Em reunião com ministro do Meio Ambiente, Flávio Dino alinha participação dos governadores da Amazônia Legal na CoP26

Flávio Dino destacou o papel da Amazônia Brasileira para a garantia da segurança climática no planeta (Foto: Brunno Carvalho)

Em reunião virtual realizada nesta quinta-feira (21). o governador Flávio Dino, demais governadores dos estados que integram a Amazônia Legal e o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, alinharam pontos sobre a participação dos gestores na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, a CoP26, que será realizada entre os dias 31 de outubro e 12 de novembro de 2021, na cidade escocesa de Glasgow, no Reino Unido.

“Finalizamos agora uma reunião dos governadores com o ministro do Meio Ambiente, em que avançamos quanto à preparação da participação brasileira na CoP26, no Reino Unido, agora no mês de novembro. A Amazônia irá realizar eventos, debates e estará diretamente representada pelos governadores e pelos secretários estaduais de Meio Ambiente”, disse Flávio Dino.

Presidente do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal, Flávio Dino destacou, durante o encontro, o papel central da região amazônica para garantia da segurança climática no planeta.

“Nós desejamos, mediante esse conjunto de reuniões, fóruns e convenções, que haja o reconhecimento dos serviços ambientais e ecossistêmicos prestados pela Amazônia. Este evento no Reino Unido será de grande importância. O Governo do Maranhão, o Consórcio da Amazônia Legal e os demais governos estaduais estão trabalhando para que tenhamos bons resultados”, frisou Dino.

Uma das iniciativas para reduzir os impactos ambientais na região e estimular o desenvolvimento da região amazônica brasileira – onde hoje habitam cerca de 30 milhões de pessoas – é o Plano de Recuperação Verde (PRV). Lançado em julho deste ano pelo Consórcio da Amazônia Legal, o PRV propõe estratégias de transição para uma economia verde, que seja compatível com o combate às desigualdades, com a geração de emprego e renda e com o crescimento econômico sustentável da região Amazônica.

“Sabemos que os 30 milhões de brasileiros e brasileiras que moram na Amazônia Legal necessitam da elevação dos seus direitos, de políticas e serviços públicos”, ressaltou o governador maranhense.

Apoio internacional

Para dar cabo ao projeto socioeconômico e ambiental, Dino propôs que o Governo Federal dê anuência para que governos estaduais possam dispor de recursos originários de iniciativas internacionais que combatem o desmatamento, como é o caso da LEAF Colition, ou Coalizão LEAF (Lowering Emissions by Accelerating Forest Finance).

Lançada pelos governos dos Estados Unidos, Reino Unido e Noruega, a Coalizão LEAF pretende mobilizar ao menos US$ 1 bilhão em recursos públicos e privados, para o pagamento de países ou governos locais, por resultados em termos de redução de desmatamento.

“Formulamos um pedido, inclusive, de que haja a formalização da anuência Federal à participação dos estados na Coalizão LEAF, para que nos próximos anos, os estados, os municípios, sobretudo a população, posam dispor de recursos para que haja a compatibilização entre economia verde e bem-estar social da população, a chamada sociobiodiversidade, que é essencial para o Brasil e para o mundo. Nós queremos valorizar a Amazônia, preservar a floresta em pé e, para isso, nós precisamos que haja justiça no mundo”, concluiu Flávio Dino.

O Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal é formado pelos nove estados amazônicos brasileiros: Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Maranhão, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.