Bahia afunda e Bolsonaro nada

Por Fernando Brito, editor do TIJOLAÇO

As cenas que vêm da região Sul da Bahia são assustadoras e a meteorologia prevê mais chuvas intensas ainda esta semana na região de Itabuna e Ilhéus, agravando o cenário de devastação daquela região.

Enquanto isso, o presidente da República viaja tranquilamente para mais uma semana de férias, que ele já gozou fartamente neste final de ano com seus passeios, de agenda folgada, na Itália e nos países do Golfo Pérsico, onde teve apenas uma parca agenda oficial.

E, claro, a semana passada, com direito a dançar um funk abjeto numa lancha no Guarujá.

É obvio que não seria a presença física de Bolsonaro na região que provaria a mobilização do governo federal em auxílio aos milhares que estão em desespero por ali. Mas seria um sinal para que as coisas andassem e seus auxiliares se preocupassem em mostrar serviço, além de um ato de solidariedade às vítimas da chuva.

Só que Bolsonaro não é solidário a ninguém e trata, como mostrou durante a pandemia, que a sorte alheia não importa para ele.

Aproveitou o desembarque na praia de São Francisco do Sul (SC) para outra declaração de extrema empatia com as pessoas indefesas, dizendo que o Marcelo Queiroga baixará norma para restringir a vacinação de crianças de 5 a 11 anos, como a Anvisa aprovou, e foi logo avisando que sua filha Laura, de 11 anos, não será vacinada, mesmo sabendo que, entre sete milhões de crianças vacinadas no mundo não houve casos de reação adversa preocupantes, em número e em intensidade.

O ‘espírito natalino’ de humanidade, em Bolsonaro, limitou-se a um curto e seco pronunciamento, semiescondido atrás da mulher, para parecer desejoso da felicidade coletiva.

Não parece e não é.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.