A estrada não foi feita e para onde foi o dinheiro?

Em 2016, o atual prefeito de Araioses Cristino Gonçalves, em uma reunião no povoado Algodões, prometeu fazer a estrada vicinal que inicia em João Peres e vai até o povoado Farias passando pelos Algodões

Na pré-campanha de 2016, em uma noite o pequeno grupo do atual prefeito de Araioses se reuniu numa casa no povoado Algodões, na zona rural distante 12 km localizado entre o povoado Jatobá e o povoado Farias.

Foi muito difícil chegar a aquela comunidade devido o difícil acesso por uma via que a partir de João Peres o perigo de cair em um dos inúmeros buracos é grande, principalmente quando se faz esse trajeto à noite.

O povoado Algodões está situado próximo a uma parte do Rio Santa Rosa, é uma região com grande potencial para o desenvolvimento da agricultura familiar e com grande extensão de carnaubais. É uma região rica onde tudo que se planta dá.

Os inúmeros buracos só ficaram mais velhos e outros surgiram por falta de manutenção da estrada 

Porém o problema é chegar lá em qualquer época do ano devido a falta de uma estrada vicinal que ligue o povoado a outros vizinhos. No verão ainda se passa por lá, porém no inverno Algodões fica isolado, pois nenhum transporte que não seja por meio de um animal tem acesso à comunidade devido o solo que molhado atola com muita facilidade.

Se alguém adoece e precisa ser socorrido – o tempo volta ao passado distante – onde esse tipo de ação se dava carregando o doente em uma rede armada em uma vara por dois homens e é o que ainda acontece nos dia de hoje, pois só dessa forma se consegue resgatar um enfermo nessa condição.

A estrada inicia na ponte sobre o Rio Magu em João Peres  

Ciente desses fatos o pré-candidato Cristino Gonçalves assumiu o compromisso de fazer a estrada vicinal que por sinal foi iniciado na última gestão do prefeito Zé Tude (2005/2008) até a casa do falecido Zé Sameu no povoado Jatobá, obra parada após uma denuncia feita ao IBAMA pelo necessário corte de 50 carnaúbas.

Essa denúncia não só paralisou os serviços da estrada como também rendeu uma multa de R$ 50.000,00 para a prefeitura de Araioses pagar.

O prefeito está na contagem regressiva de concluir o pior mandato que um gestor araiosense já exerceu e nada foi feito do que fora prometido a aquele povo que o recebeu e ouviu Cristino Gonçalves muito bem.

A única mudança que ocorreu no que seria estrada vicinal é que os buracos do trecho com piçarra ficaram mais velhos e outros sugiram ao longo de três gestões após a de Zé Tude.

Hoje (28) passando por lá, alguns amigos que moram no povoado me perguntaram se era verdade que eu estava apoiando a candidatura de Monhata Lima a prefeitura de Araioses no que respondi que sim.

Também me disseram que os moradores falam muito nele e que estão esperançosos de que desta vez o isolamento deles tenha um fim.

Em tempo: Antes da campanha eleitoral de 2014 Manin Leal pai da prefeita Valéria me pediu que eu acompanhasse um engenheiro para que esse fizesse a medição de toda a extensão da estrada para que essa fosse feita, pois já tinha até ordem de serviço para esse fim.

O serviço de medição foi feita e nessa tarefa além de mim e do engenheiro estavam também o vereador Raimundinho do Remanso e um sindicalista.

Como é de conhecimento púbico a estrada não foi feita e para onde foi o dinheiro?

A parte de piçarra termina na casa do falecido Zé Sameu, no povoado Jatobá

Ponte improvisada, um perigo passar por ela

2 pensou em “A estrada não foi feita e para onde foi o dinheiro?

  1. LENDO SUA REPORTAGEM , LEMBREI DA ÉPOCA DA CONSTRUÇÃO DA ESTRADA JOÃO PEREZ À LOCALIDAE FARIAS, QUE NA REALIDADE, O PROJETO ERA ATÉ A MARGEM DO RIO PARNAIBA MUITO DEPOIS DO FARIAS. INFELIZMENTE NA ÉPOCA A INPRENSA DE ARAIOSES NÃO DEFENDEU TÃO IMPORTANTE OBRA,POIS NÃO ERA DE INTERESSE POLITICO DE CERTO GRUPO DO QUAL VOCÊ PERTENCIA. ACREDITO ATÉ QUE TAL DENÚNCIA PARTIU DO TAL GRUPO ,POIS SABIAM QUE SE ZÉ TUDE FIZESSE A ESTRADA SERIA IMBATÍVEL EM SUA REELEIÇÃO .

    • Nunca fui contra qualquer coisa que fosse do benefício de Araioses, o nobre leitor está me confundido, pois não fazia parte do grupo político que você se refere até porque a ele eu era oposição.
      Quanto à mídia o que posso dizer é que para vocês só a turma de Parnaíba interessava e a obra, que infelizmente após a denuncia – de gente do grupo de Luciana Trinta – foi paralisada, fato muito ruim para as pessoas que dependiam da estrada.
      Talvez o tom de irritação de seu comentário tenha a ver com a pergunta: A estrada não foi feita e para onde foi o dinheiro? Mas eu me referi ao dinheiro que Manin Leal disse ter conseguido de Max Barros para realizar a obra, que nunca nada foi feito.
      Nada ver coma administração que vosso saudoso pai sem saúde não pode concluir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *