Médico cubano escreve a Bolsonaro: “Aprenda o que é amor ao próximo e dignidade”

Eu respondo: Bolsonaro, meu filho, quando o Sr. diz que Cuba fica com meu salário eu só penso nas seguintes questões:
1-Eu aceitei os termos de um contrato por livre e pessoal determinação.
2-Ciente de que, com esse dinheiro, minha mãe, irmãos, sobrinhos, primos, tios , vizinhos, famílias todas tem garantido o cuidado de sua saúde. Sem pagar nada .
3-Ciente de que minha formação como médico é graças à criação de universidades públicas em todo o território nacional. Onde filhos de pedreiros, advogados, fazendeiros, faxineiras, empregados dos correios, médicos, etc compartilham a mesma sala de aulas sem discriminação por sexo, cor, ideologia, ou riqueza. Isso, Bolsonaro, chama-se igualdade. Coisa que Sr. não conhece, porque não existe num país onde a corrupção e os privilégios políticos acabam com a riqueza do Brasil.
4-Eu tenho o coragem de trabalhar para o povo brasileiro ainda sem perceber esse salário de que o Sr. fala. Porque eu não trabalho só por uma questão econômica. Eu trabalho porque gosto da minha profissão, por que jamais vou ficar rico às custas dos pobres. Porque jamais vou usar a política como meio de vida. Porque jamais vou enganar os pobres com falsas promessas. Porque jamais vou plantar o ódio e discriminação no coração de ninguém. Porque vou pensar bem as coisas antes de falar para não ter que fazer como você (pedir desculpas todos o dias pelas loucuras que fala).
5-Eu posso sim trazer alguém de minha família. Não trouxe porque, Sr. Bolsonaro, o pobre tem que ter prioridades na vida e para mim a prioridade é ajudar minha família, mais que comprar um passagem aérea sabendo que em casa temos outras necessidades e prioridades.
6- Sei também que o Sr. conta com o apoio de uma pequena parte de meus colegas que, por motivações políticas e econômicas, acham melhor se enriquecer de dinheiro e não de amor, experiência, valores morais , patriotismo, dignidade. Porque eu posso não concordar com meu salário lá em Cuba. Eu posso até não concordar com o sistema político da Cuba. Mas também não tenho porque difamar meu país. Eu vi isso também nos brasileiros pobres, maioria no Brasil. Eles gostam do Brasil, daquele povinho onde eles nasceram, só que com certeza gostam que esse mesmo Brasil que eles tem no coração tenha igualdade, pobreza zero, fome zero, discriminação zero, violência zero, corrupção zero, saúde e educação de qualidade. Mas ainda assim, no Brasil imperfeito, eles gostam de seu país .
7- O Sr. diz que os cubanos “estão se retirando do Mais Médicos por não aceitarem rever esta situação absurda que viola direitos humanos”. Não, Bolsonaro, o que realmente viola os direitos humanos é privar aos pobres do Brasil do acesso à Saúde por não concordar com outras ideologias políticas. Porque o Sr. quer mudar as regras sem perguntar aos beneficiários do programa se realmente os cubanos fazem o trabalho do jeito que tem que ser. Porque aqui no Brasil a gente tem preceptores brasileiros, a gente está fazendo um curso em medicina familiar, tudo sob a supervisão de excelentes profissionais brasileiros. A gente não está lá em qualquer canto fazendo as coisas por capricho não. Agora vem você a dizer que nós estamos fantasiados de médicos. Aqui o único fantasiado é o Sr. São todos os que apóiam sua absurda visão da realidade. O Sr. só está lutando pelos privilégios da classe médica, da classe política. Lamentável! Sim, sr. Bolsonaro, o que resulta lamentável é ver como um cara sem conhecimentos de nada, apenas só de armas, consegue se eleger presidente . E ainda assim mais lamentável ainda foi ver alguns pobres eleger você. Deus tome conta dos pobres. Deus tome conta do Brasil.
8-Quem estudou na época dos livros, quem estudou na época que as pesquisas eram feitas nos livros e não no Google ou na internet merece respeito. Quem lutou pela vida e chorou pela morte de uma pessoa ou de uma criança merece respeito. Quem foi lá, onde para muitos é o fim do mundo, para cuidar dos doentes, merece respeito. Quem ficou longe da família para devolver o sorriso de um idoso ou uma criança merece respeito. Aí é para tirar o chapéu viu? Absurdo que 66 países no mundo estão se beneficiando de nosso labor e vem você nos chamar de fantasiados. Pior ainda duvidar de que alguém queria ser atendido por cubanos.
Peço respeito pelos meus colegas.
Peço respeito à livre escolhia de meu povo.
Peço respeito para os pobres e ignorantes .

Peço respeito para a Medicina Pública.
Peço também ao Sr. estudar o que significa amor ao próximo.
O que significa Pátria.
O que significa dignidade.
O que significa diplomacia.
O que significa Medicina familiar.
O que significa igualdade
O que significa respeito de pensamento
O que significa ser o presidente dos brasileiros pobres também é não só dos ricos e poderosos.
Saúde e longa vida para o Sr.
Deus abençoe você e seu povo.”
Yonner González Infante
Médico, membro do programa “Mais Médicos”.

Fonte: Nocaute – Blog do escritor e jornalista Fernando Morais

Sem cubanos, gastos com médicos dobrarão e atenção básica ficará prejudicada nos municípios maranhenses, afirma Cleomar Tema

O presidente da FAMEM mostrou-se bastante preocupado com as últimas notícias sobre a saída dos médicos cubanos do programa Mais Médicos, após divergência do governo de Cuba com as novas diretrizes que foram impostas pelo presidente recém-eleito, Jair Bolsonaro.

O Ministério da Saúde diz que recebeu o comunicado da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) na manhã de quarta-feira (14), “no qual o governo cubano informa que encerrou sua parceira no programa Mais Médicos”.

O Ministério informou que “a iniciativa imediata será a convocação nos próximos dias de um edital para médicos que queiram ocupar as vagas que serão deixadas pelos profissionais cubanos. Será respeitada a convocação prioritária dos candidatos brasileiros formados no Brasil seguida de brasileiros formados no exterior”.

Para Cleomar Tema, a substituição dos médicos cubanos não será uma tarefa das mais fáceis para o Governo Federal, visto que o Maranhão possui uma grande carência desses profissionais, além do que poucos querem se submeter a morar nos povoados das pequenas cidades para cumprir carga horária de 40h e ganhar R$ 10 mil de salário.

O déficit de médicos relatado pelo presidente da Famem é confirmado pela pesquisa “Demografia Médica 2018” do Conselho Federal de Medicina-CFM. A mesma informa que para o atendimento de uma população de 7 milhões de habitantes, o Maranhão tem apenas 6.096 médicos, o que dá uma proporção de 0,87 profissionais por mil habitantes, sendo esta a menor proporção do país entre os estados. A média recomendada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) é de um médico para cada 1.000 habitantes.

“Caso o MS não encontre uma estratégia imediata para suprir essa carência deixada com a iminente saída dos cubanos, os municípios maranhenses vão enfrentar sérios problemas, dentre os quais: a elevação significativa dos custos de contratação de novos médicos e a custos mais altos em função da baixa oferta desses profissionais; dificuldade de cumprimento da carga horária exigida pelo MS expondo os gestores as auditorias do DENASUS e as consequências decorrentes destas, dentre outros já de amplo conhecimento dos gestores maranhenses”, enfatiza Cleomar Tema.

Tema finalizou dizendo que pedirá a inclusão do assunto na pauta municipalista que será debatida na capital federal no dia 19/11, em Brasília, em evento organizado pela Confederação Nacional dos Municípios – CNM. O evento contará com a presença do presidente Michel Temer, membros da equipe de transição do presidente recém-eleito Jair Bolsonaro, além da presença de milhares de prefeitos de todo o Brasil.

Entenda o caso:

Criado em 2013, o programa Mais Médicos ampliou a assistência médica nos municípios, reforçando o atendimento regular nas Unidades Básicas de Saúde e na composição das equipes da Saúde da Família.

No Maranhão, 2,4 milhões de pessoas são beneficiadas com o trabalho dos 710 profissionais do programa, onde mais de 450 são cubanos.

Contrário à sistemática adotada pelos governos anteriores, o presidente recém-eleito quer que os médicos cubanos passem por um teste de capacidade, que eles recebam o salário integral pago pelo Governo Federal e que eles tenham a liberdade para trazer os seus familiares consigo, o que não teve a aprovação do governo cubano.

Fonte: FAMEM

Tráfico de pessoas dispara no Uruguai

Relatório aponta que o Uruguai é origem, trânsito e destino de trabalhadoras exploradas sexualmente: três em cada dez prostitutas no país são vítimas de tráfico

Montevidéu, capital do Uruguai

Carta Capital  – Uma pepita de ouro tão pequena quanto uma unha foi o pagamento que a uruguaia Karina Núñez recebeu por oferecer serviços sexuais dentro de uma mina no Chile, onde um cafetão a levou anos atrás para forçá-la a trabalhar e ficar com quase tudo o que ela ganhava.

Do pouco que restava a esta trabalhadora do sexo de 53 anos, “tinha que pagar 50 dólares pelo canário” que precisava levar com ela, preso em uma gaiola, para saber se havia ar suficiente dentro da mina, onde atendia mineiros em longas sessões de quatro dias e quatro noites.

Karina, que se autodenomina como “liberta”, mantém as cicatrizes das surras que levou em seu longo périplo. Mas nada conseguiu dobrar seu espírito. A mulher conseguiu se libertar e há anos se dedica a documentar a situação de outras mulheres com o mesmo destino, tornando-se uma referência tanto para as autoridades quanto para as ONGs que trabalham com o tema do tráfico de seres humanos no Uruguai.

Atualmente, “três em cada dez” prostitutas que atendem nas whiskerias, como são chamados os prostíbulos no Uruguai, são vítimas de tráfico, diz Karina, que por muito tempo exerceu este ofício percorrendo rodovias em seu país. Ela conhece como ninguém o mundo que se move nos arredores dos prostíbulos e assegura que nos últimos anos muitas estrangeiras entraram no negócio, especialmente pela fronteira com o Brasil.

Origem, trânsito e destino

“Antes éramos um país de origem e trânsito mais do que de recepção. Hoje, somos as três coisas”, disse a vice-secretária de Desenvolvimento Social do Uruguai, Ana Olivera, em 30 de julho, Dia Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Algo que já tinha dito em 2010 a relatora especial da ONU Joy Ngozi Ezeilo, após uma visita ao país.

Segundo relatório global para 2018 do Departamento de Estado americano sobre o tráfico de pessoas, o Uruguai é país de origem, trânsito e destino tanto de homens, quanto de mulheres e crianças, que são submetidos a trabalhos forçados e exploração sexual.

Mulheres da República Dominicana e, em menor medida, de outros países sul-americanos, são exploradas sexualmente no Uruguai, assim como as uruguaias adultas e crianças, transgêneros e homens jovens. Outras são obrigadas a se prostituir em Espanha, Itália, Argentina e Brasil, acrescenta o informe, embora ressalte que neste caso, as cifras diminuíram nos últimos anos.

Em uma tentativa de enfrentar o problema, o Parlamento uruguaio aprovou em julho uma lei cujo objeto é combater o tráfico.

 A trapaça

Ao “contingente muito grande de mulheres que estão chegando” ao Uruguai, vende-se a ideia de que vêm a “um país dourado”, explica Andrea Tuana, da ONG El Paso, que trabalha em convênio com o Ministério de Desenvolvimento Social (Mides) para resgatar vítimas de tráfico.

Dizem-lhes: “Nós te levamos, pagamos a passagem, deixamos um pouco de dinheiro para a sua família. Isso sim, você nos dá uma garantia – se tiver casa, faz uma hipoteca, se não, vemos como [fazer]. Nos primeiros dias, te alojamos”.

Mas quando elas chegam, vêm que o paraíso de trabalho não existe. E nessa hora, a rede diz: “‘Temos a solução, tem a whiskeria’. E as mulheres cedem ao desespero, à dívida que têm, à família que espera” o envio do dinheiro.

“Não são forçadas fisicamente, não as prendem, nem as acorrentam”, mas se não pagarem a dívida, vem a ameaça: “sabemos onde está a tua família”.

Para Karina Núñez, trata-se de um círculo vicioso. Embora no Uruguai o trabalho sexual seja legal, os donos das whiskerias estabelecem as jornadas de trabalho e obrigam as profissionais a atender um número determinado de clientes.

“No Uruguai tem muito (proxenetismo encoberto) e o tráfico está preso aí”, afirma a senadora e ex-ministra do Interior, Daisy Tourné.

 Oculto pelo medo

O tráfico é um crime difícil de detectar e, na maioria dos casos, é cometido com o consentimento das vítimas.

“Não se veem as correntes, mas estão acorrentadas”, diz a trabalhadora social Sandra Ortiz, da ONG Casa Abierta, que atende vítimas de tráfico em 15 países.

Para o mexicano Rodolfo Casillas, especialista internacional em tráfico e migrações, pesquisador e professor da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (Flacso), “a percepção geral é de que este crime está crescendo (no Uruguai): quanto, onde e quais setores afeta, não sabemos”.

A juíza Julia Staricco, que processou alguns casos de tráfico no país, afirma que “é muito difícil trabalhar contra este delito” porque “as vítimas não querem depor por medo” de represálias.

Em 2013, um policial foi ferido do lado de fora de um juizado de Montevidéu, onde uma vítima do tráfico se atreveu a depor contra um cafetão. Ao sair do local, um homem atirou nela, ferindo o policial, contou uma das colegas da mulher, que pediu para ter sua identidade preservada.

As autoridades tiveram que disfarçar a testemunha como enfermeira para poder tirá-la do tribunal e levá-la a um hospital, onde ficou escondida por meses.

Há alguns meses, foram soltos dois proxenetas “que manipulam o eixo da (zona) leste e estão fazendo uma limpeza e pondo a casa em ordem e está todo mundo assustado (…) Muitas colegas foram embora desses espaços e outras prefeririam morrer a falar”, disse a mesma fonte, destacando que ambos são relacionados a Sergio “Zorro” Escobar, um conhecido cafetão, atualmente preso.

Cubanos

Em 2017, a Interpol detectou uma rede de tráfico de cubanos que entram no Uruguai mediante pagamento e após uma penosa travessia pela América do Sul. A rede teria integrantes em Cuba, Guiana, Brasil e Uruguai.

“De onde as cubanas e os cubanos vão tirar 800 dólares para uma passagem, se ganham 20 dólares por mês?”, pergunta Maria Elena Laurnaga, socióloga e cientista política, que dirige com a Casa Abierta, na cidade de Rivera, na fronteira norte com o Brasil, um programa piloto sobre tráfico com financiamento dos Estados Unidos.

“Vêm em grupos” e “aqui têm que devolver o dinheiro. Passam pelo Suriname, entram no Brasil” para depois chegar ao Uruguai, acrescenta.

“Em 2017, houve 664 pedidos de visto de cubanos no consulado uruguaio de (a cidade brasileira) Santana do Livramento (vizinha a Rivera), homens e mulheres; este ano, até setembro, já são 1.400, e isto só em Rivera”, destaca.

Para tirar a carteira de residente no Urugaui, é preciso pedir visto, o que permite acessar políticas públicas como saúde e previdência social.

“Por trás da história dos cubanos, há uma história do tráfico que se configurou no Brasil ou no Paraguai. Muitos seguem para Montevidéu. Quanto disso é tráfico? Não sei”, disse Laurnaga.

Passaram por El Fénix, a principal whiskeria de Rivera, cubanas e dominicanas, mas constantemente são mudadas de lugar, diz Maribel Diniz, uma psicóloga que trabalha com Laurnaga no programa de atendimento a trabalhadoras sexuais em Rivera.

Oscar Borba, chefe da unidade policial contra o tráfico e crimes sexuais desta cidade de 100.000 habitantes, diz ter entrevistado cubanas nesta whiskeria, mas que as supostas vítimas se negam a denuncia.

Superexposição nas redes 

“De um tempo para cá, há mais mulheres de importação (…) Os clientes gostam, claro! Chamam sua atenção porque são estrangeiras (…) Vêm do outro lado (Brasil) nada mais para ver, atraem a clientela”, diz em uma casa de um bairro periférico de Rivera a ex-trabalhadora sexual Rosa María Rial, de 52 anos, que à noite se fazia chamar “La Gitana” (a cigana).

Em Rivera vê-se também uma superposição de redes criminosas. Segundo Oscar Borba, na cidade fronteiriça há tráfico de mulheres e menores de idade com fins de exploração sexual, além de armas, cocaína, maconha e outras drogas.

“Acontece que tudo é na educação. Você não vai encontrá-la acorrentada e presa no sótão. Tudo é mais psicológico. Quando você se dá conta, a mantêm em uma rede da qual não consegue se libertar”, conta a senadora Tourné.

*Leia mais em AFP

Dr. Tema recebe nova ambulância para o Município de Tuntum/MA

A prefeitura de Tuntum/MA, através do prefeito Dr. Cleomar Tema, vem trabalhando para melhorar e modernizar o atendimento da saúde pública do município. A nova conquista é uma ambulância, que irá integrar a frota municipal.

A ambulância – que possui equipamentos necessários para a condução adequada no transporte de pacientes que precisam de suporte especial – já se encontra na cidade á disposição da saúde pública do município.

Para o prefeito Dr. Tema, a aquisição desta ambulância vai permitir que o município ofereça serviços na área de saúde com mais qualidade e eficiência.

Fonte: Blog do Lima Alves com edição de Daby Santos

Governo divulga data do pagamento do cartão transporte universitário 2018.2

A Secretária de Estado Extraordinária da Juventude (SEEJUV) e a Secretária de Estado de Diretos Humanos e Participação Popular (SEDIHPOP), informa a todos os beneficiários contemplados do programa Cartão Transporte Universitário 2018.2, Edital SEEJUV 04/2018 e 05/2018, que o pagamento do benefício está liberado a partir da próxima segunda-feira, dia 19 de novembro de 2018.

O recebimento do benefício será realizado nas agências do Banco Brasil, mediante a apresentação do RG, CPF e nº do benefício do contemplado. Por motivo de explosão e/ou ausência de agencia do banco em alguns municípios de beneficiários contemplados, o pagamento será realizado na agência mais próxima do município de origem, a relação de município / agência e a relação de todos os beneficiários e o nº do benefício cadastrados no sistema do banco segue em anexo.

O beneficiário tem até o dia 30 de novembro para informar via telefone da SEEJUV (3232-4475), o não recebimento do benefício.

Relação de Municípios de Beneficiários e Agências

Nota de esclarecimento da Prefeitura de Santa Quitéria – MA

Nota de esclarecimento Santa Quitéria – MA, 15 de novembro de 2018

Em observância os princípios que regem a administração pública em especial o da publicidade, moralidade e legalidade, a gestão hora de reconstruir por meio desse veículo, vem esclarecer aos funcionários públicos e munícipes de Santa Quitéria do Maranhão – MA,  que em decorrência de um bloqueio judicial no valor de R$ 250,143,45 (duzentos mil e cento quarenta e três reais e quarenta e cinco centavos) nas contas do FPM do Município, determinado pelo Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão Dr. Joaquim Figueiredo do Anjos, no intuito de pagar um precatório de (nº 17022/2016 – TJ) cujo o valor global é R$ 750.430,37 (setecentos e cinquenta mil e quatrocentos e trinta reais e trinta e sete centavos); Alguns setores da administração pública deixaram de receber seus proventos no dia 10 do corrente mês como habitualmente.

Porém, apesar de mais uma mazela deixada pela gestão do Sr. Osmar de Jesus da Costa Leal, a gestão hora de reconstruir vem adotando as medidas cabíveis no intuito de que os servidores públicos em gerais (contratados, comissionados e concursados) dos setores afetados recebam seus proventos o quanto antes.

Portanto, a gestão municipal hora de reconstruir visando a transparência e o respeito aos servidores e munícipes vem esclarecer o motivo de alguns setores da administração não terem recebido seus vencimentos habitualmente no dia 10 do corrente mês.

Atenciosamente,

Noberto Moreira Rocha

Prefeito Municipal

Socorro Prado intercede em favor de jogadores do PSC

Socorro Prado, que já vem fazendo um importante trabalho em Água Doce do Maranhão, com base de ação no povoado Frexeira também atua em outras cidades como Paranaíba/PI onde intercedeu em favor do Parnahyba Sport Club que agora também tem uma parceria com São Caetano, agremiação esportiva de renome nacional com sede em São Paulo.

Veja o vídeo abaixo importante depoimento do atleta Natan, que já esteve em São Paulo e fala de sua experiência no clube paulista.

Retornam a Cuba primeiros 196 médicos que estavam no Brasil

Jornal do Brasil

Um grupo de 196 médicos retornou nesta quinta-feira a Cuba após três anos de trabalho no Brasil, os primeiros após o anúncio de Havana de sair do programa Mais Médicos devido a críticas do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Segundo a Agência Cubana de Notícias (ACN), oficial, os médicos chegaram “felizes por terem cumprido sua missão”, mas também “preocupados com a sorte do povo brasileiro com o novo presidente eleito”.

Cuba anunciou ontem que iria abandonar o programa brasileiro – do qual participa desde a sua criação, em 2013, através da Organização Pan-Americana de Saúde (OPS) – devido a declarações de Bolsonaro, que anunciou mudanças a partir de 1º de janeiro.

Brasília – Recepção de novos profissionais brasileiros que atuarão no Programa Mais Médicos (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

“O Ministério da Saúde Pública de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do programa Mais Médicos e assim o comunicou à diretora da OPS e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa”, diz um comunicado oficial de Cuba.

Em diferentes momentos de sua campanha eleitoral, Bolsonaro anunciou que suspenderia este programa com a OPS e Cuba, e que seu governo contrataria individualmente os médicos que desejassem permanecer no Brasil.

Também questionou “o preparo dos nossos médicos” e condicionou “a sua permanência no programa à revalidação do título”, destaca o texto oficial cubano.

Cerca de 20 mil médicos cubanos trabalharam no Brasil durante cinco anos, e a decisão cubana afeta cerca de 8 mil que o fazem atualmente.

“A retirada do programa será apoiada por nossos médicos, pois nem os princípios nem a dignidade são negociáveis”, afirmou a vice-ministra da Saúde de Cuba, Regla Angulo, ao receber os profissionais no aeroporto.

Segundo fontes diplomáticas brasileiras, os médicos cubanos retornarão a seu país antes do Natal, embora calculem que cerca de 2 mil poderiam permanecer no Brasil devido a relacionamentos amorosos e familiares, que lhes permitiriam obter o visto de residência.

Governador Flávio Dino assina decreto que promove políticas públicas para povos indígenas

Com o objetivo de promover e proteger os direitos de comunidades indígenas no âmbito estadual, o governador Flávio Dino assinou nesta quinta-feira (14) decreto que institui o Plano Decenal Estadual de Políticas Públicas voltadas para os Povos Indígenas no Maranhão (PPPI). O documento será incluído ainda esta semana no Diário Oficial do Estado, e entra em vigor na data de publicação.

O texto garante a participação efetiva dos beneficiados na implementação do plano e assegura a gestão territorial e ambiental das terras e reservas indígenas por meio do uso sustentável dos recursos naturais disponíveis, impossibilitando a degradação das áreas.

O governador Flávio Dino explica que a medida foi tomada como uma forma de proteger as presentes e futuras gerações das comunidades. “Embora a maior responsabilidade legal seja do Governo Federal, temos procurado auxiliar para que os povos indígenas tenham acesso a direitos”, disse.

O decreto também visa reconhecer e fortalecer o Movimento Indígena no Maranhão, respeitando a diversidade dos povos, as organizações sociais e políticas, as culturas, costumes, crenças e saberes.

Francisco Gonçalves, secretário de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular (SEDIHPOP), esclarece que o plano foi formulado após o Governo do Estado ouvir lideranças indígenas de todos os territórios do Maranhão, permitindo a articulação da sociedade civil no planejamento de políticas públicas.

“Essa decisão mostra o compromisso do Governo do Maranhão com a proteção e com a promoção dos direitos fundamentais das populações tradicionais do nosso estado, dos povos indígenas do Maranhão”, defendeu Francisco Gonçalves.

A execução do plano será gerida pela Comissão Estadual de Articulação de Políticas Públicas para os Povos Indígenas no Estado do Maranhão (COEPI), que existe desde 2016 e é constituída por representantes de órgãos governamentais e entidades e lideranças indígenas.

Eixos de trabalho

O PPPI foi dividido em oito eixos transversais, de forma a garantir a ampla atuação das políticas públicas, que irão versar sobre: Educação; Saúde; Gestão Territorial e Ambiental; Segurança e Soberania Alimentar e Nutricional; Infraestrutura; Cultura, Turismo, Esporte e Lazer; Segurança Pública, Acesso à Justiça e Direitos Humanos; e Economia Solidária, Geração de Trabalho e Renda e Assistência Social.

A implantação do plano tem duração de dez anos e os gestores têm 180 dias, a contar da data de publicação do decreto, para apresentar orçamento, metodologia e cronograma de execução das ações. Ficou definido também que, a cada dois anos, as políticas serão avaliadas, permitindo a otimização e readequação das metas.

Jogos Escolares 2018: Maranhense é ouro nos 100 m costas

Responder às expectativas. É assim que Thayara Cardoso define a vitória obtida no primeiro dia de competições dos Jogos Escolares da Juventude (JEJ) 2018, com a medalha de ouro, pela categoria 100 m costas da natação infantil. Além de Thayara, a delegação maranhense mostrou garra e persistência nessa terça-feira (13) de competições na cidade de Natal (RN)

Segunda vez representando o Maranhão, a atleta da escola Upaon-Açu também disputará as categorias 100 m livre e 50 m costas. “É a segunda vez que estou no brasileiro e a experiência é incrível. Eu estou muito satisfeita, pois saiu como o planejado. Eu treinei muito para que tudo isso acontecesse”, ponderou Thayara.

Outras disputas

A delegação maranhense esteve ainda presente nas mais diversas modalidades presentes nessa primeira etapa de JEJ. Na manhã da terça-feira (13), as equipes de Açailândia e Timon buscaram vagas pelo vôlei de praia nas chaves 2 e 1, respectivamente. As disputas ocorreram no Aeroclube da cidade de Natal.

Em modalidades individuais, também foi possível encontrar persistência e força de vontade nos atletas que competiram pelo xadrex, tênis de mesa, ciclismo e ginástica rítmica, além da torcida do secretário de Esporte e Lazer, Hewerton Pereira, que esteve na capital soteropolitana acompanhando os jogos. Os JEJ 2018 ocorrem até o próximo dia 25 de novembro.

Por Marcele Costa

Fonte: Sedel

Vice-prefeito toma posse na última terça-feira

Durante a cerimônia, o preside da Câmara, Raimundo Nonato, presidiu a sessão que contou com a presença dos nove vereadores de Davinópolis.

Página 2 – José Rubem Firmo (PCdoB) tomou posse no cargo de prefeito de Davinópolis, a 663 km de São Luís, em solenidade ocorrido no fim da tarde de terça-feira (13) na Câmara Municipal da cidade. A posse de José Rubem ocorreu após a morte de Ivanildo Paiva (PRB), que foi executado a tiros no domingo (11) a cerca de 2 km da sede sua chácara, localizada na zona rural de Davinópolis.

Durante a cerimônia, o preside da Câmara, Raimundo Nonato, presidiu a sessão que contou com a presença dos nove vereadores de Davinópolis. Rubem Firmo afirmou que conduzirá o Município com ética e responsabilidade. “Nós estamos aqui pedindo a Deus que nos abençoe, nos dê força para que a gente possa conduzir da melhor forma possível”.

A data da posse foi uma sugestão da Procuradoria Geral do Município em virtude dos compromissos do serviço público. O procurador do Município, Elias Santos, ressaltou o papel do órgão durante a cerimônia. “A Câmara está cumprindo os seus papéis que é de dar posse, no caso de vacância do prefeito, ao seu sucessor legítimo que é o vice-prefeito hoje empossado, o prefeito Rubem”.

José Rubem Firmo tem 59 anos e ingressou na vida política no ano de 2012. O primeiro cargo político veio com a eleição para vice-prefeito de Davinópolis, onde ocupou o cargo desde o primeiro mandato de Ivanildo Paiva.

Jornal francês pergunta: Com saída de médicos cubanos, quem cuidará dos pobres no Brasil?

Rádio França Internacional

A imprensa francesa desta quinta-feira (15) repercute o fim do Mais Médicos no Brasil. Cuba rejeitou as modificações anunciadas no programa pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, e decidiu suspender a participação de seus profissionais no país.

“Partida dos médicos cubanos: quem vai cuidar dos pobres no Brasil?” é manchete do jornal Libération. Desde que o programa foi colocado em prática, há cinco anos, pelo governo de Dilma Rousseff, cerca de 20 mil médicos cubanos trataram 113 milhões de pacientes no Brasil, lembra Libé.

Libération também lembra que a chegada dos médicos cubanos, em 2013, gerou a revolta de sindicatos médicos brasileiros, que criticavam os recém-chegados por não falarem português e pela ausência da validação do diploma deles no Brasil.

“O pedido de cancelamento do programa foi rejeitado pelo Supremo Tribunal. Em setembro de 2016, Michel Temer, que substituiu a presidente deposta, prolongou o Mais Médicos por três anos”, publica o diário.

Oitavo nome do governo Bolsonaro

O site do jornal Le Monde também fala de Brasil, mas se concentra na composição do futuro governo. “Jair Bolsonaro indica um diplomata para as Relações Exteriores” é a manchete. “Ernesto Araújo é o oitavo nome do novo governo a ser revelado pelo presidente da extrema direita eleito”, publica o diário.

Diretor do departamento encarregado dos Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos no Itamaraty, esse diplomata foi descrito por Bolsonaro como “um brilhante intelectual”. “A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje”, explicou o pesselista em seu Twitter.

Ao lado do presidente eleito, durante uma coletiva de imprensa organizada em Brasília, Ernesto Araújo prometeu colocar em prática “uma política eficaz”, “em função do interesse nacional”, para tornar o Brasil “feliz e próspero”, destaca Le Monde.

O jornal lembra que o diplomata gerou uma forte polêmica em setembro, em plena campanha eleitoral, por ter classificado como “terrorista” o Partido dos Trabalhadores, do então adversário de Bolsonaro, Fernando Haddad. Le Monde explica que a confusão aconteceu quando Araújo respondia a críticas de opositores que chamaram o pesselista de “fascista”. Em seu blog, o diplomata escreveu que o PT tinha a intenção de instaurar um regime de terror no Brasil.

Servidores públicos participam de palestra sobre prevenção do câncer de próstata

Rodas de conversa e ações de saúde promovidas pelo Governo mobilizaram vários servidores, no início da semana.

Esclarecimentos acerca da prevenção do câncer de próstata e outras doenças que acometem o órgão genital masculino foram temas das rodas de conversas, no auditório da Casa Civil e na Secretaria de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid).Ministradas, respectivamente, pelo médico urologista e cirurgião geral, Antonio Sérgio Leite Minervino, e a enfermeira da Coordenação de Humanização do Hospital Aldenora Bello, Rosana Teixeira Cunha, as palestras integram a programação alusiva ao Novembro Azul, promovida pelo Governo, por meio da Secretaria de Estado da Gestão, Patrimônio e Assistência dos Servidores (Segep).

Membro da Sociedade Brasileira de Urologia, Antonio Minervino, que atua no Hospital do Servidor e na equipe de transplante renal do Hospital Universitário (HUUFMA), afirma que as palestras sobre saúde masculina são importantes para a quebra de tabu e conscientização dos homens quanto à prevenção e o tratamento de doenças. “Apesar do câncer de próstata ser o foco do Novembro Azul, aproveito para falar de outras doenças, como as DSTs, os cânceres de testículo e pênis, muito comum no Estado, infelizmente. A palestra é uma iniciativa relevante, porque ajuda na transmissão de conhecimentos aos servidores”, comentou o médico.

Ao final da explanação, o convidado Alexandre Aguiar Nicácio, funcionário aposentado da Vale, relatou sobre a descoberta do câncer de próstata em 2016, o tratamento e a cura da doença. “Hoje, estou muito bem. Mas, já me cuidava antes mesmo de descobrir a doença. É preciso ficar atento, pois, a omissão e o silêncio do homem permitem o desenvolvimento do câncer e pode levá-lo à morte”, enfatizou.

Para Benedito Militão Costa, servidor da Casa Civil, além de esclarecedora, a roda de conversa também ajuda a desinibir e incentiva o homem a se prevenir contra o câncer. “A palestra esclareceu e tirou dúvidas. Ela também estimula a realização do exame de próstata, que ainda é visto com preconceito pela maioria dos homens. Achei uma ação muito importante e espero que se repita”, afirmou.

Ação de saúde

Conforme programado, na terça-feira (13), a Segep realizou uma ação de saúde em parceria com a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social (Sedes), no hall do Edifício Clodomir Milet. Na ocasião, foram oferecidos aos servidores, serviços de aferição da pressão arterial, checagem do índice de massa corporal (IMC) e orientação nutricional, além de degustação de alimentos saudáveis.

“Esta é a terceira ação que participo. Gosto bastante e acho as orientações muito importantes. Aproveito a oportunidade para me informar mais e, com isso, evitar futuros problemas de saúde”, diz João Silva Pinto, servidor da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Sinfra).

A próxima ação referente ao Novembro Azul está programada para o dia 21, das 14 às 16h, na Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), onde serão oferecidas aferição de pressão arterial, orientação nutricional e exame de bioimpedância.

Fonte: Segep

Governo do Maranhão aprova R$ 35 milhões para combate a incêndios florestais

O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA), aprova recursos para prevenção e combate a incêndios florestais e queimadas não autorizadas. O Secretário Marcelo Coelho participou da 25ª Reunião do Comitê Orientador do Fundo Amazônia (COFA), dia 09/11 em Brasília.

No encontro, foram aprovados os critérios orientadores para apoio aos Estados da Amazônia Legal para a prevenção e combate de incêndios florestais e queimadas não autorizadas e para a elaboração, revisão, detalhamento e implementação do zoneamento ecológico-econômico (ZEE).

“Serão investidos cerca de R$ 35 milhões para combate a incêndios florestais. Recurso esse que traremos para o Estado, que serão utilizados em capacitação de servidores e de agricultores, desenvolvimento de sistemas de monitoramento do fogo, aquisição de equipamentos, construção de instalações, entre outras ações relativas ao monitoramento, combate e responsabilização por incêndios florestais”, explicou o secretário Marcelo Coelho.

Atuação

A SEMA vem atuando fortemente na área, durante todo o ano, com ações efetivas de prevenção e controle a queimadas, além de atividades de conscientização. A ampliação das fiscalizações nas unidades de conservação, bem como reuniões e capacitações com secretários e técnicos de Meio Ambiente dos municípios com maiores índices de queimadas e as ações de sensibilização e educação ambiental, além da capacitação de agricultores familiares em técnicas alternativas ao uso do fogo e o desenvolvimento do Plano Estadual de Combate a Incêndio são algumas das ações da SEMA, com o intuito de diminuir o número de focos de queimadas no Estado.

“Além das causas naturais de incêndios, como tempo seco, calor e ventos fortes, há também incêndios causados pela ação do homem, muitas vezes imprudente. Fogos de artifício, balões com gás hélio e instalações elétricas mal feitas são exemplos. Por isso, trabalhamos intensamente a questão da educação ambiental, conscientizando principalmente em relação ao uso da Queima Controlada e os riscos que as queimadas sem os devidos cuidados podem ocasionar ao meio ambiente”, destacou o gestor.

Sobre a queima controlada, a SEMA disponibiliza no site (www.sema.ma.gov.br, item serviços) um espaço para esclarecer dúvidas recorrentes acerca do processo de queima, bem como as obrigações legais e documentos necessários aos solicitantes do processo de queima controlada.

Lei

Queimada é crime. Lei Federal nº 9.605, de fevereiro de 1998, Art.54: causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou qualquer a mortandade de animais ou a descrição significativa da flora, pena – reclusão de 01 a 04 anos e multa. Denuncie na SEMA (98 3194 8911) e no Corpo de Bombeiros (193).

“É importante frisar que a SEMA não vai ser conivente com os crimes ambientais”, finalizou Coelho.

Por Paula Lima – Assessora de Comunicação da SEMA

Polícia divulga retrato falado dos suspeitos pelo assassinato do prefeito de Davinópolis

A Polícia Civil do Estado do Maranhão divulgou nesta terça-feira (13) o retrato falado dos dois supostos assassinos do prefeito do município de Davinópolis, Ivanildo Paiva (PRB), no último domingo (10).

O gestor foi executado a tiros em sua propriedade na zona rural. No primeiro retrato (a esquerda) um homem de pele morena, porte físico forte, marcas de espinhas no rosto, altura aproximada de 1,70 e idade próximo de 38 anos.

O segundo suspeito (a direita), um suspeito de pele clara, porte físico magro, manchas de espinhas no rosto, altura aproximada de 1,65 e idade entre 35 anos.

Fonte: Blog do Domingos Costa