TJ deve exonerar assessores suspeitos de extorquir empresário

Exoneração deve ser assinada nesta sexta-feira (20), diz assessoria.

Servidores foram presos suspeitos de concussão e subtrair documentos.

Delegado Augusto Barros com o dinheiro apreendido

Do G1 MA

O Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA), através de sua assessoria, informou ao G1 que os assessores do Poder que foram presos na tarde desta quinta-feira, suspeitos de concussão e subtração de documentos, devem ser exonerados. As medidas devem acontecer já nesta sexta-feira (20).

Em Brasília, o presidente do TJ-MA, desembargador Antônio Guerreiro Júnior, lamentou o ocorrido e disse que nesta sexta-feira estará reunido com seus assessores, quando assinará a exoneração de Marco Túlio. O presidente da Ascem atualmente é lotado como sub-chefe de gabinete do próprio Guerreiro Júnior.

Ainda por meio de sua assessoria, o presidente informou que a exoneração de Francisco Reginaldo cabe ao desembargador Raimundo Cutrim, já que o assessor está lotado seu gabinete.

Entenda o caso
O advogado e presidente da Associação dos Criadores do Maranhão (Ascem), Marco Túlio Cavalcante Dominici, ex-assessor do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA) e o também advogado Francisco Reginaldo Duarte Barros foram presos por agentes da Polícia Civil, por suspeitas de extorquir um empresário em São Luís.

Em gravações de vídeo tomadas como provas, eles teriam condicionado o pagamento de R$ 400 mil para que destruíssem um processo contra a vítima, cuja empresa recebeu decisões desfavoráveis no TJ-MA.

Após o flagrante, os dois foram encaminhados para que prestassem depoimentos na Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), onde ficarão presos até que paguem o valor da fiança que a Justiça determinar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.