresa para realizar os golpes.

“Leonel utilizou a sua empresa para conseguir chips para justamente trocar esses chips. Ele cancelava o chip real e resgatava no chip normal. Dos 120 chips que ele tinha, que a sua empresa faturou, 79 foram utilizados para golpes só na operadora Vivo”.

Leonel já havia sido indiciado em 2016 por ser o líder de uma quadrilha que aplicava golpes por meio do whatsapp.

“Em 2016 ele foi indiciado pela Seic por participar de uma quadrilha do whatsapp, onde ele era o cabeça e não foi preso porque se evadiu do local. Ele conseguiu o habeas corpus e respondeu em liberdade. Leonel já tem um processo de 2016 com o mesmo delito e agora duas prisões, tanto na federal como na estadual”, revelou o delegado.

Foram presos Leonel Silva Pires Júnior, Ana Lúcia Miranda Rocha, Marksuel Pereira de Sousa e Thatielle Cristina Cordeiro Silva. Estão foragidos  Erick Raphael Reis Teixeira, Eloah Christina Araújo Machado, Ivanilde Nogueira Amaral e  Rudson Januário Serra.

Após ser interrogado na sede da PF em São Luís, Leonel Silva Pires Júnior foi encaminhado para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas, na capital.

Os outros três presos foram interrogados na Polícia Civil e encaminhados para a penitenciária.

Operação Swindle

Na operação desta terça, batizada de Swindle, que significa “fraude” em inglês, policiais cumpriram cinco mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão preventiva no Maranhão e em Mato Grosso do Sul. Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal em Brasília.

De acordo com investigadores, com os números clonados, os agentes criminosos usavam contas de WhatsApp de autoridades públicas e solicitavam transferências bancárias das pessoas da lista de contatos do telefone alvo de fraude. A polícia investiga os crimes de invasão de dispositivo informático, estelionato e associação criminosa.

A ação policial deflagrada em São Luís, nesta terça-feira (17), é desdobramento de um pedido de investigação que partiu de ministros do governo Michel Temer depois de terem telefones celulares clonados.

Em março deste ano, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Carlos Marun (Secretaria de Governo) e o ex-ministro Osmar Terra (Desenvolvimento Social), todos do MDB, tiveram os telefones fraudados e pediram investigação policial sobre o caso.

Segundo os relatos dos ministros, mensagens foram enviadas aos contatos deles por meio do aplicativo WhatsApp com pedidos de depósitos bancários. No total, cerca de 20 deputados estaduais e federais, ministros do governo federal e até a governadora do Paraná, Maria Aparecida Borghetti, foi alvo da quadrilha.

Corregedoria Geral da Justiça revoga nomeação de 19 interinos de cartórios do Maranhão

O Corregedor-geral da Justiça, desembargador Marcelo Carvalho Silva, assinou nesta terça-feira (17), decisão revogando 19 nomeações de interinos que atuam em cartórios do Maranhão, cujos vínculos de parentesco se enquadram nas vedações legais delineadas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Página 2 – O Corregedor-geral da Justiça, desembargador Marcelo Carvalho Silva, assinou nesta terça-feira (17), decisão revogando 19 nomeações de interinos que atuam em cartórios do Maranhão, cujos vínculos de parentesco se enquadram nas vedações legais delineadas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A decisão se deu em Pedido de Providências instaurado pela Corregedoria Nacional de Justiça com intuito de acompanhar o cumprimento da denominada Meta 15, fixada no 1º Encontro de Corregedores do Serviço Extrajudicial, promovido pela Corregedoria Nacional em 7 de dezembro de 2017.

Segundo a decisão, devem ser revogadas as interinidades das Serventias Extrajudiciais de Afonso Cunha; de Alto Alegre do Maranhão; de Cantanhede; de Fortaleza dos Nogueiras; de Lima Campos; de Matões; de Mirador; de Olho D´Água das Cunhãs; de São Félix de Balsas; de São Mateus do Maranhão; de Sítio Novo; do 4º Ofício Extrajudicial de Caxias; do 1º Ofício Extrajudicial de Colinas; do 3º Ofício Extrajudicial de Santa Inês; do 1º Tabelionato de Protestos de São Luís; do 3º Ofício Extrajudicial de Timon; do 1º Ofício Extrajudicial de Tuntum; do 1º Ofício Extrajudicial de Vitória do Mearim e do 1º Ofício Extrajudicial de Vitorino Freire.

A decisão estabelece que as portarias de revogação serão expedidas tão logo seja possível a designação de novos interinos para as serventias, a fim de que não haja interrupção nos serviços públicos prestados, inclusive para que seja feita a transição entre os interinos. “O que prevenirá prejuízos quando da transmissão do acervo e permitirá que os trabalhos transcorram de forma ordenada”, ressalta.

A decisão ainda determina a expedição de edital aos delegatários das Serventias Extrajudiciais que se encontram no raio de 300 km dos municípios listados, para que manifestem interesse em responder interinamente por alguma das serventias citadas.

META 15 – A medida derivou de Consulta aberta pela CGJ-MA junto à Corregedoria Nacional de Justiça, a respeito do cumprimento da Meta 15, que determina às Corregedorias “realizar levantamento detalhado sobre a existência de nepotismo na nomeação de interinos no serviço extrajudicial, revogando os atos de nomeação em afronta ao princípio da moralidade”.

Em resposta, a Corregedoria Nacional afirmou que deve ser revogada a nomeação dos substitutos mais antigos quando configurada ofensa aos princípios constitucionais da moralidade e da impessoalidade, mesmo diante da iminência das nomeações dos delegatários aprovados em concurso público, inclusive alcançando as interinidades deferidas em data anterior ao estabelecimento da meta; e que, ainda que a titularidade tenha sido extinta pela morte do titular dos serviços, incide a vedação ao nepotismo.

A resposta à consulta feita à Corregedoria Nacional gerou repercussão administrativa para todos os Tribunais da Federação, em caráter de normativo geral e vinculante, de acordo com voto do conselheiro Valtércio de Oliveira.

“Ressalto que as revogações de interinidade não decorrem de quebra de confiança ou qualquer mácula ao histórico de trabalho dos interinos, e sim da imperiosa necessidade de dar cumprimento à norma aprovada pelo Conselho Nacional de Justiça, constante do § 2º do art. 3º da Resolução nº 80/2009”, frisou o corregedor-geral da Justiça, desembargador Marcelo Carvalho Silva, na decisão.

O Globo mostra a “chapa centenária” do grupo Sarney

A “chapa centenária” da família Sarney

O Globo

Na onda da cobrança por renovação na política, o grupo do governador Flávio Dino (PCdoB) no Maranhão quer colar na adversária Roseana Sarney (MDB) o carimbo da velha política. Disputam o Senado na chapa da ex-governadora Sarney Filho (PV) e Edison Lobão (MDB). Este último está na vida pública desde os anos 1960. Já o irmão de Roseana começou na década de 1970. Os concorrentes não perdoaram: é a “chapa centenária”.

 Dia Municipal da Reforma Agrária de Araioses

Convidamos você, sua família, presidentes de associações e sindicalistas, pais e professores, representantes de todas as denominações religiosas, jovens e toda a comunidade em geral para participarem, no dia 19 de Julho, do dia Municipal da Reforma Agrária de Araioses.

O início será as 07:00 horas da manhã na Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição com uma Celebração Ecumênica. Logo em seguida uma caminhada pela Avenida Dr. Paulo Ramos até o Sindicato dos Trabalhadores Rurais (Na Rua Dom Pedro II, próximo ao Mercado), onde acontecerá um encontro com temas específicos como;

= Devastações da natureza que afetam o meio ambiente.

= Projeto das Eólicas e suas consequências negativas para a natureza e comunidades tradicionais.

= Reflexões sobre a vida e morte de  Zé Nedina,  um grande lutador na causa da Reforma Agrária.

Na ocasião estará presente a Sociedade  Maranhense de Direitos Humanos (SMDH)

Agradecimentos:

Paróquia Nossa Senhora da Conceição, Equipe da Campanha da Fraternidade (CF), Igrejas, Sindicatos e Associações.

Flávio Dino anuncia nomeação de mais 1200 policiais militares

O governador Flávio Dino anunciou nesta terça-feira (17) a nomeação de mais 1.214 policiais para a Polícia Militar do Maranhão.

Página 2 – O governador Flávio Dino anunciou nesta terça-feira (17) a nomeação de mais 1.214 policiais para a Polícia Militar do Maranhão.

“No próximo dia 25, irei nomear mais 1.214 policiais militares para o Maranhão. E vamos seguir ampliando a Polícia e reduzindo os crimes”, escreveu o governador em sua conta nas redes sociais.

Desde 2015, foram incorporados à PM do Maranhão mais de 3.500 policiais. Com isso, o Estado passou a ter a maior tropa da história com 12 mil policiais. Também foram entregues mais de 1.000 viaturas.

Com os investimentos na segurança pública, a taxa de homicídios na Grande São Luís caiu em 40% na comparação com o ano de 2014.

São Luís deixou o ranking das 50 cidades mais violentas do mundo.

Moro foi uma lebre esperta para condenar Lula e age como tartaruga em outro caso da Lava Jato

Bonecos infláveis de Moro e Lula colocados na frente da Polícia Federal

Por Joaquim de Carvalho – DCM

Sergio Moro levou menos de nove meses para condenar Lula, no caso do triplex, e está há mais de três anos com um processo pronto para julgamento parado em algum arquivo digital. Esses dois casos dão a medida da balança da justiça na 13a. Vara Federal de Curitiba.

Com Lula, processo a jato. Em outros casos, nem tanto, às vezes com tramitação tão lenta que levou os advogados do réu, o empresário André Luís Paula dos Santos, a apresentar ao Supremo Tribunal Federal pedido de liminar em habeas corpus para que revogue as medidas cautelares impostas por Moro.

O pedido foi parar nas mãos de Edson Fachin.

André Luís, para deixar a prisão, pagou fiança, e é obrigado a comparecer a todos os atos processuais. Também está proibido de mudar de endereço sem autorização da justiça.

Além disso, ele não pode ter contato com outros acusados ou testemunhas da Lava Jato, e com dirigentes ou empresas relacionas ao Posto da Torre Ltda., o epicentro da operação, comércio instalado em Brasília que era usado para a lavagem de dinheiro.

Com a situação indefinida e tendo de se submeter a essas medidas, o empresário está com a vida civil paralisada.

Além disso, Moro não tem reconhecido medidas cautelares diversas da prisão, inclusive tornozeleira, para fins de contagem de tempo para eventual cumprimento de pena.

Diante da demora para ter seu caso julgado e, se condenado, lutar nas instâncias superiores pela absolvição, os advogados entenderam que era o caso de habeas corpus.

Mas Fachin convalidou uma vez mais a decisão (no caso, falta de decisão) de Moro. O ministro explicou que o deferimento de liminar em habeas corpus é medida excepcional, que somente se justificaria se a situação apresentasse “manifesto constrangimento ilegal”

Se ser réu indefinidamente, cumprindo medidas como se fosse condenado, sem que o juiz atente para prazo de julgamento, não for constrangimento ilegal, o que mais seria?

“Além disso, o paciente [acusado] encontra-se em liberdade, sem indicação de risco iminente de restrição a direito de locomoção”, escreveu Fachin.

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal, André Luís era responsável pelo transporte de valores ilícitos a Carlos Habib Chater, proprietário do Posto da Torre.

Também consta dos autos que, no dia 13 de dezembro de 2014, Santos foi detido pela Polícia Federal, no Aeroporto Internacional de Brasília, com US$ 289 mil, quando retornava de São Paulo.

O que Moro espera para julgar esse homem que, no máximo, seria mula de algum esquema de lavagem? Alguma delação?

Difícil saber.

Mas essa demora revela que, na vara de Moro, os pesos estão muito desiguais.

Ele abriu mão da investigação do ex-governador Beto Richa, alegando excesso de trabalho e, depois, em férias, interferiu para impedir que a Polícia Federal cumprisse alvará de soltura em favor de Lula.

Agora se sabe que Moro deixou dormindo na gaveta digital um processo que já dura mais de três anos.

No caso do triplex que atribui a Lula, agiu como uma lebre esperta, aproveitando um processo que teve origem em São Paulo, no Ministério Público Estadual.

No caso do suposto aliado do dono do posto da Lava Jato, caminha como uma tartaruga.

Pode isso, Arnaldo?

Ação por abuso de poder econômico pode tornar Roseana Sarney inelegível

A ação por abuso de poder econômico contra a TV Mirante e outros veículos do mesmo grupo podem tornar Roseana Sarney inelegível, caso a representação seja julgada precedente.

Página 2 – A ação por abuso de poder econômico contra a TV Mirante e outros veículos do mesmo grupo podem tornar Roseana Sarney inelegível, caso a representação seja julgada precedente. É o que diz a Lei Complementar número 64, de 18 de maio de 1990.

O Ministério Público Eleitoral já está de posse da ação, encaminhada pelo PCdoB, que diz ter havido diversos casos de fake news e deturpações feitas pelos veículos de comunicação da família Sarney.

De acordo com a ação, o Sistema Mirante usa toda a sua estrutura para favorecer o grupo político de Roseana e divulgar notícias falsas sobre o governo Flávio Dino.

A lei que trata do abuso de poder econômico inclui a “utilização indevida de veículos ou meios de comunicação social, em benefício de candidato ou de partido político”.

“Julgada procedente a representação, ainda que após a proclamação dos eleitos, o Tribunal declarará a inelegibilidade do representado e de quantos hajam contribuído para a prática do ato”, acrescenta a norma.

Roseana é sócia do Sistema Mirante e é citada na ação encaminhada ao Ministério Público Eleitoral.

Além disso, caso avaliem ser necessário, os procuradores podem recomendar a instauração de ação penal.

A Lei Complementar 64/90 também diz que “o Ministério Público e a Justiça Eleitoral darão prioridade, sobre quaisquer outros, aos processos de desvio ou abuso do poder econômico ou do poder de autoridade”.

A ação contra o Sistema Mirante inclui um levantamento estatístico mostrando que o jornal O Estado do Maranhão vem fazendo campanha sistemática contra o governador Flávio Dino desde 2015.

Leia mais:

Ministério Público pede condenação da TV Mirante

E a MA-312, a Estrada do Caranguejo, continua sem solução

A MA-312, que liga Araioses ao povoado Carnaubeiras, parece estar destinada ao esquecimento, já que até agora, mesmo com o fim do inverno, suas obras não foram retornadas. As promessas de retorno das obras foram muitas, porém, infelizmente, não passou disso. E essas promessas não são novas elas já vêm de décadas que já se passaram.

Dizer com precisão qual foi a data que essa estrada foi prometida pela primeira vez não sei com certeza, mas sei que já faz 18 anos que ouvi falar nesse asfalto pela primeira vez.

O dia não sei dizer, mas foi no mês de setembro de 2000. Era comício de Vicente Moura e na noite desse, o senador João Alberto estava presente. Eu nunca fui animador de palanque, mas devido nossas necessidades eu era uma espécie de mestre-de-cerimônias da campanha e tinha o papel de apresentar os oradores, candidatos e convidados.

Já tinha falado quase todos faltando só João Alberto e Vicente Moura.

Foi aí que passei a palavra para o senador, que exibindo uma folha de papel aparentemente com algo escrito, disse ao povo de Carnaubeiras ali presente e aos demais, que aquilo era a ordem de serviço para fazer o asfaltamento da estrada e que a obra iria começar em breve.

Na época eu não tinha certeza, mas depois tomei conhecimento de que ordem de serviço é a última etapa para a realização de uma obra e que a empresa na posse dela tem no máximo 72 horas para colocar as máquinas na estrada e iniciar os serviços. Antes disso tem levantamento de toda estrada, locais de onde poderão ser retiradas a piçarra e água. Depois tem a licitação, topografia, etc…

Relembrando as palavras do senador João Alberto o que posso dizer é que ele nos fez de trouxa ao mostrar algo que não existia e prometer o que sabia que não seria cumprido. De lá para cá já foram tantas as promessas que já perdi as contas.

Em outubro de 2013 acompanhei durante três dias o Engenheiro Rayol e o Chagas Melo – secretário de obras de Araioses, na medição da estrada de Carnaubeiras. O que me foi dito naquela data é de que a obra seria iniciada ainda naquele ano, não foi.

Mas acho que a melhor oportunidade – infelizmente perdida – que essa estrada teve para ser feita foi no período que Valéria do Manin era a prefeita de Araioses. Seu pai, Manin Leal era ligadíssimo a governadora Roseana Sarney e Max Barros (teve 4.665 votos aqui em 2014), sempre apoiado por ele era o secretário de infraestrutura.

Agora no governo de Flávio Dino se esperava que esse sonho fosse realizado, porém bem poucos – e eu estou entre esses – acreditam que suas obras retornem ainda este ano.

Não que o governador não tenha feito a parte dele para que esse asfaltamento fosse realizado, mas a Market, empresa que ganhou a licitação da obra, ainda no governo de Roseana Sarney nunca mostrou interesse em executar o asfalto da estrada e só enrolou esse tempo todo.

Isso irritou o governador que acabou forçando que José Ribamar Resende, dono da Market passasse, por meio de contrato, os serviços para a Construtora Sucesso. Depois disso surgiram novas promessas que infelizmente não foram cumpridas até agora.

Ainda está em tempo, porém infelizmente Araioses só serve para ajudar eleger deputado que depois esquecem que o município e o povo existem.

Alguém tinha que está junto ao governador lutando por nós.

Leia mais:

Estrada MA 312, da euforia a decepção

O primeiro passo já foi dado para o asfalto de Carnaubeiras

Governo antecipa primeira parcela do 13º de aposentados e pensionistas

A parcela será paga em agosto junto com o benefício do mês

Por Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil

Aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) receberão a primeira parte do 13º salário junto com a remuneração de agosto. A primeira parcela do abono anual corresponderá a até 50% do valor do benefício.

O decreto autorizando a antecipação foi assinado hoje (16) pelo presidente Michel Temer, mas ainda não foi publicado no Diário Oficial da União. A medida deve injetar R$ 21 bilhões na economia do país e movimentar o comércio e outros setores.

Como determina a legislação, não haverá desconto de Imposto de Renda na primeira parcela paga a aposentados e pensionistas do INSS. O imposto sobre o valor somente pode ser cobrado na segunda parcela da gratificação natalina, a ser paga junto com a remuneração de novembro.

Desde 2006, o governo antecipa a primeira parcela do 13º salário dos aposentados e pensionistas na folha de agosto.

Somente em 2015, o pagamento foi adiado para setembro, por causa do ritmo fraco da economia e da queda da arrecadação