ROBERTO ROCHA NA ERA DOS EXTREMOS

Blog do Ed Wilson

Há poucos partidos políticos no Brasil com uma clara definição ideológica. Um deles é o PSDB, o néctar do neoliberalismo orgulhosamente assumido. Nesta sigla milita o ex-deputado federal Roberto Rocha, presidente estadual do PSDB no Maranhão.

Na era Fernando Henrique Cardoso, Bob Rocha era uma espécie de príncipe do tucanato maranhense. Quando Lula ganhou a eleição, Rocha foi para a oposição e passou a bombardear dia e noite o novo presidente e o PT.

Mas essas são águas passadas. Move o moinho o que vem pela frente. Eis que agora é anunciada, mas ainda não confirmada, a filiação de Rocha no PSB, com o intuito de ser candidato a prefeito de São Luís em 2012.

Rocha vai sair do liberalismo e encarar o socialismo. Pretende trocar o verde-amarelo pelo vermelho, FHC-Serra por Miguel Arraes, as privatizações pelo Estado desenvolvimentista, John Locke por Marx e assim sucessivamente.

No final das contas, ao ingressar no PSB, o ex-tucano vai fazer parte da base política da presidenta Dilma Roussef (PT), herdeira de Lula, a quem ele (Roberto) sempre atacou e desprezou.

Mas, o que leva Rocha a essa aventura?

Ideologia não é. Trata-se de falta de opção mesmo. Roberto Rocha começou a cair em desgraça na eleição de 2010, quando traiu o grupo de Jackson Lago, fato já amplamente conhecido.

Ele foi candidato ao Senado, combinado com a oligarquia Sarney, para derrotar José Reinaldo e garantir as duas vagas aos peemedebistas do grupo Sarney: João Alberto e Edison Lobão.

Desacreditado na oposição, Rocha foi convidado a despedir-se da coluna dominical publicada no Jornal Pequeno, tradicional diário tucano do Maranhão, mas administrado financeiramente por interesses suprapartidários.

No lugar de Rocha o Jornal Pequeno já publica os textos do deputado estadual Roberto Costa (PMDB), o crítico mais feroz do prefeito João Castelo (PSDB). Destaque: Costa é um dos nomes cotados para disputar a Prefeitura pelo grupo Sarney.

Oriundo de Balsas, na região Sul do Maranhão, onde predomina o agronegócio, Roberto Rocha não tem qualquer identidade ou marcas simbólicas com São Luís, onde pretende ser candidato a prefeito.

Rocha sequer tem prestígio no Palácio La Ravardière, onde João Castelo despreza o presidente estadual do seu próprio partido – o PSDB.

Considerado traidor nas oposições, expulso do Jornal Pequeno e sem mandato, o ex-príncipe dos tucanos lança-se na travessia a nado pelo canal do Boqueirão, em busca da bandeira socialista.

Dizem que há muitos tubarões nessas águas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.