‘O que mais posso querer?’, diz presidente reeleita da Argentina


Militantes peronistas comemoram vitória de Cristina Kirchner na Praça de Maio, neste domingo (23) (Foto: Amauri Arrais / G1)

Cristina Kirchner confirmou favoritismo e obteve mais de 50% dos votos.
Em 1º discurso, ela pediu união e agradeceu ligação ‘fraternal’ de Dilma.

Amauri Arrais Do G1, em Buenos Aires

No seu primeiro discurso após ter sido anunciada como vitoriosa na corrida eleitoral da Argentina, Cristina Kirchner pediu união e comemorou o fato de ser a primeira mulher reeleita presidente do país.

“Sou uma mulher de 58 anos que milita desde muito jovem que cheguei a lugares que nunca pensei que chegaria na vida. Não apenas tive a honra de ser mulher presidente, como de ser a primeira mulher reeleita presidente. Não quero mais nada. Que mais posso querer?”, brincou a presidente, em um discurso transmitido em cadeia de TV do Hotel Intercontinental, no centro de Buenos Aires.
“A única coisa que quero é cooperar com a Argentina, a seguir crescendo com o país, g erando mais postos de trabalho, mais valor agregado, mais ciência e tecnologia, mais escolas, mais saúde. Ajudar a mudar a vida dos argentinos. Isso não se pode só, precisamos da colanboração de todos”, afirmou.

Cristina confirmou o favoritismo que teve toda a campanha, como apontavam as pesquisas de intenção de voto. A candidata da Frente para a Vitória já havia vencido as eleições primárias de agosto com uma diferença de 38 pontos em relação ao segundo colocado, o radical Ricardo Alfonsín.
Milhares de seguidores da presidente tomaram as ruas da capital, Buenos Aires, já comemorando a vitória.
Ligação de Dilma
Num discurso emocionado, como é a marca da peronista, pontuado pelas referência ao marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, cuja morte completa um ano no próximo dia 27, Cristina iniciou agradecendo às ligações de colegas de outro países, como a presidente Dilma Rousseff.
“Quero dizer um imenso obrigado aos 40 milhões de argentinos, a todos os homens e mulheres de todos os partidos políticos que participaram dessas eleições. Quero agradecer a ligação solidária, amiga, fraternal de Dilma Rousseff”, disse a presidente, que também citou ligações do venezuelano Hugo Chávez e do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, entre outros.

Ao agradecer ao prefeito de Buenos Aires, Mauricio Macri, a presidente se irritou com os militantes, que vaiaram. “Não sejam assim, não me façam se zangar. O pior que pode acontecer à gente é ser pequeno. Não sejamos pequenos, sejamos grandes.”

Comovida, dedicou vários minutos do discurso à memória do marido. “Quero agradecer a alguém que já não posso chamar mas é o grande fundador da vitória dessa noite. Nunca acreditei nem pensei em fazer sem ele, sem sua incomensurável coragem”, disse, enquanto militantes cantavam o hino que ficou conhecido após a morte do ex-presidente: “Néstor não morreu, vive no povo”.
Como havia feito no último discurso de campanha, a mandatária voltou a pedir união. “Sinto hoje a imensa responsabilidade de conduzir nosso país a que viva uma história diferente da dos últimos 200 anos. Quero apelar à vocação patriótica de todos os argentinos. Um país não se constrói apenas com dirigentes, mas com seu povo”, disse.

Primeira presidente mulher reeleita
Aos 58 anos, Cristina Fernandes Kirchner, é a primeira mulher reeleita presidente na América Latina. Ela se consagrou como a primeira presidente mulher eleita na Argentina ao vencer no primeiro turno, com 45,29% dos votos, as eleições de 28 de outubro de 2007.
Advogada, ela iniciou sua militância política em sua La Plata natal, na Frente de Agrupamentos Eva Perón, que se uniria a outros grupos militantes para formar a Juventude Universitária Peronista.
Nesta época, conheceu seu companheiro de toda vida, Néstor Kirchner, com quem se casou em 1975. Após o golpe de Estado de 1976, os dois se mudaram para a cidade natal de Kirchner, Río Gallegos, que se tornaria o principal reduto político do casal. Lá tiveram os dois filhos, Máximo e Florencia.
Foi eleita pela primeira vez como deputada estadual em 1989, sendo reeleita em 1993 e 1995. Em 1995 ingressou no Senado, cargo ao qual renunciou para ser eleita deputada em 1997. Em 2001 foi eleita novamente senadora. Quatro anos depois foi eleita para o terceiro mandato de senadora pela Provincia de Buenos Aires, pela Frente para a Vitória.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.