Municípios maranhenses convivem com a ameaça da dengue

Em algumas cidades, situação é de alto risco de infestação.

Apesar do quadro, número de casos da doença é menor que em 2011.

Do G1 MA, com informações da TV Mirante

Uma pesquisa do Ministério da Saúde aponta municípios com alto risco para dengue. O levantamento mostra onde estão os criadouros do mosquito transmissor em vários estados brasileiros, entre eles, o Maranhão.

O levantamento é do Índice de Infestação Predial desse ano. Segundo ele, 77% dos municípios brasileiros estão em situação de risco para a dengue. No Maranhão, Mirador e Pastos Bons estão na relação. Segundo a Secretaria Adjunta de Vigilância e Saúde a maior preocupação é com a circulação da dengue tipo 4.

“Quando o sorotipo novo aparece ou reaparece depois de longos anos em qualquer lugar do mundo, ele acaba tendo uma virulência e uma letalidade maiores, porque muitas das populações não estavam ainda imunizadas, naturalmente porque ainda não havia uma infecção anterior”, explicou o secretário-adjunto da SES, Alberto Carneiro.

Em alerta, segundo o levantamento, estão São José de Ribamar, Paço do Lumiar, Miranda do Norte, Colinas, Caxias, Imperatriz, Açailândia, Rosário, São João dos Patos, Estreito, Tasso Fragoso, Grajaú, Barra do Corda, Bacabal, Pedreiras, Presidente Dutra, Santa Luzia e Itapecuru Mirim.

São Luís também aparece na relação. Mas o início do período chuvoso, geralmente em janeiro, preocupa as autoridades. “O que a gente espera é que quando comece a chover, nossa equipe volte a trabalhar intensamente orientando a população. É de fundamental importância não só a orientação, mas também colocar inseticidas naqueles locais onde há necessidade”, disse Vitorino Castro, da Vigilância Epidemiológica Municipal.

Em todo o Estado, em 2011, foram registrados 13.834 casos de dengue. Este ano caiu para 6.440. Segundo a secretaria adjunta, diminuiu também a quantidade de mortos. Em 2011, em todo o Maranhão morreram 21 pessoas de dengue. Já este ano, foram registradas até o momento 11 mortes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *