Ignorância ou fanatismo?

“Geralmente aqueles que sabem pouco falam muito e aqueles que sabem muito falam pouco.”

JEAN-JACQUES ROUSSEAU

“O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete.”

ARISTÓTELES

“A sabedoria e a ignorância se transmitem como doenças; daí a necessidade de se saber escolher as companhias.”

WILLIAM SHAKESPEARE

Saída de Cuba do Mais Médicos afetou 28 milhões de brasileiros – Reprodução

A ignorância dos fatos históricos deveria ser uma espécie de limite para os que a possuem se resguardarem e não omitirem opiniões distantes da verdade.

Sobre o post – Mais de 15 países querem remédio cubano que ajudou China a conter COVID-19 – publicado aqui no blog um leitor comentou no Facebook, onde compartilhei a matéria, de era mentira e que Cuba só fabricava imbecíes.

Como o leitor do blog em questão se diz ser um político de direita, não sei de certo se ele é de fato ignorante – aquele que desconhece a existência de algo; que não está a par de alguma coisa – ou se suas colocações são fruto da maldade ou do fanatismo.

Que ele discorde do regime comunista implantado por Fidel Castro é um direito, porém não ter a capacidade de admitir que naquela ilha muita coisa positiva, principalmente no campo da saúde, dos esportes e da educação é um fato inquestionável até por quem se opõe ao sistema político ali vigente não é postura de quem presa pela verdade.

Sem querer alongar o texto devo dizer para quem não conhece, que em Cuba uma criança logo que inicia seus estudos ela é observada no que diz respeito as suas aptidões ou seja, naquela área de ensino com a qual se identifica. A partir dali todos os seus estudos serão direcionados naquela linha de conhecimento vocacional.

É por isso que os médicos de lá são muitos bons, porque eles não escolheram aquela área porque era a que melhor poderia contribuir para ficarem ricos e sim porque era naquela profissão que melhor expressava seus ideais vocacionais. E isso vala para todas as profissões.

Diferente do que ocorre aqui, quando a escolha para a formação profissional nem sempre tem a ver com a vocação e sim com um título de preferência de “doutor” que lhe permita status na sociedade e melhor forma de enriquecimento.

Como democrata que sou não concordo com o regime de ditadura existente em Cuba. Mas também sei que quem tem que mudar isso lá são os cubanos e não nós que não sabemos nem lidar com o que ocorre aqui.

Para quem não sabe, antes do regime implantado por Fidel Castro em 1959, Cuba não passava de um prostíbulo dos Estados Unidos.

Havana, sua capital era infestada de bordéis que tinham como propósito satisfazer os desejos e dar prazer para americanos endinheirados.

Mais de 90% da população era analfabeta e a mortalidade infantil semelhante à de países africanos de extrema pobreza.

O leitor do blog que tanto desprezo e ódio manifesta a Cuba, provavelmente nunca precisou dos cuidados de um médico cubano, mas não custa nada pesquisar e falar com que já foi consultado por eles.

Se o fizer vai constatar que eles são muito bons.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *