Chuvas fortes causam enchentes em Mirador, no Sul do Maranhão

Rua principal do centro comercial da cidade ficou alagada e até o prédio da Câmara Municipal de Mirador não foi poupado pelas fortes chuvas

Fortes Chuvas destruíram casa na cidade de Mirador —                                               Foto: Divulgação/Redes Sociais

Por g1 MA — São Luís

As últimas chuvas ocorridas na cidade de Mirador, a 485 km de São Luís, deixaram a cidade completamente inundada nesta terça-feira (4). O Rio Itapecuru, que corta o município, transbordou causando enchentes na localidade e também nos povoados que fazem parte de Mirador.

A rua principal do centro comercial da cidade ficou alagada e até o prédio da Câmara Municipal de Mirador não foi poupado pelas fortes chuvas. As salas, plenário e outros departamentos do órgão ficaram debaixo de água. Segundo os moradores, as chuvas vem ocorrendo desde o último dia 31 de dezembro de 2021.

Muitos moradores e comerciantes tiveram prejuízos e foram obrigados a retirar os seus pertences de última hora para evitar mais perdas. Como foi o caso do proprietário da fábrica de polpas de frutas, Odebes Sá, que diz que essa foi a maior cheia da história do nosso município. “Durante essas chuvas o nível da água aumentou mais de um metro e meio”.

O Corpo de Bombeiros de Balsas enviou uma equipe para a cidade de Mirador para auxiliar as famílias na remoção de seus bens. A Prefeitura está montando uma estrutura caso haja a necessidade de abrigar famílias que perderam as suas casas.

Por enquanto as pessoas que tiveram que sair de casa estão sendo levadas para casa de parentes. A Secretaria de Saúde está preocupada porque há um risco de um surto de doenças por causa das áreas alagadas do município.

Interdição de Rodovia

BR-010 foi parcialmente cortada pelas chuvas em Governador Edison Lobão — Foto: Divulgação/PRF

Mas não são apenas casas, comércios e até a Câmara Municipal de Mirador que vem sendo atingida com o aumento das chuvas nos últimos dias. Uma grande erosão cortou também, parcialmente, a BR-010, no km 228, na cidade de Governador Edison Lobão, entre os municípios de Porto Franco e Imperatriz, na região Tocantina do Maranhão.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a erosão surgiu durante a manhã dessa segunda-feira (3), por causa das fortes chuvas que atingem a região.

Desabrigados em Imperatriz

Em Imperatriz, a situação segue preocupante por causa da cheia do Rio Tocantins. Segundo a Superintendência da Defesa Civil de Imperatriz, até a manhã desta terça-feira (4), foi registrado que 229 famílias estão desabrigadas na cidade.

De acordo com o órgão, essas famílias representam um total de 823 pessoas que foram afetadas pelas cheias do Rio Tocantins e dos riachos que transbordaram em vários bairros da cidade.

Até agora, 229 famílias tiveram que deixar suas casas, com mais 25 famílias que foram alocadas durante a noite dessa segunda (3) para os abrigos improvisados pela prefeitura. As famílias desabrigadas estão distribuídas em escolas, igrejas e quadras de esporte.

De acordo com o 3° BBM, a forte chuva que caiu na madrugada desta terça causou diversos transtornos em Imperatriz e região. Duas árvores caíram na BR-010 próximo a Ribamar Fiquene obstruindo a via. Uma equipe se deslocou até o local e fez o corte total das árvores liberando o fluxo.

O dia na cidade amanheceu nublado e Imperatriz segue em alerta vermelho para chuvas nesta terça-feira (4).

Nessa segunda (3), o número de famílias desabrigadas e desalojadas era de 130. Segundo com o 3° BBM, no domingo (2), o nível do Rio Tocantins na régua do Cais do Porto, localizada na Beira Rio em Imperatriz, está em 9,2 metros.

Sobe para 130 o número de famílias desabrigadas devido a cheia do Rio Tocantins em Imperatriz, no MA — Foto: Divulgação/3º BBM

Os moradores da região estão sendo retirados de suas casas. Uma equipe do 3° BBM realiza o resgate de algumas pessoas que precisam ser transportadas com auxílio de uma embarcação. Pois, com o alagamento das ruas, a população está usando barcos e canoas para se locomover nos espaços.

O nível do Rio Tocantins está mais de nove metros acima do normal. Mesmo com a situação, algumas pessoas ainda insistem e permanecem em suas casas.

De acordo com Eduardo Soares, secretário municipal de governo, a prefeitura de Imperatriz tem prestado todo apoio às famílias desabrigadas e desalojadas, e mantém um cadastro com as informações de todas elas atualizado. “As famílias que saem, a prefeitura faz o recolhimento dos seus pertences, dos seus móveis e utensílios, leva para o abrigo e o serviço social dá todo o amparo”, diz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.