Informe DS – “Não me chamem de Trinta, eu sou Marão”

Estão dizendo que a ex-prefeita Luciana Trinta não quer que a chamem mais com sobrenome Trinta. Que ela teria dito: “Não me chamem de Trinta, eu sou Marão”.

A ex-prefeita não está errada, pois seu nome completo é Luciana Marão Felix. O Trinta vem do marido que no momento já perdeu seu prazo de validade. Usar o sobrenome do marido era bom quando esse ainda era uma liderança política forte no estado.

Agora com o homem fora do poder por vários mandatos e com reputação nada invejável, Luciana quer distância dele, pois isso pode lhe atrapalhar politicamente num breve futuro.

São coisas da política, pois não vai muito longe quando Luciana Trinta era uma pessoa totalmente desconhecida em Araioses e em São Luís, fora seus amigos mais chegados, ninguém sabia de sua existência.

Se ela chegou onde está tem sim seus méritos, mas a força maior, tanto política como financeira veio de Remi Trinta. Renegar o sobrenome dele agora pode ser no mínimo, uma grande ingratidão.

 

Comentário sobre o convite

O comentário abaixo está na postagem do convite do IFMA que publiquei aqui no blog:

Comentário Por muito tempo estava esperando por este convite, até confesso que acreditei que o mesmo nunca aconteceria. Por ser araiosense, e por conhecer a qualidade da Educação ofertada pelos Institutos Federais (sou graduado em Química pelo IFPI), confesso que esse é um momento ímpar na História de Araioses. Então peço a todos que compareçam, comemorem e exigiam cursos que beneficiem nossa cidade, pois nossa realidade educacional terá agora uma instituição que será composta de profissionais altamente qualificados. O bom dos Institutos Federais é que eles podem ofertar cursos técnicos em diversas áreas, ensino médio integrado e ensino superior…

Galo broco

Numa roda de conversa os comentários eram sobre o que teriam dito os vereadores na sessão da Câmara de Vereadores na última sexta-feira. O que dominou os comentários era a facilidade com que Manoel da Polo mudou de rumo em tão pouco tempo e fato do Wilson Miranda passar muito tempo falando. Teve que disse que quando ele pega um microfone não quer largar mais e se mete no discurso de todos os vereadores.

Sobre a postura do da Polo é que ainda tinha gente que não tinha saído dos ouvidos o som de suas palavras falando bem da prefeita Valéria do Manin como ocorreu na campanha.

Já sobre WM é que falar muito não era garantia de votos, pois se fosse assim ele teria sido o mais votado das eleições passadas. Ao contrário disso foi o lanterninha naquele pleito, o menos votados de todos e só está vereador graças a excelente votação de vereador Júlio César (PT) que foi o mais votado da coligação que Miranda participou.

E ainda teve quem dissesse que era um castigo para quem tivesse de ouvir por muito tempo a voz do vereador que mais parece cantoria da galo broco.

2 pensou em “Informe DS – “Não me chamem de Trinta, eu sou Marão”

  1. Grande curiosidade você falar em ‘ingratidão’ sendo que anos atrás você comia na mesma mesa que Luciana.

    Sinceramente, nasci em Manaus, mas já adotei Araioses como cidade do coração e já vi muitas gestões e nunca vi alguém de visão como Luciana. Prova disso é que quando Valéria entrou na prefeitura, meses depois o povo tava na rua, protestando contra tanta corrupção. “Quando a gente conhece o que é bom, não quer mais saber do ruim”, já dizia meu avô.

    Luciana não foi a prefeita que eu esperei que fosse, contudo, ninguém é perfeito não é? Mas entre ela e Valéria, quer dizer, MANIN… Fico com a Marão.

    Quanto o seu anonimato, fique você sabendo que em 2004 quando Luciana lançou sua candidatura à Prefeitura de Araioses, ela e seu marido, já eram donos do finado Hospital Regional do município em questão e de outros em Pinheiro, Palmeirândia e na capital, se não me engano. Além disso, Luciana sempre foi envolvida com política, foi Secretária de Articulação Política em São Luís e sempre quis deixar seu nome na neste meio. Mas continuando, lembro que quando ela deu as caras na cidade, a chamavam de ‘forasteira’ e aos poucos foi conquistando a confiança dos araiosenses, inclusive a minha. Isso é admirável. Não foi testa de ferro de ninguém e posso dizer com toda certeza, que quem sempre tomou as decisões, foi ela. Luciana foi sim uma cria de Remi Trinta, com certeza ela aprendeu muito com ele, politicamente falando. Mas nunca foi marionete dele. Coisa que vemos na gestão a qual pra você, não tem defeito nenhum.

    Agora falaremos do sobrenome. Qual mesmo o nome de guerra de Valéria? Acho que ouvi falar, que é “Valéria do Manin”? É isso mesmo produção?
    Agora me diga se no dia em que Manin cair, for cassado, afastado ou estiver ‘fora do prazo de validade’ se sua filha não mudar o nome de campanha.
    Independente de ser ‘Trinta’ ou ‘Marão’, Luciana toma suas próprias decisões.

    Como você percebeu, conheço muito bem a história de Luciana, mas quem vos fala, não é uma bajuladora e sim uma pessoa que cansou de ver injustiça dentro dessa cidade. Injustiça de divulgar meias verdades.

    Beijão.

    • Valeu seu comentário, porém não estou condenando Luciana pelo fato de não querer usar mais o Trinta do marido. E isso não considero ingratidão e sim uma forma de se salvar politicamente daqui para frente uma vez que Trinta já e está com prazo de validade vencida.
      Outra coisa, eu nunca neguei que já estive com Luciana Trinta pois em 2004 apoiei sua candidatura. Meu rompimento não foi com ela e sim com seu marido Remi trinta que me tratou como se eu fosse um qualquer de sua propriedade.
      Agora você dizer que Luciana Trinta foi melhor prefeita do que Valéria do Manin está sendo agora é total desconhecimento dos fatos ou falta de imparcialidade para reconhecer os fatos.
      Boa sorte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *