Itamagu – Quem vai até o fim?

Não tem tanto tempo passado onde o quadro político de Araioses apontava que nas eleições deste ano teríamos um número de candidatos a prefeito como nunca houvera antes. Com a proximidade das convenções partidárias que ocorrerão entre 10 a 30 junho, quando enfim saberemos quem estará mesmo na disputa, já podemos ter uma ideia de que muitos dos que se colocavam como pré-candidatos terão desistido e não mais de três ou no máximo quatro candidatos vão para o julgamento popular das eleições de 7 de outubro.

Partes dos postulantes mudaram o tom da conversa. Uns já admitem que a união para derrotar o grupo da prefeita é mais importante do que a preferência pessoal e que o mais importante no momento é o diálogo. Tem uns que ainda insistem em candidatura própria, mas não são levados tão a sério. A postura desses dar a entender que estão ainda falando de candidatura própria para barganhar. Mais na frente estarão num palanque com mais estrutura financeira e densidade eleitoral.

Até a data inicial das convenções muita água vai passar por baixo da ponte, mas se fizermos hoje um raio X da política araiosense com certeza vamos constatar: o grupo liderado por Manin, prefeito de Santa Quitéria que tem a filha Valéria Leal como candidata e o grupo da prefeita Luciana Trinta – que se conseguir driblar a justiça eleitoral – será ela mesma a candidata são os que vão disputar de verdade o comando da prefeitura araiosense.

Pedro Henrique, eterno candidato, não tem grupo.  Neto Carvalho, prefeito de Magalhães de Almeida é quem mantinha uma meia dúzia de gatos pingados falando no nome dele. Com a Lei da Ficha Limpa sabem que sua luta maior vai ser para registrar sua candidatura. Com quatro contas rejeitadas pelo TCE e com mais umas broncas na justiça federal essa tarefa seria o que se pode chamar de missão impossível. Com essa situação está praticamente sozinho, pois lideranças que eram tidas como apoiadoras de sua aventura já sinalizam em outra direção. Pedro já era é o que dizem muitos.

Outro que teve certo momento de gloria foi Haroldo, filho do ex-prefeito Zé Tude. Tentou se apresentar como alternativa da oposição para derrotar a prefeita, mas não conseguiu emplacar sua candidatura nem mesmo entre os membros de sua família. Voltou para Brasília DF, onde mora e os comentários dizem que não será mais candidato.

César Machado e Expedito Coutinho pelo que se sabe ainda não desistiram. Se prevalecer o bom senso, ou melhor, o pragmatismo nu e cru desistirão do projeto pessoal para se unirem ao grupo de Manin Leal ou ao grupo da prefeita.

Está bem perto de tudo ser revelado. Está bem perto de se saber quem vai até fim para a grande disputa.

 

PT fará mais um encontro sobre as eleições de outubro

O PT – Partido dos Trabalhadores fará mais um encontro entre seus filiados para saber que rumo tomará nas eleições desse ano. A reunião será no diretório do partido dia 7 de abril a partir das nove da manhã. Já houve duas reuniões que mostraram que tudo pode acontecer ou nada acontecer nesta próxima.

É que na primeira, dia 28 de janeiro, o partido decidiu que estava aberto a conversações com outras agremiações com o propósito de abrir mão da cabeça de chapa e apresentar o vice. Uma equipe de cinco petistas foi eleita para tal fim.

Na segunda, dia 25 de fevereiro, o discurso mudou. Os mesmos que defenderam os princípios do primeiro encontro já admitiam que o PT mais uma vez deveria ter candidato próprio que seria o sindicalista Chico do PT, que já disputou o cargo em 2004 e 2008. A justificativa para tal mudança se deve ao fato de não ter havido, até aquela data, interesse claro de outra agremiação política em conversar com o partido.

Ficou mantido que Chico pode ser o candidato a prefeito do partido, mas continuavam abertas as postas para um possível entendimento. Pelo que comentam as conversas já estão acontecendo. Dia 7 de abril a decisão que o PT tomará estará mais madura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.