Massacre de Suzano é o oitavo em escolas do Brasil desde 2002

Ataque anterior aconteceu em 2017, em um colégio de Goiânia. Atirador disse ter se inspirado no caso de Realengo

Por Ana Luíza Basílio

Carta Capital

O ataque a tiros ocorrido na manhã desta quarta-feira 13 na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, é o oitavo em escolas brasileiras desde 2002. E o segundo em número de vítimas, dez ao todo, sendo sete ligadas diretamente à instituição escolar – o episódio só não supera o massacre em Realengo, em 2011, que levou a óbito 11 estudantes.

Cinco estudantes da escola morreram, todos do Ensino Médio: Pablo Henrique Rodrigues, Cleiton Antônio Ribeiro, Caio Oliveira, Samuel Melchiades Silva de Oliveira, todos mortos na escola, e Douglas Murilo Celestino, que faleceu dentro de uma unidade do Samu, a caminho do hospital.

Também foram vítimas duas funcionárias da instituição: Marilena Ferreira Vieira Umezo, coordenadora pedagógica, a primeira a ser vitimada pelos atiradores e Eliana Regina de Oliveira Xavier, agente de organização escolar.

Os atiradores também morreram: Guilherme Taucci Monteiro, 17 anos, e Luiz de Castro, 25, ambos ex-alunos da unidade, cometeram suicídio após o ataque. Outra vítima é o comerciante Jorge Antônio de Moraes, tio de Guilherme, alvejado por três tiros em seu estabelecimento.

➤ Leia também: Discurso pró-arma é gatilho para tragédias como a de Suzano, dizem especialistas

O episódio em Suzano é infelizmente, um entre outros ataques em escolas brasileiras – diferentemente do que afirmou o vice-presidente Hamilton Mourão, “de que essas  coisas não aconteciam no Brasil”. O caso anterior mais recente foi em 2017, em Goiânia, no Colégio Goyases, quando um aluno de 14 anos portando uma pistola de uso restrito da Polícia Militar abriu fogo contra a escola, deixando dois adolescentes mortos, quatro feridos e uma jovem paraplégica. À época, o garoto afirmou que se inspirou no massacre de Realengo, ocorrido em 2011. Relembre os casos:

Salvador

Em 2002, um jovem de 17 anos matou duas colegas dentro da sala do colégio particular Sigma, na orla de Salvador, na Bahia, e foi preso em flagrante. À época, a delegada encarregada do caso afirmou que o revólver calibre 38 utilizado pelo garoto pertencia ao pai, que era perito policial.

Taiúva

Em janeiro de 2003, em Taiúva (a 363 km de São Paulo), um ex-aluno da escola estadual Coronel Benedito Ortiz, Edmar Aparecido Freitas, 18 anos, invadiu o pátio da instituição, atirou em alunos, professores e funcionários e depois se matou. Oito pessoas ficaram feridas, uma pessoa morreu e um aluno ficou paraplégico após cerca de 15 disparos realizados com um revólver calibre 38.

Realengo

Em 2011, um ex-aluno da Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro de Realengo (RJ), Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, entrou na unidade e abriu fogo contra salas de aula lotadas, vitimando 12 estudantes e deixando outros 13 feridos. Wellington chegou a ser atingido por um policial e se suicidou após a ação.

Corrente

Em abril de 2011, um adolescente de 14 anos que se dizia vítima de bullying matou um colega com golpes de faca no interior do Piauí. O caso ocorreu na zona rural da cidade de Corrente, no extremo sul do Estado.

São Caetano do Sul

Em setembro de 2011, em São Caetano do Sul (Grande São Paulo), um aluno de 10 anos de idade atirou na professora Rosileide Queiros de Oliveira, 38, e depois se matou na escola Professora Alcina Dantas Feijão. Ele usou um revólver calibre 38 do pai, que era guarda civil.

João Pessoa

Em abril de 2012, um adolescente de 16 anos atirou em outras três alunas na escola estadual de Santa Rita (região metropolitana de João Pessoa, na Paraíba). Ele efetuou seis disparos com um revólver calibre 38. As adolescentes de 17 anos tiveram alta nos dias seguintes ao ataque.

Dois anos depois, no bairro de Mandacaru, na periferia de João Pessoa, um adolescente de 15 anos deu três tiros na barriga da estudante Maria Beatriz Souza Santana, 14, que havia sido sua namorada. O ataque aconteceu dentro da sala de aula da escola municipal Violeta Formiga.

Goiânia

Em 2017, um estudante de 14 anos abriu fogo contra a comunidade escolar do Colégio Goyases, em Goiânia. O ataque, feito com uma pistola de uso restrito da Polícia Militar, deixou dois adolescentes mortos, quatro feridos e uma jovem paraplégica. À época, em depoimento à Polícia Civil, o atirador afirmou vingar-se do bullying praticado por colegas e admitiu ter se inspirado no massacre de Realengo, em 2001, quando um ex-aluno armado com dois revólveres executou 12 jovens em uma escola carioca, e o morticínio em Columbine, nos Estados Unidos, com 12 alunos e um professor assassinados em 1999.

Governadores do Nordeste lançam carta contra redução de gastos em saúde e educação

Fórum de Governadores do Nordeste (Gilson Teixeira)

Em reunião na cidade de São Luís nesta quinta-feira (14), os nove Estado do Nordeste elaboraram e divulgaram uma carta com posicionamentos sobre temas importantes para a sociedade brasileira. O documento foi redigido durante o Fórum dos Governadores do Nordeste, no Palácio dos Leões, sede do Governo do Maranhão.

O governador Flávio Dino recebeu sete governadores e um vice-governador do Nordeste. Todos os nove Estados, portanto, estavam representados.

Estiveram presentes no Fórum os governadores Flávio Dino (Maranhão), Rui Costa (Bahia), Paulo Câmara (Pernambuco), Camilo Santana (Ceará), João Azevedo (Paraíba), Wellington Dias (Piauí), Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte), Belivaldo Chagas (Sergipe) e o vice-governador José Luciano Barbosa da Silva (Alagoas).

A carta tem cinco pontos principais. Um deles é sobre a proposta de desvinculação de receitas do Orçamento, tramitando na esfera federal. Essa proposta, caso seja aprovada, permitiria a redução de gastos que hoje são obrigatórios em educação e saúde, por exemplo.

“Achamos que resultaria num desastre social para o país. Iria haver diminuição de investimentos em saúde e educação, sobrecarregando ainda mais Estados e municípios, que são obrigados a manter suas redes de atendimento, as escolas, os hospitais, as UPAs”, afirmou Flávio Dino, que falou em nome dos demais governadores.

“A desvinculação não produziria nenhum efeito a não ser a eventual diminuição de repasses para Estados e municípios”, acrescentou. Os governadores também voltaram a defender que a reforma previdenciária é um debate necessário, mas é preciso fazer mudanças para não prejudicar os mais pobres.

Entre os pontos do texto da reforma em que é necessário fazer mudanças, de acordo com os governadores, estão a retirada das regras previdenciárias da Constituição; a adoção do regime de capitalização; e medidas restritivas de direitos dos mais pobres, incluindo os trabalhadores rurais e a redução do valor do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Desenvolvimento

Fórum de Governadores do Nordeste, no Palácio dos Leões (Karlos Geromy)

De acordo com a carta, é preciso preservar a existência do Banco do Nordeste, da Sudene e da Chesf (Companhia Hidrelétrica do São Francisco).

O governador Flávio Dino disse que esses mecanismos regionais de desenvolvimento “são fundamentais não apenas para o Nordeste, mas para o Brasil, uma vez que superar desigualdades regionais não é um direito dos nordestinos, é um dever do Brasil inscrito na Constituição. Por isso somos contrários a qualquer proposta de privatização ou extinção desses importantes organismos da vida política do Nordeste”.

Segundo ele, o Fórum de Governadores defende o amplo diálogo com todas as esferas de poder: “Nossos Estados têm no Congresso Nacional 27 senadores e 153 deputados federais. O primeiro trabalho é que haja uma sensibilização das bancadas federais em relação a esses pontos”.

“A agenda que apresentamos é de amplo diálogo, com outros governadores de outras regiões também. São pontos de vista que interessam a Nação e outros Estados. E diálogo também com as bancadas federais no Congresso, de modo suprapartidário, e com o governo federal”, acrescentou.

Os governadores defenderam, ainda, o Estatuto do Desarmamento e se mostraram contrários a regras que ampliem a circulação de armas, mediante posse e porte.

Palácio dos Leões recebe Fórum de Governadores do Nordeste (Handson Chagas)

Consórcio

No Fórum, também foi assinado o protocolo de criação do Consórcio Nordeste. Com o consórcio, os Estados nordestinos terão, por exemplo, mais poder de negociar preços, já que serão feitas compras conjuntas, com um volume muito maior. Também poderão ser feitas cooperações policiais muito mais intensas que as de hoje.

Agora, cada Assembleia Legislativa estadual terá de aprovar a criação do Fórum. A partir daí, ele passa a funcionar.

Veja a íntegra da Carta dos Governadores do Nordeste:

CARTA DOS GOVERNADORES DO NORDESTE 

São Luís (MA), 14 de março de 2019. 

Os Governadores dos Estados do Nordeste, reunidos nesta data, em São Luis (MA), manifestam-se à sociedade brasileira, nos seguintes termos: 

1. Assinamos hoje o Protocolo que resultará na criação do Consórcio Nordeste, importante instrumento político e jurídico para o fortalecimento da nossa região e para melhorar a prestação de serviços públicos aos cidadãos e cidadãs. Acreditamos que a cooperação assim intensificada resultará em diversas conquistas, por exemplo parcerias na aquisição de produtos e na execução de ações conjuntas em áreas como Segurança Pública. 

2. No mesmo sentido de proteção e promoção dos direitos do povo do Nordeste, sublinhamos que vamos dialogar com os 153 deputados federais e 27 senadores dos nossos estados para que não haja qualquer retrocesso quanto a mecanismos essenciais para o desenvolvimento regional, notadamente o Banco do Nordeste, a CHESF e a Sudene. 

3. Sobre propostas atualmente em debate no país: 

a) Registramos que não concordamos com a ideia de desvinculações de receitas para fazer face às despesas obrigatórias com saúde, educação e fundos constitucionais, que resultariam em redução de importantes políticas públicas. Em vez disso, desejamos discutir realmente o Pacto Federativo, inclusive no tocante à repartição constitucional de receitas e competências.

b) Quanto à Reforma Previdenciária, consideramos que se trata de um debate necessário para o Brasil, contudo posicionamo-nos em defesa dos mais pobres, tais como beneficiários da Lei Orgânica da Assistência Social, aposentados rurais e por invalidez, mulheres, entre outros, pois o peso de déficits não pode cair sobre os que mais precisam da proteção previdenciária. Também manifestamos nossa rejeição à proposta de desconstitucionalizar a Previdência Social, retirando da Constituição garantias fundamentais aos cidadãos. Do mesmo modo, consideramos ser imprescindível retirar da proposta a previsão do chamado regime de capitalização, pois isso pode inclusive piorar as contas do sistema vigente, além de ser socialmente injusto com os que têm menor capacidade contributiva para fundos privados. Em lugar de medidas contra os mais frágeis, consideramos ser fundamental que setores como o capital financeiro sejam chamados a contribuir de modo mais justo com o equilíbrio da Previdência brasileira. 

4. Por fim, defendemos o atual Estatuto do Desarmamento e somos contrários a regras que ampliem a circulação de armas, mediante posse e porte de armas. Tragédias como o assassinato da vereadora Marielle e a de Suzano, no Estado de São Paulo, mostram que armas servem para matar e aumentar violência na sociedade. Somos solidários à dor das famílias, destas e de outras tragédias com armas, e é em respeito à memória das vítimas que assim nos manifestamos. 

5. Ratificamos nosso empenho conjunto em favor de uma nação justa e soberana, renovando mais uma vez nossa disposição para o diálogo amplo, conducente a dias melhores para o Brasil.

Fonte: Secap
Fotos: Gilson Teixeira, Handson Chagas e Karlos Geromy

Flávio Dino diz que para descobrir quem mandou matar Marielle basta seguir dinheiro dos milicianos

“Para terminar de desvendar o bárbaro assassinato de Marielle, um dos caminhos é ir atrás dos fluxos financeiros dos quadrilheiros milicianos. O tesoureiro deles está solto”, tuitou o governador do Maranhão

Revista Fórum

O governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB), que exerceu a função de juiz federal por mais de uma década, usou seu Twitter para indicar o caminho para se descobrir os mandantes dos assassinatos de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

Dino utilizou a conhecida expressão em inglês “follow the money” (siga o dinheiro): “Vale o tradicional lembrete, já muito conhecido: follow the money. Para terminar de desvendar o bárbaro assassinato de Marielle, um dos caminhos é ir atrás dos fluxos financeiros dos quadrilheiros milicianos. O tesoureiro deles está solto. Basta achá-lo”, tuitou.

Moro

Em 2015, ainda quando era juiz, o hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro, usou essa expressão, durante aula inaugural na Escola de Magistratura do Paraná. “O criminoso dedicado a extermínio mediante aluguel, não é o chefe normalmente que vai sujar suas mãos de sangue. Mas certamente ele é o último beneficiário da atividade criminosa. É o velho conselho norte-americano: ‘Siga o dinheiro e você descobre quem é o chefe, quem é responsável pelo crime’”, disse.

Nesta terça-feira (12), policiais da Divisão de Homicídios e promotores do Ministério Público estadual do Rio de Janeiro prenderam o policial militar reformado Ronnie Lessa, 48 anos, e o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos, apontados como suspeitos pelos assassinatos de Marielle e Anderson.

Major Olímpio ultrapassa os limites da estupidez

Por Fernando Brito no TIJOLAÇO

Há um limite para tolerar-se a estupidez humana.

O Major Olímpio, senador por São Paulo e figurão do PSL de Bolsonaro o ultrapassou ao afirmar que ‘se a legislação no Brasil permitisse o porte de armas, um cidadão de bem na escola, seja um professor ou um servente, evitaria a tragédia, impedindo que prosseguissem a marcha da morte deles”, referindo-se aos dois jovens que provocaram o massacre de Suzano.

Só um energúmeno rematado pode imaginar que um professor dê aulas com um revólver na cintura, ou que uma merendeira tenha um fuzil no refeitório da escola.

Como a escola é de ensino médio e, neste caso, haveria alunos maiores de idade, aptos, portanto, segundo o estúpido senador, a portar armas também, quem sabe teríamos um tiroteio em sala de aula, com os dois lados entrincheirados atrás de carteiras escolares?

E o pior é que se trata de alguém com poder para mudar a lei e fazer este pesadelo virar realidade.

Quem sabe faz, como sugere a charge antiga do Cláudio, fazendo um “test-drive” nas reunião do PSL?

PS: Com a declaração de Jair Bolsonaro de que “dorme com uma arma ao lado da cama”, mesmo no vigiadíssimo Palácio da Alvorada, esperemos que dona Marcelle não tenha problemas de sonambulismo.

Em Suzano/SP alunos atiradores invadem escola, matam 10 e se suicidam

Ao menos dez pessoas morreram e outras dez ficaram feridas durante tiroteio dentro da Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, Grande São Paulo, durante a manhã desta quarta-feira, 13. O nome das vítimas será anunciado à tarde, pois os familiares ainda estão sendo informados. As informações foram confirmadas pela Secretaria da Segurança Pública.

A Polícia confirmou a identidade dos dois atiradores: um deles é Luiz Henrique de Castro, que faria 26 anos neste sábado, 16, e o outro é GTM, de 17 anos.

Segundo informações da Polícia Militar, duas pessoas armadas e encapuzados invadiram a escola e efetuaram os disparos. Uma pessoa foi baleada fora da escola.

Os criminosos cometeram suicídio no local. Os atiradores usaram um revólver .38, uma besta e um arco e flecha.

O coronel Salles da PM disse que, antes de entrar na escola, os dois atiradores atiraram contra o proprietário de um lava-jato que fica em frente à escola. Segundo o coronel, os atiradores entraram na escola na hora do intervalo. Primeiro, eles atiraram em uma coordenadora pedagógica e uma supervisora. Depois, se dirigiram ao pátio, onde atingiram quatro alunos de ensino médio. Em seguida, eles foram até o Centro de Línguas. Os alunos que estavam no local se esconderam dentro de uma sala de aula. Os atiradores, então, se suicidaram no corredor em frente.

O Gate está fazendo uma varredura na escola, porque foram encontrados artefatos com aparência similar a de explosivos. A área, no entorno da escola, está isolada por risco de haver explosivos. “A preocupação nesse momento é desmantelar os artefatos explosivos, prestar socorro às vítimas e atender as famílias”, disse o coronel Salles.

O governador João Doria assim que foi informado do ocorrido, cancelou toda sua agenda e se dirigiu ao local para acompanhar o trabalho de resgate e atendimento aos feridos. Em entrevista coletiva, Doria informou que a diretora acredita que os dois atiradores não são alunos da escola. A polícia estima que tenham entre 20 e 25 anos. “Cena mais triste que já vi na minha vida”, disse Doria à imprensa.

Doria pediu apoio psicossocial, psicólogos, alimentação e ambulância no local para todas as vítimas e familiares. Segundo Doria, o prefeito de Suzano estava em Brasília para um evento oficial, mas já está retornando à cidade. O governador ressaltou que o vice-prefeito e a primeira-dama estão prestando assistência.

Em nota de pesar, o Ministério da Justiça e Segurança Pública se colocou à disposição do governo do Estado de São Paulo.

“O Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) lamenta o grave atentado à Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), que provocou o trágico assassinato de crianças e funcionários e presta solidariedade aos familiares neste momento de dor e tristeza”, diz a nota.

A pasta disse também que “os fatos ainda estão sendo apurados pelas autoridades competentes e o Ministério se coloca à disposição do governo do estado de São Paulo”.

Em nota, a Prefeitura de Suzano informou que o Pronto Socorro Municipal já recebeu crianças com ferimentos leves e os feridos com maior gravidade estão sendo encaminhados para o Hospital Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes, e o Hospital Santa Marcelina, em Itaquaquecetuba. A gestão municipal disse ainda que está dando suporte com equipes de emergência, como Defesa Civil, Samu e Guarda Civil Municipal. As ações relativas ao sepultamento das vítimas serão amparadas pela prefeitura de Suzano e governo do Estado.

Com informações do Estadão

Prefeituras de Araioses, Água Doce, MPMA e APAE implantam projeto “Sou Capaz”

As prefeituras de Araioses, Água Doce do Maranhão, MP-MA e APAE de Araioses assinaram na tarde de ontem (12), Termo de Cooperação Técnica para implantação do projeto “SOU CAPAZ” com instrumento de capacitação permanente para gerações futuras, para lhes dar orientação de como usar o dinheiro, administrar os orçamentos pessoais, familiares e de negócios.

O evento foi realizado no auditório da Apae e assinaram o documento o Dr. Nacor Pereira dos Santos – Chefe do Caopi Consumidor, São Luís/MA, Thalita Dias – prefeita de Água Doce do Maranhão, Cristino Gonçalves de Araújo-  prefeito de Araioses, e Valdir Santos de Carvalho – presidente da APAE de Araioses.

Dr. Nacor Pereira dos Santos – Chefe do Caopi Consumidor, São Luís/MA,

O Dr. Nacor Pereira dos Santos – Chefe de Apoio Operacional Consumidor, explanou em detalhes, o projeto e falou do quanto esse trabalho poderá produzir positivamente em Araioses com a viabilização de parcerias entre o Ministério Público, autoridades municipais, instituições privadas, associações e a sociedade civil em geral.

Segundo Dr. Nacor o projeto tem como objetivo promover uma reflexão sobre o consumo consciente, evitar o endividamento das pessoas individualmente e familiares, estimular o planejamento financeiro dos cidadãos, como também valorizar, além das atividades de consumo consciente e sustentável, o conhecimento da pesquisa de mercado e cidadania tributária.

Pelo que disse depois os gestores de Araioses e Água Doce é possível que até o final desse ano, já se tenha o que comemorar.

Presente ao evento esteve o prefeito de Araioses – Cristino Gonçalves de Araújo, Thalita Dias – prefeita de Água Doce, Dra. Samara Cristina Mesquita Pinheiro Caldas e Dr. John Derrick Barbosa Braúna – representantes do MPMA em Araioses, Jacinta Holanda e Valdir Santos de Carvalho – dirigentes da APAE de Araioses.

No vídeo abaixo Dr. Nacor faz uma síntese do projeto “SOU CAPAZ”

 

Últimos dias para inscrição na Olimpíada de Matemática das Escolas Públicas

Encerra, nesta sexta-feira (15), o prazo para inscrição na 15ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) 2019. As escolas devem se inscrever, exclusivamente, no endereço eletrônico: www.obmep.org.br

Coordenada pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), a OBMEP é a maior olimpíada estudantil do mundo e tem como público-alvo alunos do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e alunos do Ensino Médio, de escolas públicas municipais, estaduais e federais, e escolas privadas, bem como professores, escolas e secretarias de educação do território brasileiro.

Em 2018, participaram da competição 845.817 estudantes de 4.011 escolas públicas e particulares. Houve um aumento de 6,5% no número de inscritos em relação a 2017.

Os interessados em mais esclarecimentos podem entrar em contato com a Supervisão de Currículo da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) pelos telefones: (98) 3268-2575 / (98) 3227-6084.

Fonte: Seduc

Hildegardo Alves – um amigo de Cafuzas e Região é o aniversariante de hoje

Abro espaço em meu blog para homenagear um amigo muito especial, que está aniversariando hoje, que é Hildegardo Alves – um amigo de Cafuzas, povoado da zona rural de Araioses e Região.

Em sua página do Facebook costuma fazer publicações homenageando as amigas e os amigos e publicar tiradas políticas e humorísticas.

Eu e ele temos coisas comuns como o amor pelo Brasil e Araioses, assim também como pela música de qualidade. Somos do mesmo signo, porém divergimos no futebol onde torço pelo Botafogo e ele pelo Flamengo. No samba sou portelense e ele verde-e-rosa (Mangueira) merecidamente campeã do carnaval carioca deste ano.

Hildegardo é um cara legal é sangue bom como se diz de quem é boa gente. A ele desejo muita saúde, paz e felicidades.

Feliz aniversário e muitos anos de vida amigão. Parabéns!

Dodge contesta fundação da Lava Jato e acordo da Petrobrás com os EUA

247 O recuo da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba em relação à criação da fundação privada para gerenciar a bilionária quantia de R$ 2,5 bilhões da Petrobras começa a ser explicado diante da decisão anunciada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, de questionar os colegas de Ministério Público Federal (MPF) no Supremo Tribunal Federal (STF).

A decisão é histórica diante da montanha abusos e irregularidades cometidas pelos procuradores desde que a Lava Jato iniciou – há cinco anos completados neste mês.

Segundo Dodge, o acordo viola a Constituição Federal e, por isso, propôs uma ação por descumprimento de preceitos fundamentais (ADPF) contra a decisão da 13ª Vara de Curitiba, que homologou o acordo.

Para a procuradora, o fundação da Lava Jato é uma “lesão a direitos fundamentais e estruturantes da República do Brasil”, uma vez que não teriam sido preservadas a separação dos poderes e as funções essenciais à Justiça. Os procuradores não têm poderes legais e constitucionais para assinar um acordo de natureza administrativa, assim como a Justiça Federal no Paraná não tem competência para atuar na matéria, segundo manifesta a procuradora-geral na ADPF.

Dodge ainda pede no STF uma decisão em caráter liminar para suspender o ato judicial e solicita a nulidade da decisão.

O gesto endossa as críticas à criação da fundação desenhada pelo procurador da República Deltan Dallagnol e por seus colegas de força-tarefa, com dinheiro público para ser gerido como se fosse privado, de acordo com os interesses exclusivos dos procuradores de Curitiba.

A procuradora-geral pede que seja mantida a obrigação de a Petrobras cumprir o que foi acordado com as autoridades norte-americanas, entre elas o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ, na sigla em inglês). Ficou acordo que a Petrobras repassará pouco mais de R$ 2,5 bilhões a autoridades brasileiras, sem que o acordo especificasse que essas “autoridades” são os procuradores da República.

Polícia encontra 117 fuzis M-16 incompletos na casa de amigo do suspeito de atirar em Marielle e Anderson Gomes

Armas estavam numa casa no Méier, na zona norte do Rio. Elas estavam sem o cano e foram encontradas em busca e apreensão nesta manhã de terça-feira.

Por Patrícia Teixeira, Felipe Freire, Leslie Leitão, Marco Antônio Martins e Henrique Coelho, TV Globo e G1 Rio

Polícia concluiu a contagem das armas encontradas atribuídas a Ronnie Lessa no Méier — Foto: Divulgação

A Divisão de Homicídios (DH) da Polícia Civil do Rio de Janeiro encontrou 117 fuzis incompletos, do tipo M-16, na casa de um amigo do policial militar Ronnie Lessa no Méier, na Zona Norte do Rio.

De acordo com investigações da DH e Ministério Público, Lessa foi responsável por atirar na vereadora Marielle Franco e no motorista Anderson Gomes no dia 14 de março de 2018.

As armas, todas novas, estavam desmontadas em caixas em um guarda-roupas – só faltavam os canos.

Segundo o secretário de Polícia Civil, Marcos Vinícius Braga, esta é a maior apreensão de fuzis da história do Rio, superando inclusive a feita no aeroporto Internacional do Rio em 2017 – na ocasião, foram encontradas 60 armas vindas dos EUA dentro de aquecedores de piscinas. Em 2019, a PM apreendeu, de 1º de janeiro até esta segunda, 100 fuzis.

O dono da casa, Alexandre Mota de Souza, afirmou para os policiais que Ronnie, seu amigo de infância, entregou as caixas, e pediu para guardá-las e não abrí-las. Alexandre acabou preso, entretanto, sob a suspeita de tráfico de armas. A polícia chegou nele rastreando um barco que seria de Ronnie e estaria em seu nome.

“Alexandre é amigo do Lessa há anos e ele fez apenas um favor em colocar essas encomendas, porque ele não sabia do que se tratava, no seu apartamento. Ele ficou surpreso ao saber do conteúdo, mas ele não tem nada a ver com esse episódio lamentável da vereadora”, disse seu advogado.

No Méier, os policiais encontraram grande quantidade de armas – incluindo fuzis – e 500 munições no endereço de Alexandre.

Os agentes também acharam R$ 112 mil na operação, sendo R$ 50 mil na casa dos pais de Ronnie e R$ 60 mil em seu carro.

Peças dos fuzis estavam separadas para serem montadas — Foto: Patrícia Teixeira/G1

DH apresentou as armas apreendidas na casa de amigo de PM preso — Foto: Reprodução/Polícia Civil

“Dá para fazer muito fuzil”, diz um dos agentes que participam da ação. A Divisão de Homicídios da Polícia Civil encontrou o arsenal em caixas, espalhadas em armários e em cômodos de uma casa no Méier, na Zona Norte do Rio. A polícia investiga se Lessa trafica armas e escondia lá o material.

Com artilharia pesada na direção do Alex o foco da oposição agora não é mais o prefeito Cristino

Com a artilharia pesada da oposição direcionada para o vereador Alex do Giquiri, o Prefeito Cristino está rindo e feliz

O clima continua pesadíssimo entre as paredes o Legislativo Araiosense. Aquele clima de cordialidade entre os vereadores fato que ocorria até aquela viagem deles para são Luís é coisa do passado.

Se já estava ruim piorou de vez após a eleição da Nova Mesa Diretora daquela casa, que tem na presidência o vereador Alexcrei Carvalho Silva – Alex do Giquiri.

Na última sessão, a de sexta-feira, dia 8, mais uma vez o que se viu em nada contribui de positivo para a imagem daquele poder. Teme-se de uma hora para outra, algo pior possa ocorrer tal a tensão existente ali.

Tudo por conta do Projeto de Resolução nº 04/2019 de autoria do vereador Felipe Vaz Pires que tinha como objetivo, que esse fosse a Plenário para a votação, que se aprovado tornava sem efeito o arquivamento da Comissão Processante, fato ocorrido na sessão do dia 1º de março, em curso.

Estive hoje na Câmara para saber quando o Projeto de Resolução iria ser posto em votação e fui informado que nunca, pois no caso, de acordo com o Art. 234, parágrafos 1º, 2º e 3º do Regimento Interno da Câmara cabem é recurso e não PR, que deve ser encaminhado à Comissão de Justiça e Constituição daquela casa no prazo máximo de 08 dias, já espirados.

Não está fácil compreender o que está se passando nas ações de nossos vereadores, pois durante messes nos foi feito acreditar que tudo ocorrendo com a CP estava tudo em ordem, tudo de acordo com a lei e que se não fosse os travamentos do desembargador Jamil de Miranda Gedeon Neto, o fato da cassação do prefeito Cristino era fato já consumado.

Não foi bem assim, pois deixaram a Comissão Processante caducar. Por quê? Não sabiam – membros da CP e advogados – que recesso não paralisava a contagem dos prazos?

Agora um vereador experiente, como sempre nos faz entender Felipe Pires, entra com um projeto de resolução para ser votado em plenário, quando deveria ter entrado com um recurso junto a Comissão de Justiça e Constituição para opinar e elaborar Projeto de Resolução.

E mais decepcionante é, quando agora sabemos que se tivesse sido realizada a sessão de votação da cassação do prefeito – como queria a maioria dos vereadores – tudo teria sido perda de tempo, já que aquela altura a CP estava de prazo vencido, já estava caducada.

Cassado Cristino de forma ilegal, em menos de 24 horas ele já estaria de volta à Prefeitura e nem precisaria acionar o guarda-chuva do desembargador.

O que diz o Capítulo II dos Recursos Regimentais – Regime Interno da Câmara de Vereadores de Araioses

Art. 234. Os recursos contra os atos do Presidente serão interpostos dentro do prazo de 08 (oito) dias, contados da data da ocorrência, por simples petição a ele dirigida.

  • 1º. O recurso será encaminhado à Comissão de Justiça e Constituição para opinar e elaborar Projeto de Resolução, dentro de 08 (oito) dias a contar da data do recebimento dos recursos.
  • 2º. Apresentado o parecer, com o Projeto de Resolução, acolhendo ou denegrindo os recursos, será o mesmo incluído na pauta da Ordem da sessão imediata em sua única discussão.
  • . Os prazos marcados neste artigo serão fatais e ocorrem dia a dia.

Em tempo: Tudo isso que está ocorrendo só beneficia o prefeito Cristino, uma vez que a artilharia da oposição mudou de foco, já que o alvo agora é o Alex do Giquiri.

PM morre em acidente durante perseguição a criminosos em Mirinzal

De acordo com a PM, o policial de 21 anos estava em perseguição a criminosos quando o acidente aconteceu.

Gilberto Lima – Um soldado da Polícia Militar identificado como Samuel Caetano de Albuquerque Matos, de 21 anos, morreu na manhã desta segunda-feira (11) após sofrer um acidente no município de Mirinzal, localizado a 188 km de São Luís.

De acordo com a PM, o policial estava em perseguição a criminosos quando o acidente aconteceu. Durante a perseguição, a motocicleta em que o policial estava se chocou contra um poste. Samuel Caetano não resistiu aos ferimentos e morreu na hora.

O jovem de 21 anos era natural de Teresina, no Piauí e trabalhava na 2ª Companhia Independente em Mirinzal. Ele havia ingressado na Polícia Militar do Maranhão em 2018.

Por meio de nota, o Comando-Geral da Polícia Militar lamentou a morte do policial. Confira a nota na íntegra abaixo.

Nota do Comando-Geral da Polícia Militar:

“É com pesar que o Comando da Polícia Militar em nome de seus oficiais, praças e funcionários civis lamenta profundamente a morte do soldado Samuel Caetano de Albuquerque Marques, 21 anos, que era lotado na 2ª Companhia Independente, na cidade de Mirinzal. O policial militar morreu em serviço vítima de acidente motociclístico durante uma perseguição a criminosos na manhã desta segunda-feira (11), naquela cidade.

A família policial militar estende seu pesar e solidariedade à família do Soldado Caetano, neste momento tão difícil e de grande dor.

O policial era natural de Teresina (PI) e ingressou na Polícia Militar no ano de 2018, nesse pouco tempo na Instituição sempre cumpriu suas missões com afinco, compromisso e responsabilidade, empenhado na nobre missão de defender a sociedade e manter a ordem pública. Deixa aos amigos de farda uma lacuna e exemplo de grande profissional e amigo.”

Ao pedir desculpas por agredir músico e policial, deputado Fábio Macedo diz que sofre com alcoolismo e depressão

Deputado Fábio Macedo

Por John Cutrim

O deputado estadual do Maranhão Fábio Macedo foi detido na noite desta sexta-feira (09), depois de agredir duas pessoas no no Boteco & Cervejaria Bendito (Avenida Nossa Senhora de Fátima, área nobre de Teresina – PI). Um áudio que circula nas redes sociais está sendo atribuído a Fábio, onde o deputado estaria ameaçando policiais de morte. O parlamentar foi autuado por lesão corporal e resistência à prisão. Ele foi encaminhado para a Central de Flagrantes de Teresina ainda na noite de ontem. Uma das vítimas agredidas por Fábio Macedo teria sido o cantor Léo Cachorrão.

A confusão teria começado quando o deputado resolveu pedir o microfone para cantar e o músico não concedeu. Devido à negativa, os dois discutiram e Fábio acabou arremessando um copo de vidro na testa do cantor Leo Cachorrão, conhecido também como Playboy dos Paredões. Macedo também teria ferido um sargento da Polícia Militar (PM) na mão. Léo Cachorrão foi submetido ao exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML). A Central de Flagrantes de Teresina decidiu lavrar um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) e depois liberar o parlamentar maranhense.

Segundo a assessoria da PM piauiense, Fábio foi enquadrado nos artigos 129 (lesão corporal) e 139 (difamação), do CPB (Código Penal Brasileiro), delitos afiançáveis. Em carta ao qual o blog teve acesso, o deputado Fábio Macedo pede desculpas e revela que sofre com alcoolismo e depressão.

Veja a carta.

Aos maranhenses que me elegeram e confiaram em mim como seu legítimo representante, peço as mais sinceras desculpas por meu descontrole emocional na última madrugada, onde após o consumo de bebidas alcoólicas, misturadas com medicações para tratamento de saúde,  me envolvi em uma confusão em um bar na cidade de Teresina. Nada justifica minhas atitudes e como homem que sou, assumirei todas as responsabilidades, inclusive peço desculpas ao cantor Léo Cachorrão e a Corporação da Polícia de Teresina, a quem muito respeito e admiro. À minha família, que são minha base, suporte e apoio, também devo desculpas pela exposição, onde foram ditas inverdades em momentos de embriaguez e falta de lucidez.

Chegar a este momento é muito difícil e até doloroso mas a verdade deve ser dita, não para me justificar ou fugir de minhas responsabilidades mas para que possam entender o que tenho passado nos últimos dois anos. Depois da realização de uma cirurgia, a qual fui submetido  para a retirada de um balão gástrico, que estava me causando várias complicações de saúde, tive novamente uma recaída na depressão, algo com que convivi parte da minha vida e que pensei ter sido superado por completo. Além da depressão, passei a ter problemas com alcoolismo, meu organismo não consegue mais processar o consumo de bebidas corretamente, qualquer quantidade faz com que logo eu perca a razão e o controle emocional, algo que trouxe um peso enorme para minha vida, assim como ‘meus pais, irmãos, esposa e filhos, que todo este tempo tem lutado ao meu lado, me dando forças para continuar seguindo. Infelizmente nos últimos dias tive sucessivas recaídas, algo que não me orgulho. O alcoolismo, assim como a depressão, infelizmente, são doenças graves, desta forma me comprometo em continuar com o tratamento de saúde para superar essa condição.

Deputado Fábio Macedo

CARTA ABERTA AO POVO ARAIOSENSE

A proposta política que defendo passa pela mudança de costume e de comportamento de quem cuida do que não é dele, porque é do povo.

Que essa imagem do pôr-do-sol, tendo como fundo a Ilha do Caju, nos inspire e nos encoraje a lutar pelo amanhecer de um novo e feliz dia

Se governando Araioses está o pior e o mais impopular prefeito de sua história, por outro lado os que pretendem substitui-lo em janeiro de 2021, não animam nem nos inspira confiança.

Há um grande número dos que dizem que serão pré-candidatos a prefeito de Araioses na eleição do ano que vem. Têm pretendentes para todo gosto onde tem os sem noção, os laranjas, os que já tiveram no poder e mostraram não merecer voltar e os que nem aqui habitam, mas por acharem que Araioses é terra de ninguém querem ser o ninguém dono dela.

Analisando esse quadro já há um bom tempo cheguei à conclusão que tenho que assumir uma posição diante desse quadro assustador e apresentar a vocês alternativa, algo realmente diferente, verdadeiro que passa pela Soberania de Araioses.

Alguém que possa liderar um movimento genuinamente araiosense, com conhecimento, coragem e desprendimento; ciente de que a política é a arte de servir, que é a ciência que deve ser usada como instrumento de bem coletivo e não como meio de enriquecimento ilícito, que infelizmente é muito corriqueiro, e agente causador das injustiças sociais, do desemprego e de cruel atraso de seres humanos que poderiam ter uma vida justa e digna.

Para conduzir esse processo de por um fim nesse estado de desânimo, de inércia e de injustiças que se abateram sobre o povo araiosense, me apresento para essa missão.

Não tomo essa atitude por vaidade ou por algo pessoal e sim porque cheguei ao limite de toda a paciência que poderia ter, e principalmente pelo fato de nenhum dos que já se apresentaram com o propósito de disputar à prefeitura de Araioses no ano que vem, me inspirar a confiança que já tive em outros, mas que chegaram ao poder com minha contribuição também e depois viraram as costas para o povo, e eu que servi para ajudar eleger não servi sequer para ser ouvido.

Tem mais de três décadas que milito na política de Araioses. Ao longo desses anos nunca me corrompi, nunca deixei de defender os interesses do povo araiosense, mesmo sabendo que essa atitude fazia-me entrar em choque com os que se achavam e se acham que são donos do que é nosso.

Essa atitude de enfrentamento tem me custado caro, dor, sofrimento e ninguém mais do que eu já teve que se defender na justiça de processos injustos, sendo que a maioria deles teve comando exatamente da parte de quem eu ajudei a colocar no poder. Fui inocentado em todos, mas isso me custou dinheiro e muito tempo também.

Conheço Araioses de ponta a ponta, incluindo aí as dezenas de ilhas desse território maravilhoso. Conheço mais do que qualquer um as carências dos araiosenses, passando por nossas crianças, pela juventude e pelos mais idosos, tão abandonados por gestores insensíveis e irresponsáveis.

Conheço mais do que qualquer um dos que pretendem a prefeitura de Araioses, a capacidade de desenvolvimento de nosso município que passa pelo aproveitamento de nosso potencial turístico, do que podemos produzir no campo da agropecuária, do que pode ser feito no campo da infraestrutura, na cultura, nos esportes e na assistência social. Estou anos-luz de distância dos sem noção e dos piratas do dinheiro público.

Não estarei nessa luta sozinho, porque já não falo apenas em meu nome, pois felizmente já me encontro na companhia de poucos – é verdade – de araiosenses que estão dispostos a entrar para história nesse processo arrojado, corajoso, inspirado a serviço do bem e do amor ao próximo.

Nosso grupo já tem o partido político, estamos ampliando nossos quadros e como acreditamos que muitos araiosenses sonham com um lugar melhor para viver, estamos de porta aberta para recebê-los.

Em tempo: novas postagens mostrarão a filosofia de nosso trabalho, que passa pelo respeito a todos os demais pretendentes. Temos muito que mostrar doravante e não precisamos perder tempo em apontar o dedo na direção de ninguém.

Que cada um faça seu trabalho e que o povo na sua soberania faça a escolha do que é realmente melhor para todos.

Fundo de Dallagnol vilipendia a Constituição, macula a Petrobras e privatiza dinheiro público

Por Vinícius Segalla – DCM

Os procuradores da Operação Lava Jato, capitaneados por Deltan Dallagnol, estão prestes a criar um fundo bilionário com recursos retirados da Petrobras, que, de uma só tacada, altera a letra da Constituição, cria novas funções institucionais para o Ministério Público no Brasil, afronta o Código Penal ao dar destino privado para verbas públicas e reduz a pó a prerrogativa da maior estatal brasileira de lutar pelos seus direitos na Justiça.

Tudo devidamente homologado pela Justiça brasileira, por decisão da juíza federal substituta Gabriela Hardt, de Curitiba.

Em resumo, o MPF-PR assinou acordos com autoridades dos Estados Unidos e com a Petrobras que obrigam a estatal brasileira a depositar em uma conta gerida pelo MPF-PR o montante de R$ 2,5 bilhões, ou 80% do valor em que ela estaria sendo multada nos EUA, em uma espécie de acordo de leniência assinado por lá em virtude de ilícitos que a companhia teria cometido naquele país.

O montante será dividido em duas partes. Metade (R$ 1,25 bilhão) será destinada ao pagamento de credores da Petrobras, que teriam sido onerados pelas operações ilícitas em que a estatal teria se envolvido.

Este dinheiro ficará em uma conta judicial sob gestão do MPF-PR. O restante irá para um fundo privado que será criado e gerido pelos procuradores da Lava Jato e mais quem eles escolherem.

O dinheiro envolvido é muito mais do que todo o orçamento deste ano direcionado ao MPF-PR. Na verdade, é mais do que 60% do orçamento do MPF no Brasil todo, que será de R$ 4 bilhões no exercício financeiro de 2019.

Todo o processo que culminará na criação do fundo bilionário, de número 5002594-35.2019.4.04.7000, corrente na 13ª Vara Federal do Paraná, corre sob segredo de Justiça.

Era só para todo o país ter ficado sabendo do acordo secreto fechado por Dallagnol quando todo o dinheiro já estivesse em uma conta bancária gerida pelo procurador e quem mais ele delegar.

Assim prometeu a juíza Gabriela Hardt, no despacho em que autoriza a criação do fundo: “Assim que efetuado o depósito, levanto o sigilo sobre o acordo e a homologação.”

Os procuradores desejavam ainda mais segredo. A magistrada, no entanto, achou que, daí, eles estariam quebrando alguns princípios legais, e negou:

“Não cabe a manutenção de sigilo sobre o próprio conteúdo do acordo e de sua homologação, o que seria contrário ao princípio da publicidade, aplicável ao processo judicial e à Administração Pública.”

Continue lendo AQUI