O MARANHÃO SEM VALOR NO GOVERNO DILMA E + UMA PROMESSA DE DUPLICAÇÃO DA BR 135

Por Ed Wilson Ferreira Araújo 

Pela enésima vez o governo Roseana Sarney (PMDB) anuncia a duplicação da BR 135. É mais uma entre tantas promessas mirabolantes sobre investimentos para o Maranhão, que nunca sai do fim da fila nos indicadores sociais.

Ocorrem muitos acidentes fatais na BR-135

A duplicação da BR 135 e a conclusão das obras do aeroporto de São Luís são duas obras do governo federal. O Maranhão tem a presidência do Senado, um vice-governador do PT, três senadores e uma penca de deputados federais alinhados ao governo Dilma Roussef (PT).

Nem por isso o governo federal mostra-se interessado em investir no Maranhão.  O vice-governador do PT, que deveria ser o interlocutor dos interesses estaduais em Brasília, não serve para nada.

José Sarney e sua filha Roseana governam apenas os interesses privados da família. Pouco importa se morrerão duzentas ou trezentas pessoas no Campo de Perizes, ou se o aeroporto vai ou não oferecer conforto aos passageiros.

Quando o PT aliou-se a Sarney, após um golpe traiçoeiro de Washington Oliveira (WO), argumentava-se que o alinhamento do PT com o PMDB no Maranhão facilitaria a interlocução com o governo federal, repetindo a aliança nacional.

Roseana Sarney já está no quarto mandato de governadora, foi aliada de FHC do PSDB por oito anos (1994 a 2002) e o Maranhão permaneceu no fim da fila.

Agora a governadora é amiga de Lula-Dilma e nem por isso o Maranhão avança. O governo federal esnoba o Maranhão. Como Pilatos, Dilma lavou as mãos.

A aliança do PT com Sarney só serviu para desmoralizar o campo democrático-popular e atender aos interesses pessoais do vice-governador, que breve será indenizado com um mandato de deputado federal, pelos relevantes serviços prestados à causa da traição.

Nem água a Caema consegue viabilizar nas torneiras das casas. A população de São Luís vive um racionamento desumano e os esgotos jorram em qualquer rua da cidade.

Os serviços de internet são da pior qualidade e até multinacionais como a Alumar ameaçam ir embora, deixando para nós apenas o ônus da poluição. Esse é o Maranhão da barbárie.

Sem prestígio no governo federal, com Dilma “se lixando” para a desgraça do Maranhão, a vida segue em frente. Lucrativa para a oligarquia Sarney, compensatória para o PT traidor e cruel para a maioria da população.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.