Mariola na merenda escolar

A prioridade do ônibus escolar é transportar alunos. Em Araioses não é bem assim.

Na Unidade Escolar Marcondes Caldas, em João Peres os alunos estão comendo uma mariola na merenda. Para quem desconhece o assunto, mariola é como é chamado tabletes de doce de goiaba de baixa qualidade, muito comum em pequenos quiosques dos municípios do interior fluminense.  Nos trens da Central do Brasil, no Rio de Janeiro é muito comum se ver vendedores ambulantes oferecendo o citado produto.

As mariolas oferecidas como merenda escolar aos alunos do MC em João Peres são muito pequenas, medido apenas 5 cm x 3 cm x 0,5 cm, nem um milímetro a mais.

Mariola ma merenda escolar

Um fato que pode ter contribuído muito para a pobreza dessa merenda pode ter sido pelo fato de que a prefeita Luciana Trinta teria doado 500 sanduíches aos padres de Araioses, que levaram uma grande caravana de jovens para um encontro – Dia Mundial da Juventude – que foi realizado na cidade de São Bernardo/MA.

Quando não é mariola os alunos tomam uma água açucarada com gosto de goiaba e biscoitos. E pensar que uma das preocupações do Governo Federal é que a merenda escolar seja de verdade um reforço alimentar.

Para muitas crianças carentes do Nordeste brasileiro e merenda escolar é na verdade a principal alimentação. Os recursos que o GF manda são mais do que suficiente para proporcionar aos alunos araiosenses uma merenda escolar de qualidade.

Não foi só a merenda escolar que ficou prejudicada pelo que se sabe. Nestas, terça-feira e quarta-feira, dias 3 e 4, muitos alunos da referida escola e do Valentino Braga não assistiram aulas porque ficaram sem o transporte escolar. Motivo: a prefeita arranjou os ônibus escolares para levar os jovens para o encontro de São Bernardo.

Se uma significativa parte dos alunos dos alunos do Marcondes Caldas e de outras escolas do município deixaram de ir a aula nesse dias porque a prefeita fez “caridade” com o que não dela, colocando os ônibus do transporte escolar a disposição dos padres, pior é a situação dos estudantes da comunidade Algodões, distante cerca de 10 km da escola de João Peres. Uma mãe que pediu que não a identificasse disse ao blog que está com medo de perder o auxilio do Bolsa Família. Segunda suas palavras seus filhos ainda não foram um dia sequer as aulas neste ano porque a estrada está intrafegável.

Se isso não está ocorrendo nas escolas araiosenses é porque tem algo errado. Tão bom seria se tivéssemos um MP e um poder legislativo atuante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.