Maranhão é o 2º Estado em que os presos mais trabalham, mostra Ministério da Justiça

Internos de Pedrinhas produzem máscaras. Foto: Divulgação

Em 2015, o Maranhão tinha 8,86% dos detentos trabalhando dentro dos presídios do Estado. Quatro anos depois, em 2019, essa fatia tinha subido para 35,46%, um dos maiores aumentos registrados em todo o Brasil. Os dados são do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), do Ministério da Justiça.

Outro dado: entre 2017 e 2019, o Maranhão foi o Estado que mais aumentou o número de detentos envolvidos em alguma atividade de trabalho, chegando a 4.378 – uma alta de 140%. Nenhum outro Estado teve aumento maior de índice no período.

Isso fez com que o Maranhão ficasse entre os Estados de destaque no ano de 2019, o período mais recente divulgado.

“No ano passado, os estados com maior percentual de presos exercendo atividade laboral foram: Mato Grosso do Sul com 37,34% da população carcerária trabalhando, Maranhão com 35,46% e Santa Catarina com 33,65%”, diz o Depen.

Internos iniciam confecção de 1 milhão de máscaras de proteção contra o Coronavírus. Foto: Divulgação

Ou seja, proporcionalmente, o Maranhão é o segundo Estado brasileiro em que os presos mais trabalham.

Além disso, o Maranhão foi um dos Estados que mais fizeram contratações entre 2018 e 2019 de detentos: 2.191.

A Lei de Execução Penal (LEP) prevê o trabalho para o preso, na medida de suas aptidões e capacidades.

Veja aqui o estudo do Ministério da Justiça: http://depen.gov.br/DEPEN/numero-de-presos-que-trabalham-aumentou-48-no-sistema-prisional-brasileiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *