VÍDEO: Prefeito delata pedidos de propinas de pastores ligados ao MEC de Bolsonaro

Falando Verdades – Um prefeito relatou como eram os pedidos de propina dos pastores que intermediavam pedido de recursos de prefeitos para o Ministério da Educação do governo Bolsonaro. Alguns pastores chegavam a pedir 1 kg de ouro.

Prefeito relata como era o esquema de pedidos de propinas de pastores, para conseguir verbas do MEC (Ministério da Educação).

Em depoimento a senadores da Comissão de Educação, o prefeito Kelton Pinheiro, de Bonfinópolis (GO), confirmou o esquema de propina dos pastores.

Durante audiência no Senado, Kelton afirmou que antes de uma reunião em Brasília no dia 11 de março, quando recebeu pedido de propina, teve um encontro em Goiânia com os pastores.

Arilton Moura, pastor pivô dos escândalos, que é próximo de Bolsonaro e do ex-ministro da Educação, esteve nessa reunião e prometeu ao prefeito que atenderia suas demandas e necessidades, contudo cobrou contrapartidas ao prefeito.

— (Perguntei) qual o motivo de o senhor estar me chamando e oferecendo essa ajuda? Ele disse “não tem nenhum motivo específico. O pastor Gilmar está indicando você e você vai dar contribuição para igreja. Compra umas bíblias que ele está vendendo para construir a sede da igreja. Ajudando a igreja está bom demais.” Até esse momento achei normal um pastor pedindo para ajudar na construção de igreja. Perguntei: “Quantas bíblias seriam?” E ele disse: “compra aí umas mil bíblias”. Eu disse: “qual valor delas?”. Aí ele disse: “é R$50” —  relatou Pinheiro, dizendo que negou a oferta:

— Então eu disse: “não consigo dar uma oferta nesse valor, primeiro porque eu sou professor e estou prefeito. Mas uma oferta pessoal posso fazer, porque a prefeitura não pode adquirir bíblias para serem distribuídas, como vocês me sugeriram que eu distribuísse em igrejas evangélicas.

Veja um trecho do depoimento:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.