Maranhão tem a maior queda de homicídios no Nordeste, mostra Anuário Brasileiro de Segurança

A mais recente edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública mostra que o Maranhão continua reduzindo os homicídios e teve a maior queda nesse tipo de crime entre 2016 e 2017 no Nordeste.

Página 2 – A mais recente edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública mostra que o Maranhão continua reduzindo os homicídios e teve a maior queda nesse tipo de crime entre 2016 e 2017 no Nordeste.

A publicação é feita pelo Fórum de Segurança Pública, uma das mais respeitadas instituições no Brasil quando o tema é o combate à violência.

De acordo com o estudo, o Maranhão teve queda de 12,9% nos homicídios entre 2016 e 2017. Outros quatro Estados também tiveram redução, mas menor que a maranhense. O Piauí registrou diminuição de 7,2%, seguido por Bahia (queda de 5,2%), Paraíba (queda de 3,6%) e Alagoas (queda de 0,1%).

Os piores resultados são do Ceará (alta de 50,4%) e Pernambuco (alta de 19,4%). Rio Grande do Norte e Sergipe não tiveram os dados divulgados.

Brasil

O resultado do Maranhão também destoa da média nacional, que registrou aumento de 2,1% nos homicídios entre 2016 e 2017. Levando em conta todo o país, o Maranhão teve a quinta maior redução.

Em números absolutos, o Brasil teve 55.900 homicídios em 2017, acima dos 54.338 verificados em 2016.

Segundo o estudo, das 27 unidades federativas, apenas 13 conseguiram reduzir o número de homicídios.

Denys de Miranda não desistiu de disputar a Presidência da Câmara de Araioses

Vereador Denys de Miranda continua no páreo

Após a publicação do post Se Denys de Miranda desistir, Alex do Giquiri será candidato único à Presidência da Câmara de Vereadores de Araioses, o vereador Denys de Mirando disse ao Blog que não desistiu de vez da disputa e que o que dissera antes foi mais em função do seu estado de insatisfação pela forma que está sendo conduzido o processo eleitoral, que segundo ele deu a entender, estaria havendo interferência no pleito de gente ligada prefeito Cristino Gonçalves.

Ao que parece seria Sônia, mulher do prefeito, que estaria interessada em ter uma Mesa Diretora afinada com seus interesses e para isso estaria disposta a fazer muito para conquistar seus objetivos.

Nesse tipo de processo eleitoral não se deve duvidar de nada, porém informações nada confirmadas com as devidas provas, não quer dizer que sejam verdadeiras.

Por outro lado o tempo vai se encarregar de esclarecer os fatos.

A eleição será realizada dia 4 de setembro, em votação secreta, se o regime desse processo eleitoral não for mudado.

OPINIÃO – A saúde eficaz do Maranhão

Por Robson Paz

A crise econômica nacional levou mais de 60 mil usuários a deixarem os planos de saúde, entre junho de 2017 e junho de 2018. Os dados são do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS). Outro estudo divulgado pelo Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) do Ministério da Saúde mostra que mais de 34 mil leitos de internação foram fechados no país, nos últimos oito anos, na rede pública de saúde.

Vários estados e municípios fecharam hospitais, UPAs, atrasam salários dos profissionais de saúde. Situação que revela a gravidade da saúde pública no país. Como consequência, brasileiros, sobretudo os mais pobres, sofrem nas intermináveis filas para atendimento e nos corredores dos hospitais.

A despeito deste cenário caótico, o Maranhão mostra eficácia e ousadia na gestão da saúde pública. Criou inédita rede de atendimento hospitalar regional. Em três anos e meio, o governador Flávio Dino concluiu e entregou oito hospitais regionais, que atendem milhões de pessoas em todas as regiões. Hospitais de média e alta complexidade em Pinheiro, Imperatriz, Caxias, Balsas, Santa Inês, Bacabal, Chapadinha e HTO (Hospital de Traumatologia e Ortopedia) em São Luís. Com as novas unidades de saúde, o governo do Estado aumentou em 50% o número de leitos na rede pública. Feito extraordinário!

Aliado a este importante investimento, a consecução de programas como o Ninar, que oferta atendimento para crianças com problemas de neurodesenvolvimento, demonstra a dimensão humana e correta aplicação dos recursos públicos. E o mais emblemático: o acolhimento das crianças e familiares ocorre na antiga casa de festas do governo. Adaptada e reestruturada, a casa abriga aqueles que mais precisam.

Enquanto o país constata o recrudescimento dos índices de mortalidade infantil e materna, o Maranhão inova com a Força Estadual de Saúde, que leva esperança para população das 30 cidades mais pobres do Estado. Atenção básica que mitiga a ocorrência de doenças crônicas como hipertensão e diabetes, além da mortalidade infantil e materna. Atendimento realizado em povoados remotos, onde muitos jamais foram visitados por médicos.

Pacientes com câncer agora tem rede de tratamento estadual, a partir do Hospital do Câncer em São Luís, antigo Hospital Geral, e a descentralização dos serviços oferecidos também em Imperatriz e Caxias.

O projeto Sorrir garante às famílias de baixa renda tratamento odontológico gratuito. A maioria dos municípios foi contemplada com ambulâncias. Concursos públicos para profissionais de saúde foram realizados, depois de décadas.

Tudo isto resulta da prioridade e esforço fiscal do governo Flávio Dino para complementar o subfinanciamento do sistema de saúde público estadual – são apenas R$ 25 milhões do SUS (Sistema Único de Saúde) por mês. O governo investe R$ 115 milhões mensais em recursos próprios.

A saúde é direito de todos. Contudo, por muito tempo este foi negligenciado. Agora, enquanto o Brasil regride com a PEC do Teto, que congela por 20 anos investimentos na área, o Maranhão colhe frutos da semente da mudança. O impacto só não é ainda maior em face do êxodo da saúde privada para o sistema público de saúde.

Radialista, jornalista, Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da Nova 1290 Timbira AM.

Carga pesada – carreta carregada de arroz atola e interdita a Constantino de Aguiar

Uma carreta de dois compartimentos – dupla carroçaria – de Figueirópolis/TO placa OLN – 9420 carregada de arroz, para ser entregue no comércio local atolou-se até o eixo dianteiro ao tentar fazer uma manobra no cruzamento da Rua Constantino Aguiar com Rua 28 de Julho, no bairro Alto São Manoel, em Araioses/MA.

O fato ocorreu hoje (15) pela manhã e lá permanece até agora (16:40 h) interditando a Rua Constantino Aguiar, não se sabe até quando.

O calçamento das ruas de Araioses, sem exceção de nenhuma, são de péssima qualidade e devido a falta de manutenção estão cheias de buracos.

Andar nas ruas com um veículo pesado e carregado como a carreta aqui citada não é recomendável e ainda mais fazer manobra nos cruzamentos dessas ruas.

Uma informação que não pode ser omitida: em outras cidades do Brasil afora a carreta certamente ainda estaria no local do ocorrido, porém já “aliviada” de sua preciosa carga.

Temer veta reajuste de piso salarial de agentes comunitários de saúde

Jornal do Brasil

O presidente da República, Michel Temer, sancionou lei que altera a norma que trata do exercício profissional dos agentes comunitários de saúde e dos agentes de combate às endemias. O texto está publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira, 15, com veto ao aumento do piso salarial desses profissionais, hoje em R$ 1.014,00.

Pelo projeto de conversão da Medida Provisória 827/2018 aprovado no Congresso, o piso salarial dos agentes seria de R$ 1.250,00 em 2019, subindo para R$ 1.400,00 em 2020 e depois para R$ 1.550,00 em 2021.

O valor seria reajustado anualmente, a partir de janeiro de 2020, sendo fixado na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Todos esses trechos foram retirados da lei.

Para justificar o veto, o governo alegou, dentre outros argumentos, que “os dispositivos violam a iniciativa reservada do presidente da República em matéria sobre ‘criação de cargos, funções ou empregos públicos na administração direta e autárquica ou aumento de sua remuneração’, na medida que representaria aumento remuneratório para servidores, e tendo em vista que este dispositivo constitucional alcança qualquer espécie de servidor público, não somente os federais”.

O texto sancionado diz que é essencial e obrigatória a presença dos agentes comunitários de saúde e dos agentes de combate às endemias na estrutura de vigilância epidemiológica e ambiental, e que eles frequentarão cursos de aperfeiçoamento a cada dois anos. Os cursos serão organizados e financiados, de modo tripartite, por União, Estados, Distrito Federal e municípios.

Pela lei, a jornada de trabalho de 40 horas semanais exigida para garantia do piso salarial dos agentes será integralmente dedicada às ações e aos serviços de promoção da saúde, de vigilância epidemiológica e ambiental e de combate a endemias em prol das famílias e das comunidades assistidas, no âmbito dos respectivos territórios de atuação, e assegurará a eles participação nas atividades de planejamento e avaliação de ações, de detalhamento das atividades, de registro de dados e de reuniões de equipe.

A nova lei estabelece ainda que compete ao ente federativo ao qual o agente estiver vinculado fornecer ou custear a locomoção necessária para o exercício das atividades.

Conteúdo O Estadão

Ministério Público Estadual impugna registro de candidatura de Júnior Lourenço

Por Jorge Aragão

Júnior Lourenço

No início do mês, o Blog escreveu a seguinte postagem: “A difícil situação de Júnior Lourenço”. Na oportunidade, era retratada a dificuldade que o ex-prefeito de Miranda do Norte teria para confirmar sua candidatura a deputado federal.

O Blog do Jorge Aragão demonstrou que o nome de Júnior Lourenço constava nas listas do TCE (Tribunal de Contas do Estado) e TCU (Tribunal de Contas da União) e por conta disso, o ex-prefeito enfrentaria dificuldades na Justiça Eleitoral (reveja aqui).

Nesta semana, mas precisamente na segunda-feira (13), o Ministério Público Eleitoral (MPE), através do procurador Regional Eleitoral, Pedro Henrique Castelo Branco, impugnou o registro de candidatura de Júnior Lourenço.

O pedido do MPE, já encaminhado ao Tribunal Regional Eleitoral foi feito baseado na lista do TCU. Veja abaixo trecho da impugnação do registro de candidatura de Júnior Lourenço.

“O impugnado pleiteou registro de candidatura perante esse Tribunal Regional Eleitoral, conforme edital publicado pela Justiça Eleitoral. Entretanto, o pretenso candidato encontra-se inelegível porque teve contas relativas ao exercício do cargo de Prefeito Municipal de Miranda do Norte/MA (2009-2012; 2013-2016) rejeitadas por decisão irrecorrível do Tribunal de Contas da União em razão de irregularidades insanáveis que configuram ato doloso de improbidade administrativa”, clique aqui para ter acesso a impugnação.

A impugnação solicita que o TRE-MA indefira em caráter definitivo o pedido de registro de candidatura de Júnior Lourenço. E olha que, pelo visto, o MPE nem se deu o trabalho de analisar a relação do TCE.

Entretanto, não dá para dizer que o Blog não avisou antes.

O presidente do TRF 4 ou o diretor geral da PF estão mentindo. Haverá esclarecimento ou a vergonha prevalecerá?

Por Kiko Nogueira

O presidente do TRF4), Thompson Flores, chamou, indiretamente, de mentiroso o diretor geral da PF Rogério Galloro.

Em nota oficial, Thompson declarou que não houve pressão para a Polícia Federal manter Lula preso após o despacho do plantonista da 8ª Turma, desembargador Rogério Favreto, na famosa manhã de 8 de julho.

Favreto, como se sabe, havia concedido um habeas corpus no processo em que Lula foi condenado na Lava Jato a 12 anos e um mês de prisão.

Flores admite que antecipou o despacho. Mas alega que “informou à autoridade competente que despacharia nos minutos subsequentes, sem, em momento algum, dar alguma ordem por telefone”.

Galloro relatou em entrevista os bastidores daquele domingo caótico e vexaminoso.

Deu nome aos bois:

Diante das divergências, decidimos fazer a nossa interpretação. Concluímos que iríamos cumprir a decisão do plantonista do TRF-4. Falei para o ministro Raul Jungmann (Segurança Pública): ‘Ministro, nós vamos soltar’. Em seguida, a (procuradora-geral da República) Raquel Dodge me ligou e disse que estava protocolando no STJ (Superior Tribunal de Justiça) contra a soltura. ‘E agora?’ Depois foi o (presidente do TRF-4) Thompson (Flores) quem nos ligou. ‘Eu estou determinando, não soltem’. O telefonema dele veio antes de expirar uma hora. Valeu o telefonema.

Em sua defesa, Thompson argumenta que “observou o sistema legal pátrio, bem como o direito constitucional do devido processo legal”. Tudo em nome da lei.

Um dos dois está falando pela metade.

O juiz Louis Brandeis, primeiro judeu americano na Suprema Corte dos EUA, é autor de um clássico sobre a violência do Estado.

Foi no julgamento de um vendedor de bebidas grampeado sem autorização judicial durante a Lei Seca, no final dos anos 20, como lembra meu amigo Clayton Netz.

”Os maiores perigos para a Liberdade escondem-se traiçoeiramente nos ataques feitos por homens zelosos, bem-intencionados, mas sem compreensão. Declarar na administração da lei criminal que os fins justificam os meios, afirmar que o governo pode cometer crimes para garantir a condenação de um determinado criminoso, poderia provocar terríveis consequências.”

Diretor da PF conta como autoridades se uniram para descumprir a ordem judicial de libertar Lula

O delegado Rogério Galloro, diretor-geral da Polícia Federal em Brasília.  Foto: Walterson Rosa/Estadão

Do Estadão

Trecho da entrevista de Rogério Galloro, diretor da Polícia Federa, a Andreza Matais

Como foi o episódio da prisão do ex-presidente Lula?

Foi um dos piores dias da minha vida. Quando eles (interlocutores de Lula) pediram detalhes da logística da prisão, nos convenceram de que havia interesse do ex-presidente de se entregar ainda na sexta (6 de abril, prazo dado pelo juiz Sérgio Moro). Acabou o dia e ele não se apresentou. Nós não queríamos atrito, nenhuma falha.

Chegou o sábado, Moro exigiu que a gente cumprisse logo o mandado. A missa (improvisada no sindicato) não acabava mais. Deu uma hora (da tarde) e eles disseram: ‘Ele vai almoçar e se entregar’.

O sr. perdeu a paciência em algum momento?

No sábado, nós fizemos contato com uma empresa de um galpão ao lado, lá tinha 30 homens do COT (Comando de Operações Táticas) prontos para invadir. Ele (Lula) iria sair em sigilo pelo fundo quando alguém, lá do sindicato, foi para a sacada e gritou para multidão do lado de fora, que correu para impedir a saída. Foi um susto. A multidão começou a cercá-lo e eu vi que ali poderia acontecer uma desgraça. Ele retornou.

Qual era o risco?

Quando tem multidão, você não tem controle. Aquele foi o pior momento, porque eu percebi que não tinha outro jeito. A pressão aumentando. Quando deu 17h30, eu liguei para o negociador e disse: ‘Acabou! Se ele não sair em meia hora nós vamos entrar’. E dei a ordem para entrar. Às 18h, ele saiu.

Houve alguma exigência?

Eles pediram para não haver muita exposição, que não humilhasse o ex-presidente, nós usamos tudo descaracterizado. Ele estava quieto o tempo todo, bastante concentrado.

Por que o ex-presidente está na superintendência da PF?

Isso não nos agrada. Nunca tivemos preso condenado numa superintendência. É uma situação excepcional. O juiz Moro me ligou, pediu nosso apoio, ele sabe que não temos interesse nisso. Mas, em prol do bom relacionamento, nós cedemos.

Recentemente, Lula mandou chamar dirigentes do PT para discutir, dentro da superintendência, a eleição presidencial. É um tratamento diferenciado?

Não somos nós que organizamos isso (as regras para visitas), mas o juiz da Vara de Execuções Penais. O Lula está lá de visita, de favor. Nas nossas novas superintendências não vão ter mais custódia. No Paraná, não vamos mexer agora. Só depois da Lava Jato.

O sr. conversou com o ex-presidente na prisão?

Eu estive na superintendência, mas não fui vê-lo. É um simbolismo muito ruim. O segundo momento tenso para a PF envolveu a ordem de soltar Lula dada pelo desembargador Rogério Favreto e a contraordem de Moro e dos desembargadores Gebran Neto e Thompson Flores, do TRF-4. Eu estava no Park Shopping, em Brasília, dei uma mordida no sanduíche, toca o telefone. Avisei para a minha mulher: ‘Acabou o passeio’.

Em algum momento a PF pensou em soltar o ex-presidente?

Diante das divergências, decidimos fazer a nossa interpretação. Concluímos que iríamos cumprir a decisão do plantonista do TRF-4. Falei para o ministro Raul Jungmann (Segurança Pública): ‘Ministro, nós vamos soltar’. Em seguida, a (procuradora-geral da República) Raquel Dodge me ligou e disse que estava protocolando no STJ (Superior Tribunal de Justiça) contra a soltura

‘E agora?’ Depois foi o (presidente do TRF-4) Thompson (Flores) quem nos ligou. ‘Eu estou determinando, não soltem’. O telefonema dele veio antes de expirar uma hora. Valeu o telefonema.

Se Denys de Miranda desistir, Alex do Giquiri será candidato único à Presidência da Câmara de Vereadores de Araioses

Alex do Giquiri poderá ser candidato único

A disputa pela Presidência da Câmara de Vereadores de Araioses, que ocorrerá dia 04 de setembro, caminhava para ser um bom duelo entre os vereadores Denys de Miranda e Alex do

Denys desistiu mesmo?

Giquiri.

Porém, em contato por telefone com Denys de Miranda, esse disse que não mais será candidato a presidência daquele poder.

Questionado sobre quais razões para justificar sua decisão, ele disse que a disputa se transformou num jogo pesado que envolve coisas que ele não tem condições de provar.

Assim sendo Alex do Giquiri será candidato único se outro edil não se lançar a disputa até lá, ou Denys de Miranda mudar de opinião.

Em contato via whatsapp com o vereador Alex do Giquiri – que ainda não sabia da desistência de Denys – disse já ter assegurado 08 votos para sua eleição e que o nono já estava a caminho. Como são 13 vereadores na Câmara de Araioses bastaria sete para alguém se eleger.

Pelo jeito o pó da discórdia foi lançado nas entranhas do Legislativo Araiosense e aquela coisa de unanimidade de decisão entre eles é coisa do passado.

A unidade está quebrada.

VÍDEO: “Vamos acionar a Justiça Eleitoral para Lula participar dos debates através de um link ao vivo”, diz Gleisi Hoffmann ao DCM

Por Diário do Centro do Mundo

A senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, deu uma entrevista exclusiva a Kiko Nogueira e Joaquim de Carvalho, do DCM, em São Paulo.

Gleisi falou da campanha eleitoral “de denúncia” e contou que Raquel Dodge será convocada a dar explicações no Senado sobre o papel da PGR no dia do prende e solta de Lula.

Confira abaixo:

 

AHINOR diz que foi aberto novo processo de licitação para conclusão das obras do Rio Santa Rosa

Além da dragagem que terá que ser feita na nascente do Rio Santa Rosa, assim também as cercas, paus e vegetação que impedem as águas de fluir tem que desaparecer. 

Colaboradora do Blog em Brasília fez consulta para saber o que existe sobra o retorno das obras de reabertura da nascente do Rio Santa Rosa.

Como resposta veio à informação do AHINOR – Administração Hidroviária do Nordeste, onde o órgão diz foi aberto novo processo de licitação para conclusão dos serviços, que foram interrompidos com a chegada do inverno no ano passado.

Em período eleitoral, pelo qual passamos, muitos são os que dizem está lutando pela reabertura daquele rio, de fundamental importância não só para os moradores do Remanso, como praticamente para todo o município.

Resposta do DNIT a consulta feita para o Blog

Porém, será muito importante que haja fiscalização na execução da nova obra para que erros gravíssimos não se repitam. Por exemplo, o fato do início das obras no ano passado ter ocorrido muito próximo do inverno.

As chuvas chegaram e com ela também a enchente que desfez tudo o que fora feito, até então. Também há denúncias de moradores que afirmam que os operários ficavam mais tempo parados do que trabalhando e de que até óleo combustível das máquinas teria sido trocado por bebidas.

É bom ficar de olho!

Temer paralisa 40 mil obras do Minha Casa Minha Vida

O “Minha Casa, Minha Vida”, maior programa habitacional do país, está com mais de 40 mil obras em unidades habitacionais paralisadas; os problemas vão desde a falta de recurso até a burocracia e invasões aos imóveis; a situação faz com que moradores de baixa renda sigam pagando aluguel ou vivendo em áreas de risco

247 – O “Minha Casa, Minha Vida”, maior programa habitacional do país, está com mais de 40 mil obras em unidades habitacionais paralisadas. Os problemas vão desde a falta de recurso até a burocracia e invasões aos imóveis. A situação faz com que moradores de baixa renda sigam pagando aluguel ou vivendo em áreas de risco.

O programa “Minha Casa, Minha Vida” foi lançado em março de 2009 e, desde lá, construiu 5,2 milhões de unidades habitacionais. Dessas, o Ministério das Cidades afirma que quase 4 milhões foram entregues. Diz também que o número de obras paradas era maior e vem caindo, porém ainda é considerado um problema. Um exemplo do problema está em Olinda, na Grande Recife, onde os residenciais de Peixinhos 1 e 2 estão abandonados, mesmo após 95% da obra concluída. A construção foi iniciada em março de 2014, com entrega prevista para março de 2016 às 720 famílias contempladas. A nova previsão de entrega é o final deste ano.

O local hoje está com prédios concluídos, mas à espera de obras complementares para serem entregues. Por conta do tempo em que a construção esteve parada, o local já apresenta marcas do descaso, como casa de máquina abandonada, esgoto a céu aberto e janelas quebradas. Os contratos com os beneficiários foram assinados em dezembro de 2017. Um deles é Alexandre Moura Cavalcante, 44. Ele conta que aguarda há sete anos por uma casa prometida, após aquela em que vivia ser desapropriada pela prefeitura para uma obra pública.”

Nem com vice de Imperatriz Roseana Sarney emplaca na Região Tocantina

Por: John Cutrim

Roseana e o vice Ribinha Cunha

Se tem uma região em que Roseana Sarney continuará amargando derrotas fragorosas, é a Tocantina. Historicamente rejeitada no território, a ex-governadora escolheu até um vice da cidade de Imperatriz, o empresário Ribinha Cunha, para tentar alavancar seu nome junto ao eleitorado local.

Mas parece que tem sido em vão o esforço da filha de José Sarney. Depois de renegar benefícios para o povo da Região Tocantina durante os seus 14 anos como governadora, Roseana tenta correr atrás do prejuízo.

Em caravana realizada neste final de semana, ela percorreu 11 cidades ao lado dos seus candidatos a senador Edison Lobão e Sarney Filho. Em todas elas, pouca gente, representatividade política quase nula e eventos nada empolgantes.

A caravana de Roseana foi, mais uma vez, abaixo da expectativa. Com elevadíssima rejeição nas cidades que compõe a Região Tocantina, os atos realizados por ela neste final de semana sinalizaram que pode ser uma decepção nas eleições de outubro.

Juíza de Coroatá é representada no CNJ

Após proferir uma decisão que criou polêmica nesta semana, a juíza eleitoral de Coroatá, Anelise Reginato, foi representada no Conselho Nacional de Justiça sob acusação de agir com parcialidade na condução final do processo de cassação do prefeito Luís Mendes Filho, atual prefeito da cidade.

Jornal Pequeno

Após proferir uma decisão que criou polêmica nesta semana, a juíza eleitoral de Coroatá, Anelise Reginato, foi representada no Conselho Nacional de Justiça sob acusação de agir com parcialidade na condução final do processo de cassação do prefeito Luís Mendes Filho, atual prefeito da cidade. Na sentença, a juíza defende que os direitos políticos de Flávio Dino e Márcio Jerry também fossem cassados.

A sentença veio a público na última quarta-feira (08) e foi prontamente contestada pelas partes acusadas. No entanto, ao longo dos dias seguintes, diversas outras informações vieram à tona e levaram os advogados do PCdoB a apresentarem ao Conselho responsável por julgar os magistrados de todo o país as razões da parcialidade da juíza.

A peça de acusação junta provas que constatam que Anelise agiu de forma irregular com o intuito de prejudicar a candidatura de Flávio Dino nas eleições ao Governo do Estado, que acontecem em menos de dois meses. Entre os elementos apresentados, estão o fato de que a juíza conduziu toda a parte final do processo sem ouvir o Ministério Público e juntou pessoalmente provas que não estavam incluídas na acusação inicial, assinada pela família Murad em 2016.

Os representantes alegam que ela agiu com atropelo ao incluir um vídeo do youtube, não apresentado por qualquer uma das partes, produzindo provas sem ouvir as partes e nem dar direito ao contraditório. Assim, ela estaria agindo como “advogada” da acusação, que sem informar sequer ao Ministério Público incluiu na sua decisão elementos novos e que não foram confrontados com a versão da defesa. O parecer do MP tinha sido dado em julho, mostrando a inconsistência das acusações de Murad contra Dino, conforme o JP informou na sexta-feira.

A peça junta ainda outros elementos de ordem pessoal, que podem ter interferido na condução questionada do processo. A atuação da juíza nas redes sociais, mostrando proximidade com dois líderes de oposição a Dino, foram algumas delas. Anelise interagia com páginas de facebook dos deputados Edilázio Junior, Aluísio Mendes e Alberico Filho. Todos os três são ligados diretamente à cúpula do grupo Sarney.

Outro ponto apresentado pela acusação foi a declaração dada por Edilazio de proximidade com a família da juíza. Em pronunciamento oficial na Assembleia Legislativa, o deputado disse ser amigo pessoal de Márcio Fontenele, esposo da magistrada.

Depois da chuva de críticas, a juíza pediu desfiliação da Associação Maranhense dos Magistrados e recebeu o apoio de parlamentares do grupo Sarney, bem como da Associação Brasileira dos Magistrados. Ela ainda deu entrada em pedido de investigação sobre as postagens feitas por ela própria no facebook, em que diz sentir-se à vontade no Grupo Mirante – sistema de Comunicação pertencente aos filhos de José Sarney.

Fonte: Página 2

Candidatura de Flávio Dino está confirmada, afirma “O Estado do Maranhão”

A Justiça decidiu e o site do jornal “O Estado do Maranhão”, que tinha publicado o fake news de que Flávio Dino está inelegível, foi obrigado a dizer a verdade.

Cunha Santos – Por meio de decisão judicial, a Coligação Todos pelo Maranhão vem a este espaço confirmar a candidatura de Flávio Dino à reeleição, erroneamente negada por este jornal.

Com mais de 30 anos de vida pública, Flávio Dino nunca foi processado e tem a ficha limpa. Esta decisão vinda de uma juíza de Coroatá, em um caso de eleição municipal, não impede sua candidatura.

Dino e Carlos Brandão, seu candidato a vice, estão devidamente inscritos para debater propostas em favor da justiça social e do desenvolvimento do Maranhão. Da mesma forma, a candidatura de Márcio Jerry a deputado federal está garantida.

A coligação Todos pelo Maranhão reafirma a seriedade, a honestidade e o trabalho sério de Flávio Dino como juiz, deputado e governador.

A Democracia garante e exige que os mandatários submetam-se ao voto popular, livre e secreto, jamais submetendo-se a manobras que somente tumultuam o processo democrático.

*Coligação Todos pelo Maranhão*

Com informações de “O Estado do Maranhão”.