Novo (não tanto) perfil político

(Foto> Reprodução da Internet)

Tenho mais idade, sou mais velho do que a maioria dos que me honram acompanhando meu blog. Muitos têm idade para serem meus netos, portanto – esses, em especial –, não conheceram como se fazia política em Araioses no século passado.

A coisa funcionava mais ou menos assim. Era muito comum nas comunidades existir um “cabo-eleitoral” que representava uma corrente política do município, que em regra não passava de duas alas.

Na minha infância e na minha adolescência uma era a ala dos Freitas, que passaram muito tempo no poder em Araioses e a outra que tinha como principais líderes Sebastião Furtado, Leônidas Quaresma, Padre Flávio e Tito Ferreira Gomes.

Quando chegava o período eleitoral, esse cabo-eleitoral de povoado – meu pai João Mariano o desse segundo grupo no Povoado Remanso – orientava a votação nos seus candidatos e eleitor votava com muito orgulho nos indicados, sem nada cobrar ou querer algo em troca.

Com o avançar dos tempos muita coisa – para pior, infelizmente mudou – e pessoas sem honra e liderança política passaram a aliciar os eleitores oferecendo vantagens em troca dos votos desses.

Com essa prática o próprio eleitor se achando esperto – o que não é de jeito nenhum – passou a ficar cada vez mais exigente na hora de “escolher” em quem votar.

A política ou politicagem se preferirem tem um novo perfil de líder, que é aquele que melhor sabe como comprar votos, principalmente para se eleger a um mandato para o Legislativo Araiosense.

Comprar e vender voto é crime segundo a Legislação Eleitoral, mas coibir essa nociva prática é algo como uma missão impossível e ninguém mais se espanta quando toma conhecimento de que fulano ou beltrano gastou um punhado de milhares de reais para se eleger.

Grana tão alta que o salário que o eleito irá receber pelo exercício do cargo durante os quatro anos a seguir, não será suficiente para cobrir o montante.

Aí não é difícil saber a quem esse edil irá representar, já que geralmente essa grana vem de um peso-pesado, muitas das vezes de outras cidades.

O caro leitor que chegou até aqui conhece alguém com esse perfil ou estou exagerando?

Lembrete: a eleição para deputado que já se aproxima, essa prática também é muito comum nesses pleitos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.