Identificados assaltantes mortos, feridos e presos em Santa Luzia do Paruá

Polícia tenta localizar o restante da quadrilha que assaltou a agência do Banco Brasil em Bacabal

Em entrevista coletiva, na manhã desta terça-feira (04), o secretário de Segurança Pública do Maranhão, Jefferson Portela, revelou a identificação dos assaltantes de bancos presos no início da madrugada desta terça-feira (04), em Santa Luzia do Paruá.

Durante a operação exitosa, três  bandidos morreram em confronto com policiais, quatro ficaram feridos e seis foram conduzidos à Delegacia de Zé Doca, onde foram autuados em flagrante. Eles serão transferidos, ainda hoje, para São Luís.

Segundo o secretário, alguns deles estão usando documentos de identificação falsos. Os três mortos durante o confronto foram identificados como Arthur Silva Santos, natural de Paraisópolis (SP); Vadenilson Moreira, de Diadema (SP) e Renan Santos dos Prazeres.

Foram presos:

Geusimar Venâncio de Oliveira, mais conhecido como “Sardinha”, de SP; Alexandre Gomes de Moura, também de SP; Wagner de Almeida, de SP; Robson César Ferreira, de SP; George Ferreira Santos, conhecido como “Capenga”, natural de Salvador (BA); Ricardo Santos de Souza, o “Ricardinho”, identificado como o mais violento do bando, natural da Bahia, que usa o nome falso de Pablo da Silva Gomes; José Eduardo Zacarias Barboni,  também de SP; Derli Luiz Gilioli, do Paraná; Valdeir Carvalho dos Santos, mais conhecido como “Velho” ou “Coroa”, também de SP e Fabio Batista de Oliveira, conhecido como “Pardal”.

Com a quadrilha, foram apreendidos 10 fuzis 556, um fuzil AK 47, 2 metralhadoras .50, 449 munições de fuzil 556, uma pistola e 17 coletes balísticos.

Até o momento da coletiva, funcionários do Banco do Brasil já havia contado R$ 39 milhões encontrados em sacos dentro no caminhão baú, onde estavam os bandidos.

Segundo o secretário, a polícia vai continuar as operações para tentar localizar o restante da quadrilha que explodiu o Banco do Brasil em Bacabal. As informações passadas pelos assaltantes presos podem levar a polícia ao esconderijo do bando, talvez em alguma fazenda da região.

De acordo com Jefferson Portela, a quadrilha conta com a participação de bandidos ligados ao PCC, com base em Campinas (SP), Paraná e Bahia. Ainda segundo o secretário, essa quadrilha é a maior em atuação no Nordeste, com 72 integrantes, que visam exclusivamente assaltos a bancos.

Do blog Gilberto Lima e edição de Daby Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *