IMPOSTO SINDICAL É ALVO DE DISPUTA MILIONÁRIA TRAVADA POR CENTRAIS

Cinco centrais sindicais se uniram para contra-atacar campanha da CUT que propõe o fim do imposto sindical.

Juntas, UGT, Nova Central, CGTB, CTB e Força Sindical pretendem gastar cerca de R$ 1,2 milhão em comerciais, folhetos e anúncios em jornais e revistas para defender a cobrança. O mote é “Sindicato Forte Garante Vitórias”.

A CUT lançou, na semana passada, campanha de R$ 1,5 milhão contra o imposto.

A contribuição é recolhida no mês de março de todos os trabalhadores com carteira assinada e equivale a um dia de trabalho.

Segundo o Ministério do Trabalho, o imposto recolheu R$ 1,6 bilhão no ano passado -R$ 115,8 milhões foram repassados às centrais sindicais.

As cinco centrais argumentam que a contribuição sustenta sindicatos menores e os que têm poucos trabalhadores sindicalizados (que pagam mensalidade).

A CUT defende que o imposto seja alterado para uma contribuição votada em assembleia pelos trabalhadores, junto com a negociação salarial.

A divergência ampliou o racha entre as centrais.

“Com essa proposta, a CUT rompe a unidade de ação das centrais, que sempre trabalharam juntas questões fundamentais”, afirmou João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical.

(Folha de São Paulo)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.