Flávio Dino em artigo: “Não nos cabe lavar as mãos, como fez Pôncio Pilatos; temos de bradar contra as injustiças”

Fé em Deus, Fé na Vida

Por Flávio Dino

Celebramos neste domingo a Páscoa, tempo de comemorar a vitória da Vida sobre a morte, representada na ressurreição de Jesus, após o Calvário da Sexta-feira Santa. Jesus Cristo nos mostra que nem a morte é capaz de suplantar a Vida, pois ela segue eterna em outro plano e compartida entre todos. É tempo de transformação, representada por Cristo vivo, que renasce nas palavras e atos de cada um que busca seguir Seu exemplo.

A Páscoa é tempo de ressuscitar ideais de fraternidade, assim como a Quaresma que se encerra hoje, período que os cristãos guardam para fazer reflexão especial sobre como vivenciar melhor os princípios da nossa fé. Infelizmente, no Brasil, vivemos dias de escassa reflexão e de muito exercício de intolerância.

O suposto “clamor das ruas” é visto como elemento por si só definidor para decisões que colocam em risco nossas instituições democráticas. Ao longo dos últimos anos, não faltaram evidências de que passar por cima de regras constitucionais coloca em risco a economia e os direitos de todos.

Novamente, a própria Páscoa nos deixou exemplos. Bem adequado lembrar o ensinamento bíblico: foi o clamor de uma maioria momentânea que pressionou pela absolvição de Barrabás e condenação de Cristo à cruz (Mateus, 27: 20).

Não nos cabe lavar as mãos, como fez Pôncio Pilatos. Seguindo o exemplo que Jesus nos deixou, ao enfrentar os mercadores que profanavam o templo (Jo, 2: 13), temos de bradar contra as injustiças. Elas não faltam, no Brasil de hoje, cada vez mais castigado pelo desemprego dos trabalhadores e pelo desalento dos empresários. E todos que seguimos os ensinamentos de Cristo, qual caminho devemos seguir nesse deserto que o país vive? Qual é o mundo que Deus espera que trabalhemos para construir? Basta atentar-nos ao Evangelho para saber como viveram os Apóstolos após a ressurreição de Cristo: era um mundo de partilha e comunhão, portanto de justiça plena.

Dois mil anos depois, este segue sendo o desafio de todos nós que comungamos da Paixão de Cristo: lutar para colocar em prática Seus ensinamentos, única forma de vivenciá-los. Que os ensinamentos pascoais nos encham de inspiração para encarar nossos desafios, que são gigantescos no Brasil e também em nosso Maranhão. A Verdade e a Luz, que emanam do exemplo de Cristo, vencem todo o mal, o ódio, as mentiras.

Feliz Páscoa a todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *